Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/32353
ORCID:  http://orcid.org/0000-0001-6082-8975
Document type: Tese
Access type: Acesso Aberto
Title: Três ensaios sobre estrutura produtiva, distribuição de renda e crise econômica no Brasil
Alternate title (s): Three essays on productive structure, income distribution and economic crisis in Brazil
Author: Santos, Patrick Leite
First Advisor: Saiani, Carlos César Santejo
First member of the Committee: Veríssimo, Michele Polline
Second member of the Committee: Loural, Marcelo Sartorio
Third member of the Committee: Kuwahara, Mônica Yukie
Fourth member of the Committee: Nakabashi, Luciano
Summary: O problema da desigualdade de renda permanece após séculos de esforços teóricos e práticos. Essa situação advém de limitações na compreensão completa desse fenômeno. Nesse sentido, essa Tese tem como objetivo estudar o crescimento econômico e os setores de atividade econômica dentro do contexto da distribuição de renda, partindo-se da hipótese de que a desigualdade nasce dentro da estrutura produtiva, dada a renda do trabalho ser a principal e única fonte de renda da quase totalidade dos brasileiros. Para isso, analisaram-se teorias e ferramentas consagradas na literatura, contextualizando-as ao Brasil e ao período atual, no intuito de identificar lacunas e limitações, a partir das quais fosse possível refletir e sugerir soluções alternativas, inovando e permitindo o avanço em algumas óticas de análise. Assim, construíram-se três ensaios que abordam a temática em pontos distintos. O objetivo do primeiro ensaio foi testar a hipótese da curva de Williamson-Kuznets, a partir das óticas intrarregional e inter-regional, utilizando-se a metodologia econométrica de dados em painel por estados para o período de 1985 a 2018, a partir dos microdados da PNAD do IBGE e de dados do SCN. Essas são importantes teorias que tratam da relação entre crescimento econômico, desigualdade de renda e setores econômicos, por isso a sua revisitação. Aqui, a inovação consiste na junção das hipóteses de Kuznets e Williamson em um mesmo arcabouço metodológico, partindo da premissa de que ambos utilizam a abordagem da economia dual como fundamento para explicar a evolução da relação desigualdade-renda em formato de “U-invertido”. Além disso, inseriu-se na análise a ótica inter-regional, ainda não explorada nos estudos precedentes. Os resultados desse estudo sugerem que a hipótese de Williamson-Kuznets não é válida para estados brasileiros no período em análise; além disso, o impacto do setor industrial é o inverso do argumento da abordagem da dualidade econômica. O segundo ensaio, por sua vez, partiu do objetivo de preencher duas lacunas existentes no estudo da desigualdade de renda a partir da ótica setorial. Primeiro, a ausência de um índice que mede simultaneamente a desigualdade intra e intersetorial; segundo, a inexistência de uma classificação que ordene os setores tendo como critério de agrupamento um indicador de desigualdade. Para isso, propôs-se o ajuste do coeficiente de Gini a partir de uma medida de desigualdade intersetorial denominada Amplitude, que deu origem ao Índice de Desigualdade Intra e Intersetorial (IDIIS), e a criação de uma classificação a partir do método de agrupamento hierárquico de Ward, tendo como parâmetro de clusterização o IDIIS. Os resultados obtidos a partir da aplicação das propostas aos microdados da PNAD do IBGE de 1976 a 2019 sugerem que o indicador consegue qualificar os setores, considerando além da dispersão do rendimento, o nível de rendimento médio em que ele ocorre; já a classificação permite trabalhar com setores que possuem similaridades quanto a essas características, o que simplifica as análises setoriais. Por fim, o terceiro ensaio teve como objetivo, utilizando-se as ferramentas e evidências obtidas nos estudos anteriores, decompor a desigualdade de renda ao longo do período de 1976 a 2019. Para isso, adotou-se uma estratégia metodológica nova e ainda pouco utilizada, o método RIF de decomposição, que permite desmembrar os efeitos composição e estrutura salarial. Ele foi aplicado ao contexto de crises econômicas, que tem se tornado cada vez mais relevante na literatura econômica, dadas a intensidade e frequência cada vez maiores. Os resultados obtidos evidenciaram que as mudanças ocorridas na estrutura produtiva brasileira estão contribuindo com a redução da desigualdade, especialmente a partir dos setores de pior IDIIS. Porém, evidencia-se também que essas mudanças estão impactando na redução do salário médio, o que no longo prazo pode comprometer o poder de compra dos brasileiros e a dinâmica econômica.
