Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18085
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: A constituição discursiva da morte na obra de Hilda Hilst
metadata.dc.creator: Ferreira, Jaciane Martins
metadata.dc.contributor.advisor1: Fernandes, Cleudemar Alves
metadata.dc.contributor.referee1: Conti, Maria Aparecida
metadata.dc.contributor.referee2: Gama-Khalil, Marisa Martins
metadata.dc.contributor.referee3: Fernandes Júnior, Antônio
metadata.dc.contributor.referee4: Carrijo, Fabiana Rodrigues
metadata.dc.description.resumo: Estar sendo. Ter sido, de Hilda Hilst (Hilst 2006a) tem como personagem principal Vittorio, um senhor de sessenta anos que, ao chegar a essa idade, rompe com sua mulher, muda-se para uma casa de praia com seu irmão Matias e seu filho Júnior. A narrativa é centrada em sua vida e suas memórias, dividida em duas partes, a primeira mostra a convivência com seus dois companheiros e a segunda uma maior solidão, na qual ele está com uma empregada e um barman. Vittorio rompe com os protocolos sociais e passa a viver determinada morte em vida. Ao relatar suas memórias, ele traz para sua história personagens outras que compõem outros livros da obra hilstiana, quais sejam: Crasso e Kraus, do livro Contos D’Escárnio/Textos grotescos (HILST, 2002a); Cordélia e Stamatius, personagens de Cartas de um sedutor (HILST, 2002b); Edemir de O caderno Rosa de Lori Lambi (HILST, 2005); Hillé, do livro A obscena senhora D (HILST, 2001); Kadek, do conto Vicioso Kadek publicado na coletânea de contos intitulada Rútilos (HILST, 2010) e Qadós, do livro Kadosh (HILST, 2002c). A tese que ora apresentamos nasceu de nosso desejo de compreender o funcionamento discursivo da morte no âmbito dessas obras. Assim, em nossa análise, buscamos discutir sobre a morte dentro de um quadro de escrita de si, os posicionamentos-sujeito das personagens, sua constituição histórica, a relação com a morte também perpassada pela memória, a forma como emerge, em alguns textos, a relação com a autoria e o sexo, como as personagens se interligam e mostram sua inscrição no que Foucault (1999) denominou de processo biohistórico. Para o cumprimento de nossos objetivos, analisamos quarenta e seis excertos em três capítulos. O corpus foi constituído a partir de excertos dos sete livros supracitados, utilizamos o pressuposto sobre o enunciado e o arquivo (FOUCAULT, 2008) como aporte metodológico. Dessa forma, em três capítulos, analisamos o corpus selecionado por meio de três eixos, a saber: a constituição de Vittorio em relação às pessoas de sua casa, como ele se coloca nesse possível lugar de morte ao romper com os protocolos sociais; a relação que se estabelece entre morte, autoria e sexo e como os sujeitos se constituem a partir da memória que se estabelece socialmente envolvendo tais temáticas e, por último, como se dá a relação com o corpo, principalmente, o corpo velho, tido já como inútil. Assim, analisamos o sujeito que passa pelas obras até entender o funcionamento de uma busca por si mesmo que aparece via uma escrita de si.
Abstract: The book Estar sendo. Ter sido (To be being. To have been), from Hilda Hilst (Hilst 2006a) has Vittorio as character, a sixty-old-man that broke up with his wife and changed to a beach house with his brother Matias and his son Júnior. The narrative is about his life and his memories, broken in two parts; the first one shows the companionship among them; the second one is about a bigger isolation, that is, he is only with a made and a barman. Vittorio also breaks with the social rules and starts living a kind of death in life. When he reports his memories, he brings characters from others Hilst’s books to his story, as Crassus and Kraus, from the book Contos D’Ecárnios e textos grotescos (Scorn Tales /grotesque texts) (Hilst, 2002a); Cordélia and Stamatius, from Cartas de um sedutor (Letters from a seducer) (Hilst, 2002b); Edemir, from Caderno rosa de Lory Lambi (The pink notebook of Lory Lambi) (Hilst, 2005); Hillé, from the book A obscena Senhora D. (The obscene Lady D.) (Hilst, 2001); Kadek, from the tale Vicioso Kadek published in the collection of short stories entitled Rútilos (Hilst, 2010) and Kadosh, from the book Kadosh (Hilst, 2002c). The thesis presented here started by the desire to understand the discursive functioning of death within these cited Hilst’s works. Thus, in our analysis, we discuss about death in a self-writing frame, the characters position as subjects, their historic constitution, the relationship with death also permeated by the memory, the way it emerges in some of her texts, the relationship with the authorship and the sex, as the characters are interconnected and show their position in bio-historic process (FOUCAULT,1999). Therefore, in order to achieve our goals, we analyzed forty-six excerpts in three chapters. The corpus was built from extracts of the seven mentioned books, we use the assumption about the statement and the archive (FOUCAULT, 2008) as a methodological contribution. Though, in three chapters, we analyzed the corpus thinking about Vittorio’s relationship with his relatives and the way he puts himself in a possible death place when he breaks with the social protocols; the relation among death, sex and authorship and how the subjects constitute themselves through memories which are social stablished; at last, we thought about the discursive relationship between the subject and the body, the old body, considered as a useless body in our society. In this way, we analyzed the subject in order to understand his self’s searching which comes through a self-writing.
Keywords: Linguística
Morte na literatura
Sexo na literatura
Escrita
Morte
Sujeito
Autoria
Sexo
Escrita de si
Death
Subject
Authorship
Sex
Self-writing
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos
Citation: FERREIRA, Jaciane Martins. A constituição discursiva da morte na obra de Hilda Hilst. 2016. 140 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18085
Issue Date: 21-Jun-2016
Appears in Collections:TESE - Estudos Linguísticos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ConstituicaoDiscursivaMorte.pdfTese1.05 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.