Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16005
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: A geografia das experiências sociais e o lugar visto de "baixo": o protagonismo cultural dos sujeitos da reforma agrária em Ituiutaba - MG - 1998-2015
metadata.dc.creator: Cruz, Nelson Ney Dantas
metadata.dc.contributor.advisor1: Santos, Rosselvelt José
metadata.dc.contributor.referee1: Cruz, Heloisa de Faria
metadata.dc.contributor.referee2: Vasconcelos, Regina Ilka Vieira
metadata.dc.contributor.referee3: Silva, Vicente de Paulo da
metadata.dc.contributor.referee4: Fernandes, Paulo Irineu Barreto
metadata.dc.description.resumo: A tese de doutorado aqui desenvolvida tem como objetivo analisar a cultura e os modos de vida das famílias moradoras de cinco assentamentos rurais, que estão localizados no município de Ituiutaba-MG. As entrevistas e as observações de campo compõem as principais fontes direcionadoras do trabalho teórico-empírico, sendo que a escolha teórico-metodológica foi orientada no sentido da elaboração de um caminho alternativo dos estudos culturais, que passei a denominar de Geografia das Experiências Sociais. Esta alternativa foi construída dinamicamente a partir do diálogo que estabeleci com as ideias de alguns autores da História Social Inglesa, cuja linha de análise está situada numa abordagem cultural marxista. Tal abordagem difere-se substancialmente daquela contida na nova Geografia Cultural e também na concepção de análise marxista presente na Geografia Agrária, pois no que se refere à maneira de compreender e explicar o social, a produção conceitual de ambas as vertentes tendem a negligenciar alguns aspectos teórico-empíricos que são essenciais ao estudo da realidade vivida pelos sujeitos assentados da Reforma Agrária. Enquanto a primeira vertente geográfica enfatiza as questões da subjetividade nos estudos culturais, a linha agrária tende a negar ou reduzir a cultura aos aspectos da superestrutura, valorizando, em primeiro lugar os elementos econômicos, políticos e produtivos da realidade rural, próprios da infraestrutura. Dessa maneira, a Geografia das Experiências Sociais direciona outros olhares para a realidade dos assentamentos, especificamente sobre o lugar, valorizando as disputas e interesses entre as classes sociais e a heterogeneidade contida na classe que as famílias assentadas integram. Por esse viés, a trajetória de luta e conquista da terra fazem parte da história e da organização das relações contidas no lugar, estando o passado numa correlação dinâmica com as situações vividas no presente. Nesse sentido, a Geografia das Experiências Sociais torna-se um suporte necessário e indispensável para pensar o lugar, pois este será visto a partir dos de baixo , daquela gente comum , dos que efetivamente articulam, negociam e produzem política nas condições disponíveis, que geralmente se relacionam aos limites e às possibilidades contidas no lugar. Em cada trecho de transcrição das entrevistas é possível compreender o quanto as ações dos sujeitos assentados estão interligadas ao contexto social onde vivem, de modo que a vida no assentamento é conectada pelas experiências sociais vividas no passado, especificamente no momento de luta pela terra, e no presente, construído a partir das relações inerentes ao lugar, de onde organizam e articulam as relações com outros lugares da cidade e do campo. Portanto, neste trabalho, as relações de classe, as ações hegemônicas e contra hegemônicas aparecem como elementos estratégicos na reprodução dos modos de vida, sendo que pelas experiências sociais é possível analisar e compreender a dinâmica do conflito e da solidariedade que se estabelece no lugar a partir dos assentamentos, onde os sujeitos da Reforma Agrária se relacionam com o mundo.
Abstract: The doctoral thesis developed here aims to analyze the culture and livelihoods of families living in five rural settlements, which are located in the city of Ituiutaba-MG. Interviews and field observations make up the main guidance sources of theoretical and empirical work, and the theoretical and methodological choice was oriented towards the development of an alternative way of cultural studies, I spent the name of Geography of Social Experiences. This alternative was dynamically built from the dialogue established with the ideas of some authors of English Social History, whose line of analysis is situated in a Marxist cultural approach. This approach differs substantially from that contained in the new cultural geography and also in the design of this Marxist analysis in agrarian geography, since as regards the way to understand and explain the social conceptual production of both strands tend to neglect some aspects Theoretical and empirical that are essential to the study of reality experienced by the subjects agrarian reform settlers. While the first geographical component separates the social aspect of cultural studies, land line tends to negate or reduce the cultural aspects of the superstructure, valuing only the economic factors, political and productive rural reality, own infrastructure. Thus, the Geography of Social Experiences directs other looks at the reality of the settlements, specifically over the place, valuing the disputes and interests between social classes and the heterogeneity contained in the class that settled families integrate. From this angle, the trajectory of struggle and conquest of the land are part of the history and organization of relations contained in place, with the last in a dynamic correlation with the situations experienced in the present. In this sense, the Geography of Social Experiences becomes a necessary support for thinking the place, as this will be seen from the \"low\" those people \"common\", of which effectively articulate, negotiate and produce policy under the conditions available, which generally relate to the limits and the possibilities contained in place. In each of the interviews transcription stretch it is possible to understand how the actions of individuals settlers are linked to the social context where they live, so that life in the settlement is connected by social experiences in the past, specifically at the time of struggle for land, and at present, built from the relationships of the post, where organize and articulate relations with other places in the city and countryside. Therefore, in this work, class relations, hegemonic and counter-hegemonic actions appear as strategic elements in the reproduction of livelihoods, and the social experience is possible to analyze and understand the dynamics of conflict and solidarity that is established in the place from the settlements, where the subject of agrarian reform relate to the world.
Keywords: Experiência social
Cultura
Classe
Hegemonia
Contra hegemonia
Lugar
Social experience
Culture
Class
Hegemony
Against hegemony
Place
Geografia rural
Assentamentos rurais - Ituiutaba (MG)
Reforma agrária - Ituiutaba (MG)
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Humanas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Geografia
Citation: CRUZ, Nelson Ney Dantas. A geografia das experiências sociais e o lugar visto de "baixo": o protagonismo cultural dos sujeitos da reforma agrária em Ituiutaba - MG - 1998-2015. 2015. 437 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16005
Issue Date: 11-Sep-2015
Appears in Collections:TESE - Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
GeografiaExperienciasSociais.pdf22.35 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.