Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19403
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: A luta pela terra: sonhos, conflitos e contradições. Assentamento Rio das Pedras, Uberlândia-MG – 1997/2004
metadata.dc.creator: Oliveira, Elisângela Magela
metadata.dc.contributor.advisor1: Almeida, Antônio de
metadata.dc.contributor.referee1: Greco, João Francisco Natal
metadata.dc.contributor.referee2: Almeida, Maria de Fátima Ramos de
metadata.dc.description.resumo: Esta pesquisa constitui-se de um estudo sobre a trajetória histórica do assentamento Rio das Pedras, situado a 23 Km de Uberlândia, em Minas Gerais, Brasil, tendo como principal objetivo investigar até que ponto o padrão de vida das famílias envolvidas obteve melhorias com a nova realidade vivenciada no assentamento. O período histórico analisado corresponde aos anos de 1997 a 2004, sendo retrocedido quando necessário. Em termos teóricos e metodológicos, a pesquisa contou com a utilização de fontes escritas diversas e entrevistas realizadas junto aos assentados. Optou-se por abordar uma bibliografia variada, abarcando parte das ideias de autores brasileiros como José Graziano da Silva, José de Souza Martins e Caio Prado Júnior, entre outros, os quais muito contribuíram para o melhor entendimento da questão agrária no Brasil. No diálogo com as teorias histórias Marc Bloch, Lucien Febvre, Jacques Le Golf, Eric Hobsbawm, Eduard Pawmer Thompson, Edward Hallet Carr, Josep Fontana, Lynn Hunt, Peter Burke, Pierre Bourdieu, Raphael Samuel, Alessandro Portelli e Maria do Pilar Vieira, entre outros, deixaram aqui as suas contribuições. Constituído de 87 famílias, a oficialização daquele assentamento ocorreu em outubro de 1997, momento em que o tribunal de alçada, em Belo Horizonte, suspendeu a Ação de Reintegração de Posse contra o movimento de Luta Pela Terra (MLT), realizada por Josias de Freitas, proprietário da fazenda, permitindo a permanência das famílias no local. Passado o período de acampamento, os trabalhadores começaram a viver uma nova realidade, porém não muito diferente da anterior. Com a falta de recursos e ausência de conhecimento sobre o manejo e técnicas de cultivo da terra, a maioria dos trabalhadores se vê na difícil condição de camponeses inexperientes com relação à atividade escolhida. Além dos financiamentos que, naturalmente, tem de ser pagos pela terra, os assentados convivem com a demora na instalação de infraestrutura na fazenda: saneamento básico e energia elétrica. Neste sentido a produção, que deveria ser o segundo passo para se obter melhorias nas condições de vida dos trabalhadores assentados, passa a sofrer sérias consequências fazendo com que uma pequena parte do total de trabalhadores consiga produzir para o próprio sustento, além de gerar algum excedente para o mercado informal. Fatos como estes levam a pensar no modo como a “Reforma Agrária” está sendo conduzida no Brasil e se não está no momento de redefini-la.
Keywords: Terra
Trabalho
Movimentos sociais
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Citation: OLIVEIRA, Elisângela Magela. A luta pela terra: sonhos, conflitos e contradições. Assentamento Rio das Pedras, Uberlândia-MG – 1997/2004. 2004. 96 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de História, Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2004.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19403
Issue Date: 2004
Appears in Collections:TCC - História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LutaTerraSonhos.pdfTCC7.29 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.