Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13175
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Neoconstitucionalismo e as possibilidades e os limites do ativismo judicial no Brasil contemporâneo
metadata.dc.creator: Fernandes, Ricardo Vieira de Carvalho
metadata.dc.contributor.advisor1: Borges, Alexandre Walmott
metadata.dc.contributor.referee1: Nunes, Jorge Amaury Maia
metadata.dc.contributor.referee2: Melo, Luiz Carlos Figueira de
metadata.dc.contributor.referee3: Soares Neto, Cícero José Alves
metadata.dc.description.resumo: A presente dissertação conclui um ciclo de estudos cujo objeto girou em torno do ativismo judicial. Teve início em 2009 com o ingresso do autor no Programa de Mestrado em Direito Público da Faculdade de Direito Prof. Jacy de Assis da Universidade Federal de Uberlândia e tem como ápice a defesa desta dissertação. Sob o aspecto metodológico, utilizou-se a pesquisa bibliográfica ou teórica, com apoio do método dedutivo. Os dois principais argumentos contrários a uma postura mais ativa do Poder Judiciário são a afronta ao princípio da separação de poderes (para alguns um dogma) e à democracia. Com o objetivo de investigar o primeiro deles, buscaram-se as origens do poder e suas emanações mais frequentes na acepção institucionalizada do Estado. Verificou-se que o poder não se detém, mas se exerce, por isso tem uma mobilidade intrínseca. Diante dessa premissa, houve o confronto do princípio da separação de poderes no viés das principais teorias clássicas com este mesmo princípio segundo a doutrina contemporânea. O resultado demonstrou sua mobilidade e fluidez conceitual ao longo dos séculos e, sobretudo, que o núcleo essencial de sua expressão depende das configurações de poder no momento social e estatal vivenciados. Então, a divisão de poderes foi estudada na realidade histórico-constitucional brasileira. A conclusão parcial que se extraiu deste ponto foi de que, no Brasil, seja em momentos de normalidade, seja em situações de exceção, não houve uma distribuição do poder estatal linearmente entre os Poderes constituídos. A preponderância do Executivo se destacou, bem como o crescente fortalecimento da independência e da força política do Judiciário. Este, contemporaneamente, é entendido, de fato, como um Poder do Estado. Partese então à delimitação conceitual da judicialização, da judicialização da política e do ativismo judicial, bem como à apresentação do que alguns teóricos identificaram como crise constitucional. A partir desse ponto, a análise do neoconstitucionalismo, como referencial teórico, ideológico e metodológico de um novo paradigma de direito, mostra-se essencial ao estudo do objeto proposto. O pós-positivismo jurídico é apresentado como marco filosófico do novo constitucionalismo. Seu estudo é precedido da apresentação do positivismo jurídico com o fim de demonstrar as principais mudanças de perspectivas e alguns de seus excessos. O Estado Constitucional Democrático, a concretização da Constituição e a dignidade da pessoa humana como valor central do ordenamento são transpassados. Após a demonstração geral do novo paradigma, o estudo investiga a posição do Poder Judiciário brasileiro nessa perspectiva, primeiro em um apanhado geral, depois em relação a sua legitimidade. As experiências estrangeiras da Índia, África do Sul, Estados Unidos, Alemanha, Itália e Espanha trazem uma importante contribuição para o estudo do ativismo judicial no Brasil. Depois, adentrando na perspectiva do segundo principal argumento contrário ao ativismo judicial sua eventual afronta à democracia , a pesquisa culmina na investigação das possibilidades legítimas de ativismo judicial e na apresentação de alguns limites sobre a atuação ativista.
Abstract: This work completes a study cycle whose object was judicial activism. It began in 2009, with the entry of its author in Masters Degree Program in Public Law supported by Prof. Jaci de Assis Law School, of Federal University of Uberlandia. Its apex is the presentation of this study. From the methodological point of view, the research consisted on the analysis of the theoretical literature, based on the deductive method. The two main arguments against a more active behavior of the judiciary are the violation of the principle (to some people, it is a dogma) of the separation of powers and democracy. In order to investigate the first one of them, the research considered the origins of power and its most frequently institutionalized expressions. The study came to the conclusion that power itself cannot be possessed, but exercised, so that it has an intrinsic mobility. Given this premise, the comprehension of that principle was analyzed regarding its evolution since classical theories until contemporary doctrine. The results of the study pointed to its conceptual mobility and fluidity over the centuries, and especially to the fact that the essential core of its expression depends on the settings of power at the moment experienced. Then, the division of powers has been studied considering Brazilian historical and constitutional reality. The partial conclusion extracted from this point was that neither in normality, nor in situations of exception, there was a linear distribution of state power between the established powers in Brazil. The preponderance of the Executive power stood out as well as the growing strength of judiciary, both in its independence and in its political strength. It is important to mention that judiciary is contemporaneously understood, in fact, as a branch of the state. After that, this study stated the conceptual definition of judicialization, judicialization of politics and judicial activism, as well as the presentation of what some theorists have identified as a constitutional crisis. At this point, the analysis of new constitutionalism as a theoretical, ideological and methodological framework for a new paradigm of law emerges as an inevitable element in order to study the proposed object. The post-legal positivism is presented as a philosophical paradigm of the new constitutionalism. Its study is preceded by the presentation of legal positivism in order to demonstrate the major changes of its perspective and some of its excesses. The Constitutional State, the implementation of the Constitution and human dignity as the central value of the system are mentioned. After the general demonstration of the new paradigm, the study investigates the position of Brazilian Judiciary in this perspective, firstly in an overview, then in relation to their legitimacy. Foreign experiences in India, South Africa, United States, Germany, Italy and Spain bring an important contribution to the study of judicial activism in Brazil. Then, in relation to the second main argument against judicial activism (a possible violation of democracy), the research culminates in the legitimate investigation of the possibilities of judicial activism and the presentation of some limits on this activity.
Keywords: Direito constitucional
Democracia
Separação de poderes
Poder judiciário
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO::DIREITO PUBLICO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Sociais Aplicadas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Direito
Citation: FERNANDES, Ricardo Vieira de Carvalho. Neoconstitucionalismo e as possibilidades e os limites do ativismo judicial no Brasil contemporâneo. 2010. 313 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13175
Issue Date: 2-Sep-2010
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Diss Ricardo.pdf2.06 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.