Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17188
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Se parece com Nelson é vida ou A Psicanálise como ela é...: narrativas de uma investigação psicanalítica
metadata.dc.creator: Costa, Rafael de Melo
metadata.dc.contributor.advisor1: Romera, Maria Lucia Castilho
metadata.dc.description.resumo: Trata-se de um estudo investigativo que, sob a lente interpretante do método psicanalítico, coloca em questão os conceitos de interpretação psicanalítica e realidade psíquica, a partir de uma analogia estabelecida entre os movimentos de criação na Literatura de Nelson Rodrigues e aqueles oriundos das produções psicanalíticas. A leitura de A vida como ela é..., série de contos escrita por Nelson Rodrigues, para o jornal Última Hora, entre os anos de 1951 e 1961, caracterizou-se como uma forte experiência teoricafetiva. Ao produzir, Nelson, cria realidades e uma forma particular de homem o brasileiro. Apresenta tragédias e dramas, para os quais, destrincha o óbvio ululante que as sustentam. Neste sentido deduzi que ele cumpriria, com rigor metodológico, as exigências do método interpretativo por ruptura de campo, tal como propõe Fabio Herrmann, a saber, a criação de um sentido, para além ou aquém, do já estabelecido rotineiramente. Estremecido pela possibilidade de um escritor/artista atender as exigências do método psicanalítico, hipotetizei se não seria Nelson Rodrigues um psicanalista exemplar. Diante desta agonia sentida e da postura assumida de ver/ler a produção rodrigueana como psicanalítica, necessitei de diálogos com a Ciência, Arte, de modo aprofundado com a Literatura, para iluminar o próprio campo e lugar da Psicanálise no meu universo, e, responder as questões nodais que à investigação se impunham: o que Nelson Rodrigues produz de saber sobre a condição humana pode ser equivalente ao saber advindo da chamada lente psicanalítica?; qual é a diferenciação entre o fazer analítico e o dos escritores criativos, tendo-se em vista o caráter ficcional que deles se desdobra?; e seria Nelson Rodrigues um psicanalista, a ser seguido, com base na sua forma de criar e pela ruptura que sua ação promove? Mais que o exercício de uma construção teórica, esta investigação, organizada em narrativas que guardam o selo da forma de busca processada, qual seja, interrogante-interpretante ou investicrativa, traz o movimento de reinvenção particular à Psicanálise. Ao olhar pelo buraco da fechadura deparei-me com o caráter do engano e da incerteza que constitui tanto a vida, como o próprio ofício psicanalítico. Diante do incerto foi preciso ser trágico e artista para ousar um esboço de minha invenção como psicanalista e, desse lugar, produzir homem e realidade, seja no diálogo transferencial com Nelson Rodrigues presente em A Carta, nas prototeorias articuladas em O Texto, ou ainda, na apropriação de um caso clínico por meio do conto A Deprimida, via que me possibilitou suspensão e expressão do desejo. Dessa forma, apreende-se nesta investigação dois pontos que ratificam a analogia entre Psicanálise e Literatura, como proposto pela Teoria do Análogo, quer seja por ambas criarem sentidos, não de verdade, mas de possibilidades de sentidos, ou pelo lugar que a escrita assume nesses dois campos.
Abstract: This text is an investigative study that, under the interpretative lens of psychoanalysis method, puts in question the concepts of psychoanalytic interpretation and psychic reality, which is made from an analogy established between the creation movements in Nelson Rodrigues Literature and those from the psychoanalytic productions. The reading of A vida como ela é..., series of tales written by Nelson Rodrigues to Última Hora newspaper, between 1951 and 1961, turned out to be a strong theoretical and affective experience. When he produces, Nelson creates realities and a particular form of man the Brazilian. He presents tragedies and dramas, to which, untangles the ululant obvious which sustain them. In this sense, I deducted that he would fulfill, with methodological rigour, the interpretative method demands by disrupting the course, as proposed by Fabio Herrman, which means the creation of a meaning that goes beyond the established routinely. Shocked by the possibility of a writer/artist fulfilling the demands of the psychoanalytic method, I presumed if Nelson Rodrigues was not an exemplary psychoanalyst. In the face of this agony and the position taken to see/read Nelson Rodrigues production as psychoanalytic, I needed dialogues with Science, Arts, in a deeper way with Literature, to illuminate the field and place of Psychoanalysis in my universe, and answer the nodal points which were imposed to the investigation: what Nelson Rodrigues produces of knowledge about the human condition can be equivalent to the knowledge coming from the psychoanalytic lens?; what is the difference between the analytical process and the creative writers process, considering the fictional character which unfold from them?; and Would Nelson Rodrigues be a psychoanalyst to be followed on the basis of his creation way and the disruption promoted by his action? More than an exercise of theoretical construction, this investigation, organized in narratives which store the seal of processed search way, which is, questioner and interpretative or as I call investicrativa, brings the movement of particular reinvention to Psychoanalysis. Looking to the keyhole, I encountered the character of mistake and uncertainness which constitutes life and also the psychoanalytic art. Facing the uncertain, it was necessary to be tragic and artist to dare a draft of my invention as a psychoanalyst and, from this place, produce a man and reality, in the transferencial dialogue with Nelson Rodrigues in A Carta, in the theories articulated in O Texto, or yet, in the appropriation of a clinical case through the tale A Deprimida, path which made it possible for me the suspension and expression of desire. In this way, two points are apprehended in this investigation, which ratify the analogy between Psychoanalysis and Literature, as suggested in Theory of the analogous, once both create meanings, not real, but possibilities of meanings, and the place that writing assumes in both fields.
Keywords: Psicanálise
Literatura
Nelson Rodrigues
Teoria do análogo
Ficção literária
Psychoanalysis
Literature
Nelson Rodrigues
Theory of the analogous
Literary fiction
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Humanas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Psicologia
Citation: COSTA, Rafael de Melo. Se parece com Nelson é vida ou A Psicanálise como ela é...: narrativas de uma investigação psicanalítica. 2013. 172 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17188
Issue Date: 10-May-2013
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Rafael de Melo.pdf11.98 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.