Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/11864
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: A poética do silêncio em Vidas secas e a Hora da estrela
metadata.dc.creator: Silva, Carlos Augusto Moraes
metadata.dc.contributor.advisor1: Cunha, Betina Ribeiro Rodrigues da
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Gomes, Andre Luis
metadata.dc.contributor.referee1: Soares, Leonardo Francisco
metadata.dc.contributor.referee2: Gotlib, Nádia Battella
metadata.dc.description.resumo: Ao eleger como corpus de análise as obras Vidas Secas (1938) e A Hora da Estrela (1977), a presente dissertação busca evidenciar como o silêncio instaurado no discurso das personagens e na arquitetura das narrativas em estudo se configura como um mecanismo de expressão. Para atingir tais objetivos, serão utilizadas como arcabouço teórico-crítico as obras Linguagem e Silêncio: ensaios sobre a crise da palavra (1988), de George Steiner e o ensaio A Estética do Silêncio (1987), de Susan Sontag. Pretende-se igualmente problematizar o engenho artístico de Graciliano Ramos e Clarice Lispector, autores que fizeram, de suas narrativas, uma forma de protesto contra a linguagem literária institucionalizada. Steiner e Sontag estabelecem uma crítica mordaz ao que chamam de verbosidade , trivialidades disfarçadas de erudição que ameaçam o poder de comunicação e expressão da arte contemporânea e lançam uma inquietante questão para a crítica e historiografia literária: Terá nossa civilização, em virtude da desumanidade que praticou e acobertou, perdido direito a esse luxo que chamamos de Literatura? Nesse contexto, o artista mais atento pergunta-se: Onde está o silêncio necessário para que se possam ouvir as metamorfoses? Ramos e Lispector, ao produzirem as obras supracitadas, provaram que a Literatura ainda é possível, mesmo diante da sensação de morte da linguagem. Assim, elaboram textos enxutos, sem enfeites ou ornamentos, para que o silêncio de Fabiano e Macabéa exponha a fragilidade, não apenas dos que foram silenciados ao longo da história, mas também daqueles que acreditaram ter seu último conforto na palavra.
Abstract: By electing the works Vidas Secas (1938) and The Hour of the Star (1977) as a corpus to this analysis, this paper aims to show how the silence introduced on speech characters and on narratives architecture is configured as a mechanism for expression. To achieve these goals, the book Linguagem e Silêncio: ensaios sobre a crise da palavra (1988), of George Steiner and the essay A Estética do Silêncio (1987), of Susan Sontag will be used as theoretical-critical aspects. Moreover, it is also intended to question the artistic resourcefulness of Graciliano Ramos and Clarice Lispector, authors who had written books as a way to protest against the institutionalized literary language. Furthermore, Steiner and Sontag establish a scathing critique about the verbosity , trivia masquerading as erudition that threaten the power of communication and expression in contemporary art and cast a troubling question for the critic and literary historiography: Has our civilization lost the right to that luxury we call Literature, because of inhumanity that was practiced and covered up? In this context, the artist inquires: Where is the silence necessary to hear the metamorphosis? When they produced the works mentioned above, Ramos and Lispector proved that the Literature is still possible, even before the feeling about the language death. So, they prepare lean texts, without decorations or ornaments, exposing the fragility of Fabiano and Macabéa s silence, not only about those who have been silenced throughout history, but also from people who believed that they had their last word in comfort.
Keywords: Clarice Lispector
Graciliano Ramos
Narrativa
Linguagem
Silêncio
Narrative
Language
Silence
Literatura brasileira - História e crítica
Ramos, Graciliano, 1892-1953 - Crítica e interpretação
Lispector, Clarice, 1925-1977 - Crítica e interpretação
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Linguística, Letras e Artes
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Letras
Citation: SILVA, Carlos Augusto Moraes. A poética do silêncio em Vidas secas e a Hora da estrela. 2013. 123 f. Dissertação (Mestrado em Linguística, Letras e Artes) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/11864
Issue Date: 28-May-2013
Appears in Collections:PGLETRAS - Mestrado em Teoria Literária

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Carlos Augusto.pdf2.41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.