Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19204
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Termografia para avaliação do acometimento neural das mãos de pacientes com hanseníase
metadata.dc.creator: Cunha, Ana Carolina Sousa Rodrigues da
metadata.dc.contributor.advisor1: Goulart, Isabela Maria Bernardes
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Guimarães, Gilmar
metadata.dc.contributor.referee1: Frade, Marco Andrey Cipriani
metadata.dc.contributor.referee2: Grossi, Maria Aparecida de Faria
metadata.dc.contributor.referee3: Sabino, Robinson
metadata.dc.contributor.referee4: Puga, Guilherme Morais
metadata.dc.description.resumo: Introdução: A hanseníase é causada pelo Mycobacterium leprae, com predileção por nervos periféricos e pele, locais os quais as regiões são mais frias. É uma das mais frequentes doenças neurais periféricas tratáveis. Uma grande proporção de pacientes tem neuropatia subclínica não evidenciada pela estesiometria, que avalia a sensibilidade tátil por meio dos monofilamentos. Objetivo: Avaliar as alterações de temperatura nas mãos de pacientes com hanseníase nas diferentes formas clínicas da doença. Para isso, padronizou o método termográfico que detecta disfunções neurais autonômicas e o comparou com a estesiometria. Métodos: Foram realizadas imagens infravermelhas para avaliação das mãos de pacientes com hanseníase e indivíduos sadios com idades entre 18 e 70 anos. Foram divididos em dois grupos: controle (n=20) e doentes (n=60), 10 de cada forma clínica. Um cut off de temperatura foi calculado para cada região da mão nas diferentes formas clínicas em dorso e palma. Definiu-se um limiar de temperatura para a mão de doentes e determinou-se a sensibilidade, especificidade, acurácia, valor preditivo positivo, negativo e likelihood positivo e negativo, na termografia e na estesiometria. Resultados: Pela termografia demonstrou-se que há diferença de temperatura entre as mãos de doentes e controles sadios. As médias de temperatura nas mãos dos doentes e controles, foram 32,6°C e 34,4°C, respectivamente, com diferença reduzida em 1,8°C para as mãos de pacientes com hanseníase. As formas clínicas DV e DT foram as que apresentaram as menores temperaturas nas mãos, seguida pela forma VV. Esse exame detectou as menores temperaturas na área de referência do nervo ulnar na mão, em todas as formas clínicas. A termografia apresentou sensibilidade de 71% para detecção de alterações de temperatura nas regiões de dorso e 66% na região das palmas, enquanto a estesiometria foi de 28,3 % no dorso e de 56,6 % na palma a sensibilidade para detecção de alteração da sensibilidade tátil. A termografia detectou alterações de temperatura em 90% dos indivíduos com a forma indeterminada, enquanto a estesiometria não detectou alteração em nenhum dos indivíduos dessa forma clínica. Os dois testes apresentaram valor preditivo positivo, com maior sensibilidade para o teste termográfico, alcançando 80% para dorso e palma das mãos na forma indeterminada que, por conceito, não apresenta alterações de nervos sensitivos e/ou motores. Conclusão: A detecção precoce de alterações de temperaturas na superfície cutânea das mãos de pacientes demonstrada no presente trabalho, indica a termografia como método diagnóstico complementar da disfunção neural autonômica na hanseníase, devendo estar disponível para diagnóstico precoce no monitoramento de neuropatias subclínicas em pacientes e na vigilância de contatos, grupo com maior risco de adoecer, melhorando o prognóstico e, consequentemente, prevenindo incapacidades decorrentes da hanseníase. Esse trabalho demonstrou como proposição a utilização da imagem infravermelha para detecção de neuropatia subclínica em pacientes com hanseníase, bem como para monitorar o tratamento clínico das neurites.
Abstract: Introduction: Leprosy is caused by Mycobacterium leprae, which has a predilection for skin and peripheral nerves, where the regions are cooler. It is one of the most frequent peripheral neural diseases treatable and a large number of patients have subclinical neuropathy not evidenced by esthesiometry that evaluates tactile sensitivity with monofilaments. Objective: This study used thermography to evaluate the temperature changes in the hands of patients with different clinical forms of leprosy. For so, thermographic method that detects autonomic neural dysfunction was standardized and compared with esthesiometry. Methods: infrared images for evaluation of the hands of leprosy patients and healthy individuals aged 18 to 70 years were performed. They were divided into two groups: control (n = 20) and patients (n = 60), 10 of each clinical form. The cut off temperature was calculated for each hand in the region in different clinical forms in the dorsum and palm. A temperature threshold for the hand of patients was defined and sensitivity, specificity, accuracy, positive and negative predictive value, and positive and negative likelihood for thermography and esthesiometry were determined. Results: Via thermography, it was demonstrated that there is a temperature difference between the hands of patients and healthy controls. The average temperature in the hands of patients and controls, were 32.6 °C and 34.4 °C, respectively, with reduced difference of 1.8°C for the hands of leprosy patients. The clinical forms BL and BT were the ones with the lowest temperatures in the hands, followed by LL form. This test detected the lowest temperatures in reference area of ulnar nerve in hand in all clinical forms. Thermography showed a sensitivity of 71% for detecting temperature changes in dorsal regions and 66% in the region of the palms whereas esthesiometry showed 28.3% on the back and 56.6% in the palm for tactile sensitivity change detection. Thermography detects temperature changes in 90% of individuals with the indeterminate form, whereas esthesiometry did not detect change in any of the subjects of this clinical form. Both tests were positive predictive value, with greater sensitivity to the thermographic test, reaching 80% for the dorsum and palm of the hand in the indeterminate form which, in concept, shows no changes in sensory and/or motor neural stems. Conclusion: Early detection of temperature changes on the skin surface of the hands of patients demonstrated in the present study indicates thermography as a complementary diagnostic method of autonomic neural dysfunction in leprosy and should be available for early diagnosis in monitoring subclinical neuropathies in patients and also for surveillance of contacts, group at higher risk of becoming ill, improving prognosis and thus preventing disabilities caused by leprosy.
Keywords: Ciências Médicas
Hanseníase
Termografia
Pele - Doenças
Mãos
Temperatura cutânea
Sistema nervoso autônomo
Percepção do tato
Leprosy
Thermography
Hands
Skin temperature
Autonomic nervous system
Touch perception
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Citation: CUNHA, Ana Carolina Sousa Rodrigues da. Termografia para avaliação do acometimento neural das mãos de pacientes com hanseníase. 2016. 160 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19204
Issue Date: 3-Jun-2016
Appears in Collections:TESE - Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TermografiaAvaliacaoAcometimento.pdfTese30.07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.