Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12820
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Prevalência do uso de risco de álcool e de sintomas de ansiedade e de depressão em adolescentes e adultos jovens com diabetes mellitus tipo 1: estudo transversal
metadata.dc.creator: Knychala, Maria Aparecida
metadata.dc.contributor.advisor1: Jorge, Paulo Tannus
metadata.dc.contributor.referee1: Borges, Maria de Fátima
metadata.dc.contributor.referee2: Oliveira, Luiz Carlos Marques de
metadata.dc.description.resumo: Introdução: A literatura médica mostra que o uso de álcool é frequente em pacientes com diabetes e está associado à má adesão ao tratamento, o que pode levar a uma maior morbidade e mortalidade. Entretanto, faltam pesquisas que avaliem a associação entre o uso de risco de álcool e a presença de sintomas de ansiedade e de depressão em pacientes com diabetes tipo 1 (DM1). Objetivos: verificar o grau de utilização de álcool, a prevalência do uso de risco de álcool e de sintomas de ansiedade e de depressão, o nível de controle glicêmico e a associação entre essas variáveis em adolescentes e adultos com diagnóstico de DM1, atendidos no Ambulatório de Endocrinologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e no Centro Municipal de Atenção ao Diabético de Uberlândia (CMAD). Métodos: Este estudo transversal avaliou 209 pacientes em tratamento ambulatorial, quanto ao consumo de álcool, à presença de sintomas de ansiedade e de depressão por meio dos testes de rastreamento Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT) e Hospital Anxiety and Depression (HAD) e o controle glicêmico por meio da hemoglobina glicada (HbA1c). Utilizaram-se os testes estatísticos de qui-quadrado e regressão logística para verificar a associação entre as variáveis. Resultados: A prevalência do consumo de risco de álcool em pacientes com DM1 foi de 24,8%, sendo 14,7% em mulheres e 34,6% em homens. A chance de uso de risco foi maior nos homens (OR=2,79), em pessoas com faixa etária mais elevada (OR=1,07), naqueles com história familiar de uso de álcool (OR=7,05), nos que referiram consumo de drogas ilícitas (OR=5,89), cigarro (OR=8,25) e na faixa etária de 30 a 40 anos (OR = 1,07). Quanto ao consumo de risco na adolescência, não houve diferença entre os gêneros (mulheres=9,09% e homens=16.21% e p=0,374). As frequências de sintomas de ansiedade (11% no total, 17,65% nas mulheres e 4,7% nos homens) e de depressão (29,66% no total, 37,25% nas mulheres e 22,43% nos homens) não mostraram relação com o consumo de bebidas alcoólicas. As mulheres apresentaram mais sintomas de ansiedade (OR=2,05) e de depressão (OR=4,37) do que os homens, assim como os adultos com mais de 30 anos em relação aos mais jovens (OR=2,34 para ansiedade e OR= 7,44 para depressão). O controle glicêmico foi predominantemente inadequado e não se verificou associação com o uso de risco de álcool e com a presença de sintomas de ansiedade e de depressão. Não houve associação do nível de HbA1c com o uso de risco de álcool, provavelmente devido ao número pequeno de pacientes com bom controle glicêmico. Conclusões: A prevalência do consumo de risco de álcool e a presença de sintomas de ansiedade e de depressão em adolescentes e adultos com DM1 foram elevadas. O uso de risco de álcool aumentou proporcionalmente ao aumento da faixa etária e foi mais prevalente entre os homens; somente entre os adolescentes não houve diferença entre os gêneros. Na amostra estudada, o controle glicêmico foi inadequado na maioria dos pacientes,independentemente do consumo de álcool e da presença de sintomas de ansiedade e de depressão.
Abstract: Background: The medical literature shows that alcohol consumption is common among diabetic individuals and is associated with poor adherence to treatment, resulting in increased morbidity and mortality. However, no study has assessed the association between high-risk alcohol consumption and the presence of anxiety and depression in individuals with type 1 diabetes mellitus (1DM). Objectives: To know the degree of alcohol use, the prevalence at risk alcohol use and symptoms of anxiety and depression, the level of glycemic control and the association between these variables in adolescents and adults diagnosed with type 1 diabetes treated at the Clinic of Endocrinology Outpatient, Federal University of Uberlândia (UFU) and the Municipal Diabetic Care Center of Uberlândia. Methods: The present cross-sectional study assessed 209 outpatients in regards to alcohol consumption and the presence of anxiety and depression symptoms, using the Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT), the Hospital Anxiety and Depression (HAD) scale, and glycemic control, according to the levels of glycated hemoglobin (HbA1c). The chi-square test and logistic regression analysis were used to investigate the association between the investigated variables. Results: The prevalence of high-risk alcohol consumption (AUDIT ≥ 8) among individuals with 1DM was high, specifically 24.88% among the entire group of subjects, 12.9% among the adolescents, 14.7% among the females, and 34.6% among the males. Upon comparisons based on gender and age, the odds of high-risk drinking were higher among males and participants aged 30 to 40 years (33.93%). The frequency of high-risk alcohol consumption did not differ as a function of gender among adolescents (females: 9.09%, males: 16.21%; p=0.374). Neither the frequency of anxiety (total: 29.66%, females: 37.25%, males: 22.43%) nor depression (total: 11%, females: 17.65%, males: 4.7%) symptoms exhibited associations with high-risk alcohol consumption. Moreover, the odds of female subjects exhibiting anxiety or depression symptoms were higher (odds ratio OR: 4.37 and OR: 7.4, respectively). Glycemic control was inadequate in most of the sample and did not exhibit an association with high-risk alcohol consumption or the presence of anxiety and depression symptoms. Conclusions: The prevalence of high-risk alcohol consumption and the presence of anxiety and depression symptoms were high in this patient sample. The frequency of high-risk drinking increased together with age and was greater among males; however, this frequency did not exhibit differences in terms of gender among adolescents. Glycemic control was inadequate in most of the sample independent of alcohol consumption and the presence of anxiety and depression symptoms.
Keywords: Diabetes mellitus tipo 1
Prevalência
Álcool
Ansiedade
Depressão
Controle glicêmico
Type 1 diabetes mellitus
Prevalence
Alcohol
At risk
Anxiety
Depression
Glycemic control
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Saúde
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Citation: KNYCHALA, Maria Aparecida. Prevalência do uso de risco de álcool e de sintomas de ansiedade e de depressão em adolescentes e adultos jovens com diabetes mellitus tipo 1: estudo transversal. 2014. 52 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12820
Issue Date: 15-Jul-2014
Appears in Collections:PGCS - Mestrado em Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PrevalenciaUsoRisco.pdf1.01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.