Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18772
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: A justiça nos ardis da política: o caso João Relojoeiro (Uberlândia 1956)
metadata.dc.creator: Correia, Iara Toscano
metadata.dc.contributor.advisor1: Machado, Maria Clara Tomaz
metadata.dc.contributor.referee1: Machado, Paulo de Barros
metadata.dc.contributor.referee2: Puga, Vera Lúcia
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho visa a aprofundar a discussão sobre o tema da criminalidade, da violência e da justiça em Uberlândia, tendo como referência um estudo de caso ocorrido no ano de 1956. O caso João Relojoeiro comoveu a opinião pública quando um relojoeiro, morador desta cidade, foi acusado de roubar uma vultuosa quantia em joias, sendo conduzido à prisão e após 24 dias, sob intensas torturas, foi morto sob a custódia da polícia local, em uma fazenda a 30 km da cidade. A análise trilha o caminho da História da Cultura e da Micro-História, voltada para as teorias desenvolvidas por Carlo Guinzburg sobre a utilização dos processos crimes na tentativa de reconstrução do imaginário de uma sociedade, assim como, a sua análise sobre a proximidade entre o juiz e o historiador. Pretende-se analisar as representações discursivas contidas nos processos criminais, tentando perceber como a realidade vai sendo induzida e mascarada através das práticas jurídicas, objetivando compreender que justiça é essa e para quem ela foi feita. Propõe-se analisar, principalmente, a diferença de tratamento dada no julgamento de delito cometido por pessoas pertencentes à elite e por aquelas que estão à margem da sociedade. É nesse sentido que o caso pode fornecer ricas informações, já que abarca estes dois polos, permitindo perceber até que ponto a justiça pode ostentar como símbolo a imagem que dela temos: a imparcialidade e a igualdade para todos. O primeiro capítulo reconstitui o cenário urbano de Uberlândia na década de 1950, através de um passeio pela cidade, tomando como referência a memória do Sr. Antônio Pereira. O segundo capítulo é a elaboração de um "diário" dos acontecimentos vividos em 1956, em episódios que vão desde o assalto na joalheria e culminam com a morte de um dos acusados de roubo. O terceiro capítulo estabelece uma análise dos processos crimes dos acusados de matar João Relojoeiro.
Notes: Palavras-chave e resumo criados pelo pesquisador do Projeto PROGRAD/DIREN/UFU 2016-2017 Historiografia e pesquisa discente: as monografias dos graduandos em História da UFU.
Keywords: Violência
João Relojoeiro
Uberlândia
1956
Justiça
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Citation: CORREIA, Iara Toscano. A justiça nos ardis da política: o caso João Relojoeiro (Uberlândia 1956). 2000. 106 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de História) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2000.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18772
Issue Date: 2000
Appears in Collections:TCC - História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JusticaArdisPolitica.pdfTCC7.45 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.