Abstract: The problem of income inequality remains after centuries of theoretical and practical efforts. This situation arises from limitations in the complete understanding of this phenomenon. In this sense, this thesis aims to study economic growth and the sectors of economic activity within the context of income distribution, based on the hypothesis that inequality arises within the productive structure, given that labor income is the main and source of income for almost all Brazilians. For this, theories and tools consecrated in the literature were analyzed, contextualizing them to Brazil and the current period, in order to identify gaps and limitations, from which it was possible to reflect and suggest alternative solutions, innovating and allowing progress in some analysis optics. Thus, three essays were developed that approach the theme in different points. The objective of the first essay was to test the Williamson-Kuznets curve hypothesis, from intraregional and interregional points of view, using the econometric methodology of panel data by state for the period from 1985 to 2018, from microdata IBAD PNAD and SCN data. This is one of the main theories that deal with the relationship between economic growth, income inequality and economic sectors, which is why it is revisited. Here, the innovation consists in the joining of the theories of Kuznets and Williamson in the same methodological framework, starting from the hypothesis that both of them use the dual economy approach as a basis to explain the evolution of inequality in an “inverted U” format. In addition, interregional optics have been included in the analysis, which has not yet been explored in previous studies. The results of this study suggest that the Williamson-Kuznets hypothesis is not valid for Brazil in the period under analysis as well the impact of the industrial sector is the inverse of the argument of the approach of economic duality. The second essay had the purpose of filling two existing gaps in the study of income inequality from the sectoral point of view. First, the absence of an index that measures both intra- and inter-sectoral inequality, and second a classification that orders the sectors using an inequality indicator as a grouping criterion. To this end, it was proposed to adjust the Gini coefficient based on a measure of intersectoral inequality called Amplitude, which led to the Intra and Intersectoral Inequality Index (IDIIS), and the creation of a classification based on the Ward hierarchical grouping method, using IDIIS as the clustering parameter. The results obtained from the application of the proposals to the microdata of the PNAD of IBGE suggest that the indicator manages to qualify the sectors considering the level of average income in which it occurs besides the income dispersion; moreover, the classification allows working with sectors that have similarities regarding these characteristics, which simplifies the sectorial analyses. Finally, the third essay aimed to decompose income inequality over the period from 1976 to 2019 by using the tools and evidence obtained in previous studies. For this, a new methodological strategy was adopted, which is still not widely used. The RIF method of decomposition allows to dismember the concentration and composition effects. It was applied to the context of economic crises, which has become increasingly relevant in the economic literature given the increasing intensity and frequency. The results showed that the changes occurred in the Brazilian productive structure are contributing to the reduction of inequality especially from the sectors with the worst IDIIS. Nevertheless, it is also evident that these changes are impacting on the reduction of the average wage, which in the long run may compromise the purchasing power of Brazilians and the economic dynamics.
Keywords: Crescimento econômico
Distribuição de renda
Setores produtivos
Indicadores
Brasil
Economic growth
Income distribution
Productive sectors
Indicators
Brazil
Economia
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA
Subject: Economia
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Economia
Quote: SANTOS, Patrick Leite. Três ensaios sobre estrutura produtiva, distribuição de renda e crise econômica no Brasil. 2021. 203 f. Tese (Doutorado em Economia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021. Disponível em: http://doi.org/10.14393/ufu.te.2021.247.
Document identifier: https://doi.org/10.14393/ufu.te.2021.247
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/32353
Date of defense: 28-May-2021
Appears in Collections:TESE - Economia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EnsaiosEstruturaProdutiva.pdfTese4.96 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons