Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17662
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Estratégias de promoção da saúde a partir da escola e da Unidade Básica de Saúde da Família, em Uberlândia (MG)
metadata.dc.creator: Santos, Flávia de Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor1: Lima, Samuel do Carmo
metadata.dc.contributor.referee1: Mota, Adeir Archanjo da
metadata.dc.contributor.referee2: Carvalho, Márcia Siqueira de
metadata.dc.contributor.referee3: Mendes, Paulo Cezar
metadata.dc.contributor.referee4: Ramires, Júlio Cesar de Lima
metadata.dc.description.resumo: Promoção da saúde se contrapõe diretamente ao modelo biomédico e se estabelece por ações intersetoriais, com abordagens coletivas e interdisciplinares, considerando os sujeitos nos seus contextos de vida. Construir territórios saudáveis é promover saúde, o que inclui necessariamente a articulação intersetorial e a mobilização comunitária. Os setores de saúde e educação podem atuar conjuntamente para promover a saúde, desenvolvendo de maneira articulada ações e práticas que envolvam os sujeitos em seu território de vida e trabalho. Este estudo teve por objetivo desenhar e experimentar estratégias de promoção da saúde na escola e nas Unidades Básica de Saúde da Família, em Uberlândia - MG, a partir de relação intersetorial e mobilização comunitária. O percurso metodológico da pesquisa foi a pesquisa-ação, ou pesquisa com intervenção, porque enquanto se pesquisava já se aplicavam as ideias, para resolução de problemas, através de uma ação coletiva. A pesquisa se iniciou na Escola Municipal de Educação Fundamental Prof. Eurico Silva, com a implantação do Observatório de Saúde para realizar vigilância e promoção da saúde com protagonismo dos alunos, envolvendo todos os sujeitos da escola, alunos, professores e demais servidores no contexto da vida cotidiana, que extrapola os muros da escola, chegando à família e aos grupos sociais, na comunidade a qual estão inseridos. O observatório da saúde passou a existência objetiva com a constituição dos Grupos de Trabalho, que no princípio foram “alimentação saudável” e “mundo sem drogas” e posteriormente, "dengue". Os temas foram escolhidos pelos participantes do Observatório da saúde, nos quais cada um se envolvia preferencialmente. A segunda parte da pesquisa se iniciou com a aproximação entre o Observatório da Saúde e as unidades de saúde (UBS e UBSF). A proposta era que as Escolas e as Unidades de Saúde juntas deveriam realizar prevenção e promoção da saúde, combatendo o Aedes aegypti com articulação intersetorial e mobilização comunitária. Para isso era fundamental o envolvimento dos ACS, ACE, ASE e a enfermeira coordenadora da Unidade de Saúde na criação de redes comunitárias no território. Foi realizado um curso de capacitação em todas as equipes de UBSF e UBS com os seguintes temas: visita domiciliar, mobilização comunitária e articulação intersetorial. Nesta etapa, eram as Unidades de Saúde que deveriam se aproximar das escolas, com o objetivo de constituir redes comunitárias para o combate ao Aedes aegypti em cada território. Os resultados e o alcance desta experiência só puderam ser levados a bom termo porque a Diretoria de Vigilância em Saúde e a Coordenação da Atenção Básica do município abraçaram a proposta e ajudaram na sua implantação. Resta continuar consolidando este processo de trabalho nas unidades de saúde da atenção básica e nas escolas de educação fundamental, replicar a experiência do Observatório da Saúde na Escola. A conclusão deste trabalho é que escolas e unidades de atenção à saúde juntas, com articulação intersetorial e mobilização comunitária apoiada em redes comunitárias, pode realizar prevenção e promoção da saúde, a partir de um modelo de saúde que considere a determinação social da saúde e superando o modelo higienista/sanitarista.
Abstract: Health promotion is opposed directly to the biomedical model and established by intersectoral action, with collective and interdisciplinary approaches, considering the subject in their life contexts. Build healthy territories is to promote health, which necessarily includes intersectoral coordination and community mobilization. The health and education sectors can work together to promote health, developing so articulate actions and practices involving the subject in its territory of life and work. This study aimed to design and experience of health promotion strategies in school and Basic Health Units Family in Uberlândia - MG, from intersectoral relationship and community mobilization. The methodological research route was action research, or research intervention, because while researching already applied the ideas to solve problems through collective action. The research began in the Municipal School of Basic Education Prof. Eurico Silva, with the Health Centre's deployment to carry out surveillance and health promotion with active participation of students, involving all subjects of the school, students, teachers and other staff in the context of everyday life, which extrapolates the school walls, reaching the family and social groups in the community to which they belong. The health observatory has the objective existence with the establishment of the working groups, which at first were "healthy eating" and "drug-free world" and later, "dengue". The themes were chosen by the participants of the Health Centre, in which each is involved preferably. The second part of the research started with the approach between the Centre for Health and the health units (UBS and BFHU). The proposal was that the schools and the health nurse unit together should undertake prevention and health promotion, combating Aedes aegypti with intersectoral coordination and community mobilization. For it was crucial the involvement of ACS, ACE, ASE and the nurse coordinator of the Health Unit in creating community networks in the territory. home visits, community mobilization and intersectoral coordination: a training course in all BFHU and UBS teams with the following subjects was conducted. At this stage, were the Health Units that should approach the schools, in order to provide community networks to fight Aedes aegypti in each territory. The results and the scope of this experiment could only be brought to fruition because the Board of Health Surveillance and Care Coordination council of Basic embraced the proposal and helped in its implementation. It remains to continue consolidating this process of work in health units of primary care and the elementary schools, replicate the Health Centre's experience at school. The conclusion of this work is that schools and care facilities to health together with intersectoral coordination and community mobilization supported by community networks, can carry out prevention and health promotion, from a health model that considers the social determinants of health and overcoming hygienist model / sanitarian.
Keywords: Geografia
Cuidados primários de saúde
Família - Saúde e higiene - Uberlândia (MG)
Escola - Uberlândia (MG)
Promoção da saúde
Intersetorialidade
Mobilização comunitária
Escola
Unidade Básica de Saúde da Família
Health promotion
Intersectionality
Community mobilization
School
Basic Units of Family Health
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Geografia
Citation: SANTOS, Flávia de Oliveira. Estratégias de promoção da saúde a partir da escola e da Unidade Básica de Saúde da Família, em Uberlândia (MG). 2016. 292 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17662
Issue Date: 28-Jun-2016
Appears in Collections:TESE - Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EstrategiasPromocaoSaude.pdfTese16.95 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.