Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/28262
ORCID:  http://orcid.org/0000-0003-4484-7660
Document type: Trabalho de Conclusão de Curso
Access type: Acesso Embargado
Title: Atividade antinociceptiva do extrato aquoso das folhas de Eugenia dysenterica (cagaita) em modelo experimental in vivo
Author: Costa, Victor Ferreira
First Advisor: Alves, Celene Maria de Oliveira Simões
First coorientator: Silva, Luiz Borges Bispo da
First member of the Committee: Miguel, Tarciso Tadeu
Second member of the Committee: Leão, Rodrigo Molini
Summary: A espécie Eugenia dysenterica, nativa do Cerrado brasileiro e popularmente conhecida como cagaita, é uma árvore de porte mediano com grande utilização no ramo alimentício e na medicina tradicional. Vários estudos têm descrito propriedades biológicas em derivados preparados a partir das folhas da referida espécie. O óleo essencial demonstrou atividade antidiarreica e efeito cicatrizante; o extrato aquoso apresentou atividades anticolinesterásica e gastroprotetora. Análises fotoquímicas de derivados da referida espécie apontaram a presença de metabólitos secundários, dentre eles, flavonoides, catequinas e taninos, aos quais foram atribuídas atividades anti-inflamatória e analgésica. Considerando que esses compostos bioativos possuem ações anti-inflamatórias e que não é incomum encontrarmos drogas que possuam ambas as atividades farmacológicas, antinociceptiva e anti-inflamatória, o objetivo deste projeto foi investigar possível ação antinociceptiva no extrato aquoso das folhas da Eugenia dysenterica. O extrato aquoso das folhas da E. dysenterica (EAED) foi preparado a partir das folhas secas e trituradas, misturadas com água destilada na proporção de 20% (m/v). O efeito de analgesia foi avaliado por meio dos testes de contorções abdominais e da placa quente em camundongos Balb/C. Os animais foram divididos em cinco grupos (n= 6 a 7/grupo) e tratados, por via oral, com EAED (100, 550, 1000 mg/Kg), ou indometacina (10 mg/Kg) solubilizados em carboximetilcelulose 0,5% (CBX 0,5%), ou somente com o veículo CBX 0,5%. Os dados obtidos foram expressos como média ± E.P.M. e as comparações entre as médias dos diferentes grupos experimentais foram analisadas utilizando-se ANOVA, seguido do teste de Bonferroni para comparações múltiplas (*p < 0,05). Os resultados obtidos mostraram que o EAED reduziu o número de contorções abdominais nas maiores doses, 550 e 1000 mg/Kg, em 51,5% e 54,5%, respectivamente, comparado ao grupo controle que recebeu apenas CBX 0,5%, O anti-inflamatório indometacina também reduziu em 59,2% o número de contorções abdominais após o estímulo com ácido acético. No entanto, no teste da placa quente não houve diferença estatística entre os grupos experimentais, em todos os tempos analisados. Portanto, os dados sugerem que o extrato avaliado possui potencial ação antinociceptiva em modelo experimental de dor aguda, induzida por agente químico, o qual pode estar relacionado aos metabólitos secundários identificados nessa espécie.
Keywords: Antinociceptivo
Eugenia dysenterica
Contorções abdominais
Myrtaceae
Medicina popular
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA
CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA::ETNOFARMACOLOGIA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Quote: COSTA, Victor Ferreira. Atividade antinociceptiva do extrato aquoso das folhas de Eugenia dysenterica (cagaita) em modelo experimental in vivo. 2019. 35 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biomedicina) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2020.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/28262
Date of defense: 6-Dec-2019
Appears in Collections:TCC - Ciências Biomédicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AtividadeAntinociceptivaExtrato.pdf
  Until 2021-12-06
Arquivo .pdf873.07 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.