Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21437
Document type: Tese
Access type: Acesso Aberto
Title: Variabilidade glicêmica, estabilidade de membrana eritrocitária e marcadores de estresse oxidativo em pacientes com diabetes mellitus tipo 1
Alternate title (s): Glycemic variability, erythrocyte membrane stability and oxidative stress markers in patients with type 1 diabetes mellitus
Author: Rodrigues, Ricardo
First Advisor: Resende, Elmiro Santos
First coorientator: Penha-Silva, Nilson
Second coorientator: Jorge, Paulo Tannus
First member of the Committee: Couri, Carlos Eduardo Barra
Second member of the Committee: Borges, Maria de Fátima
Third member of the Committee: Resende, Elisabete R. Mantovani
Fourth member of the Committee: Gomes, Debora Cristiane
Summary: Variabilidade glicêmica, estabilidade de membrana eritrocitária e marcadores de estresse oxidativo em pacientes com diabetes mellitus tipo 1 Introdução: A variabilidade glicêmica (VG) tem sido descrita como um fator independente de risco para as complicações crônicas do diabetes. Objetivos: avaliar a variabilidade glicêmica entre portadores de DM1 e estudar possíveis correlações da VG com parâmetros de estabilidade de membrana celular e com marcadores de estresse oxidativo. Material e Métodos: Foram estudados 90 pacientes com DM1 em tratamento intensivo. As avaliações incluíram: índices antropométricos, dosagens bioquímicas (glicose, ácido úrico, lipidograma, hemoglobina glicada, microalbuminúria, creatinina, ferro), hemograma completo e reticulócitos, cálculos dos parâmetros de estabilidade de membrana e dosagens de marcadores de estresse oxidativo (substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico e glutationa reduzida). Todos os conjuntos de valores foram analisados quanto à distribuição. Valores com distribuição normal foram expressos em média e desvio padrão e comparados com teste t para amostras independentes, enquanto valores com distribuição não normal foram expressos em mediana e intervalo interquartílico e comparados com teste de Mann-Whitney. As análises de correlação de dados com distribuição normal e não normal foram feitas com a utilização dos métodos de Pearson ou de Spearman, respectivamente. Valores de p menores que 0,05 foram considerados estatisticamente significantes. Resultados: A VG pelo desvio padrão (SD) da média glicêmica diária (DAG) foi de 89,8 (72-111) mg/dL e apresentou forte correlação linear com os níveis de HbA1c (ρ=0,63; p<0,0001). Marcadores de variabilidade glicêmica a curto e longo prazo (SD e ΔHbA1c, respectivamente) mostraram correlações com parâmetros de estabilidade de membrana e análise destes mesmos parâmetros entre os subgrupos de menor VG versus maior VG também demonstrou diferenças estatisticamente significativas. A atividade de glutationa redutase (GR), marcador de estresse oxidativo, apresentou correlação com a VG (ρ=0,4 e p<0,05). Conclusão: A variabilidade glicêmica entre indivíduos com DM1 mesmo em tratamento intensivo é de grande intensidade e apresenta correlação direta com os níveis de hemoglobina glicada, podendo ser usada como uma ferramenta na identificação dos pacientes com maior chance de não alcançarem as metas de bom controle da doença. A VG também apresentou correlações com alguns parâmetros de estabilidade de membrana eritrocitária, reforçando a existência de potencial papel destas células nos mecanismos relacionados ao desenvolvimento de complicações crônicas do diabetes.
Abstract: Glycemic variability, erythrocyte membrane stability and oxidative stress markers in patients with type 1 diabetes mellitus Introduction: Glycemic variability (GV) has been described as an independent risk factor for chronic complications of diabetes. Objectives: To evaluate glycemic variability among DM1 patients and to study possible correlations of GV with cell membrane stability parameters and with oxidative stress markers. Material and Methods: We studied 90 patients with DM1 undergoing intensive treatment. The evaluations included: anthropometric indexes, biochemical measurements (glucose, uric acid, lipidogram, glycated hemoglobin, microalbuminuria, creatinine and iron), complete blood count and reticulocytes, calculations of membrane stability parameters and dosages of oxidative stress markers (thiobarbituric acid reactive substances and reduced glutathione). All sets of values were analyzed for distribution. Values with normal distribution were expressed as mean and standard deviation and compared with t-test for independent samples, while values with non-normal distribution were expressed in median and interquartile range and compared with the Mann-Whitney test. Data correlation analyzes with normal and non-normal distribution were done using the Pearson or Spearman methods, respectively. Values of p less than 0.05 were considered statistically significant. Results: The standard deviation (SD) of the daily glycemic mean (DAG) was 89.8 (72-111) mg/dL and presented a strong linear correlation with HbA1c levels (ρ = 0.63, p <0.0001). Markers of short-term and long-term glycemic variability (SD and ΔHbA1c, respectively) showed correlations with membrane stability parameters and analysis of these same parameters between the subgroups of lower GV versus higher GV also showed statistically significant differences. The activity of glutathione reductase (GR), a marker of oxidative stress, showed a correlation with GV (r = 0.4 and p < 0.05). Conclusion: Glycemic variability in individuals with DM1, even under intensive treatment, is of great intensity and presents a direct correlation with glycated hemoglobin levels, and can be used as a tool in the identification of patients who are more likely to fail to achieve good control goals. GV also showed correlations with some parameters of erythrocyte membrane stability, reinforcing the existence of potential role of these cells in the mechanisms related to the development of chronic complications of diabetes.
Keywords: Diabetes Mellitus Tipo 1
Type 1 Diabetes Mellitus
Variabilidade Glicêmica
Glycemic Variability
Eritrócitos
Erythrocytes
Membrana
Membrane
Estabilidade Membrana
Membrane Stability
Diabetes
Diabetes
Membranas
Membranes
Ciências Médicas
Medical Sciences
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Quote: RODRIGUES, R.;. Variabilidade glicêmica, estabilidade de membrana eritrocitária e marcadores de estresse oxidativo em pacientes com diabetes mellitus tipo 1 - Uberlândia 2017. 81f. Tese (Doutorado em Ciências da saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.Disponível em: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2018.23
Document identifier: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2018.23
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21437
Date of defense: 31-Oct-2017
Appears in Collections:TESE - Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Variabilidadeglicêmicaestabilidade2.pdf2.14 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.