Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18051
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Sintomas depressivos e trajetórias de qualidade de vida relacionada à saúde de estudantes de Medicina ao longo do curso de graduação
metadata.dc.creator: Araújo, Maria Bernadete Jeha
metadata.dc.contributor.advisor1: Silva, Carlos Henrique Martins da
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Mendonça, Tânia Maria da Silva
metadata.dc.contributor.referee1: Ribeiro, Alessandra Carla de Almeida
metadata.dc.contributor.referee2: Rezende, Camila Azenha Alves de
metadata.dc.contributor.referee3: Baldassin, Sérgio Pedro
metadata.dc.description.resumo: A formação médica caracteriza-se por um ambiente de intenso e progressivo estresse que favorece o desenvolvimento de sintomas depressivos nos estudantes com repercussões negativas no aprendizado, no desenvolvimento profissional, na vida relacional e na relação médico-paciente. Vários estudos transversais e alguns longitudinais indicam que os estudantes de Medicina apresentam prejuízos na qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS). Os objetivos deste estudo foram avaliar a presença de sintomas depressivos e as trajetórias de QVRS de uma turma de estudantes de Medicina ao longo dos períodos de graduação e verificar possíveis relações entre QVRS, sintomas depressivos e variáveis sociodemográficas e clínicas. Estudantes de Medicina responderam a um instrumento de QVRS (SF-36) e a uma escala de sintomas depressivos (Inventário de Depressão de Beck – IDB) anualmente durante a graduação. Os escores do Medical Outcomes Study 36-Item Short-Form Health Survey (SF-36) obtidos foram comparados e correlacionados com as variáveis sociodemográficas e com os escores e clusters extraídos do IDB por meio de análise fatorial exploratória. Não ocorreram diferenças entre os escores do IDB e os domínios e sumários do SF-36 ao longo do curso (p > 0,05). As médias dos escores do sumário do componente mental do SF-36 foram menores que as do físico ao longo do curso. As variações dos escores do SF-36 foram explicadas por variações dos domínios dor e vitalidade nos estudantes do sexo masculino e feminino, respectivamente. As variáveis sociodemográficas não se correlacionaram com escores do SF-36 e IDB. Os domínios e sumários do SF-36 apresentaram correlações negativas com a presença de sintomas depressivos. Três clusters do IDB foram extraídos por meio da análise fatorial: baixa utoestima/insatisfação, sintomas subjetivos e sintomas somáticos. Os clusters baixa autoestima/insatisfação e sintomas subjetivos do IDB apresentaram correlações moderadas (r = 0,3; p < 0,05) com os escores dos domínios e sumários do SF-36 e foram utilizados como variáveis dependentes para a análise de regressão múltipla. Para o cluster baixa autoestima/insatisfação obteve-se um modelo moderado de explicação da variância (R2 = 0,34; p < 0,05) com as variáveis vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais, saúde mental e sumário do componente mental. A variável que mais contribuiu para o modelo foi o sumário do componente mental (ß= -1,94; p = 0,05). A percepção de bem-estar dos estudantes de Medicina é pior na dimensão mental que na física e correlaciona-se com sintomas depressivos. A associação entre sintomas depressivos e QVRS parece ser explicada por itens do IDB relacionados à baixa autoestima e insatisfação nos estudantes de Medicina. Professores e gestores dos cursos de Medicina devem propor estratégias de identificação e apoio psicopedagógico para estudantes com maior vulnerabilidade de comprometimento da saúde mental e disponibilizar modelos educacionais e cenários de práticas profissionais que possam contribuir para a redução do sofrimento psíquico.
Abstract: Medical training is characterized by an environment of progressive and intense stress that favors the development of depressive symptoms in students. Such distress negatively impacts students’ learning process, professional development, interpersonal and doctor-patient relationships. Several cross-sectional and longitudinal studies indicate that medical students show some impairment in their health related quality of life (HRQoL). The aim of this study was to assess the presence of depressive symptoms and health related quality of life trajectories (HRQoL) of medical students during medical training and verify possible relations among HRQoL, depressive symptoms and clinical and sociodemographic variables. Medical students completed an HRQoL instrument (SF-36) and a scale of depressive symptoms (Beck Depression Inventory - BDI) once a year during medical school. The SF-36 scores of each year were compared and correlated with sociodemographic variables and with the scores and clusters extracted from the BDI through factor analysis. There were no differences in BDI scores and in the domains and summaries of the SF-36 among the different years of medical training (p < 0.05). Mental component summary scores of the SF-36 were lower than the physical component scores throughout the course. Variations of the SF-36 scores were explained by variations in the pain and vitality domains in male and female students, respectively. The sociodemographic and clinical variables did not correlate with scores of the SF-36 and BDI. The SF-36 domain and summary scores showed negative correlations with the presence of depressive symptoms. Three BDI clusters were extracted by factor analysis: low self-esteem/dissatisfaction, subjective symptoms and somatic symptoms. The low self-esteem/dissatisfaction and subjective symptoms clusters of BDI showed moderate correlations (r = 0.3; p < 0.05) with the domain and summary scores of the SF-36, and were used as dependent variables for the multiple regression analysis. We obtained a model of moderate explanation of the variance for the cluster low self-esteem/dissatisfaction (R2 = 0.34; p < 0.05) with the variables vitality, social and emotional aspects, mental health and mental component summary. The variable that contributed most to the model was the summary of the mental component (ß = -1.94; p = 0.05). The perception of medical students' well being is worse in the mental than in the physical dimension and correlates with depressive symptoms. Among medical students, the association between depressive symptoms and HRQoL is explained by low self-esteem and dissatisfaction. Medical educators must propose strategies for identifying students with higher mental health vulnerability and provide psycho-pedagogic support as well as educational models and scenarios of professional practices that can contribute to reducing psychological distress.
Keywords: Ciências médicas
Qualidade de vida
Depressão mental
Análise fatorial
Análise de regressão
Depressão
Estudantes de medicina
Quality of Life
Depression
Students, Medical
Factor analysis, Statistical
Regression analysis
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Citation: ARAÚJO, Maria Bernadete Jeha. Sintomas depressivos e trajetórias de qualidade de vida relacionada à saúde de estudantes de Medicina ao longo do curso de graduação. 2016. 113 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18051
Issue Date: 25-Aug-2016
Appears in Collections:TESE - Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SintomasDepressivosTrajetorias.pdfTese552.42 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.