Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19355
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: “O pessoal de fora acha que a gente tá assim num mar de rosas”: um estudo sobre a instalação de empresa “ACS – Algar Call Center Service S/A” em Uberlândia/MG
metadata.dc.creator: Finzi, Tiago Resende
metadata.dc.contributor.advisor1: Almeida, Paulo Roberto de
metadata.dc.contributor.referee1: Araújo, Harley
metadata.dc.contributor.referee2: Peres, Maria Gisele
metadata.dc.description.resumo: Um ramo de prestação de serviços cresceu significativamente na cidade de Uberlândia nos últimos anos: as centrais de atendimento a clientes ou call centers, como são mais bem conhecidas. Dentre elas uma se destaca, a empresa “ACS - Algar Call Center Service”. Em meio a este cenário, algumas inquietações passaram a me incomodar, principalmente, quando percebi a invisibilidade dos trabalhadores da empresa em nossa sociedade. Desde então, venho amadurecendo algumas reflexões que transmitirei por meio deste trabalho, onde imagino poder discutir algumas questões fundamentais para o entendimento das condições em que os trabalhadores pobres de nossa cidade e região estão sendo submetidos, em específico, aqueles que exercem a função de atendentes ou operadores de telemarketing da empresa de atendimento a clientes em questão (ACS - Call Center). Nestes termos, busco evidenciar como estes trabalhadores produzem e lutam por uma memória que não está estampada em nenhuma página de jornal em nossa cidade, justamente porque vivemos em uma sociedade desigual e injusta do ponto de vista social; em outras palavras, uma sociedade caracteristicamente marcada por embate de forças sociais em que há a tendência pela veiculação de uma memória pretensamente oficial e “verdadeira”, capaz de reproduzir na sociedade, ou pelo menos na maior parte dela, a imagem de uma empresa (compartilhada pelo senso comum) incapaz de produzir problemas, exploração e, até mesmo, a precarização ou deterioração do trabalho. O objetivo deste trabalho é, portanto, propor uma reflexão sobre como a instalação da empresa “ACS - Algar Call Center Service” na cidade de Uberlândia, no final da década de 1990, bem como analisar os desdobramentos políticos e sociais desta opção feita pela elite dirigente em consonância com poder público local, elaborando e instituindo uma memória oficial da empresa. Para tanto, proponho comparar o discurso da empresa presente na mídia escrita, além do próprio material distribuído pela mesma a seus funcionários, com os relatos, vivências e expectativas dos próprios trabalhadores sobre este processo.
Keywords: Memória(s)
História
Trabalho
Flexibilização
Call center
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA::HISTORIA DAS CIENCIAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Citation: FINZI, Tiago Resende. “O pessoal de fora acha que a gente tá assim num mar de rosas”: um estudo sobre a instalação de empresa “ACS – Algar Call Center Service S/A” em Uberlândia/MG. 2007. 79 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de História, Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19355
Issue Date: 2007
Appears in Collections:TCC - História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PessoalGenteMar.pdfTCC15.86 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.