Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/26635
Document type: Dissertação
Access type: Acesso Aberto
Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 United States
Title: Sensibilidade para uma sociedade administrada: moral e religião em Max Horkheimer.
Alternate title (s): Sensibility for an administered society: morality and religion in Max Horkheimer.
Author: Ferreira, Marcelo Lacerda
First Advisor: Silva, Rafael Cordeiro
First member of the Committee: Bueno, Sinésio Ferraz
Second member of the Committee: Neto, Sertório de Amorim e Silva
Summary: O trabalho investiga a questão principal do aumento da importância da religião dentro da filosofia de Horkheimer a partir da perspectiva pessimista da impossibilidade de um plano prático de mudança social, pois, no mundo administrado, prevaleceu a totalização da razão técnica, que levou ao declínio do indivíduo livre. A religião, a solidariedade, a compaixão, são conceitos que progressivamente vão tomando lugar de destaque na filosofia tardia de Horkheimer. Esse movimento foi interpretado muitas vezes como resignação ou apagamento da sua filosofia. Contra essa posição, queremos apresentar, nesse trabalho, que esses aspectos aparentemente novos na filosofia do autor são coerentes com a chamada “primeira” fase do seu pensamento. Subjaz um aspecto moral por toda a trajetória intelectual de Horkheimer. Em um texto publicado em 1933, intitulado Materialismo e Moral, Horkheimer identifica que a moral diz respeito ao impulso de felicidade do indivíduo. Daí coloca dois desdobramentos inerentes à moral. O primeiro é a compaixão, quando o indivíduo percebe que a sua felicidade implica na felicidade do outro; segundo, a política, que visa a construção de uma sociedade em que a felicidade seja consequência natural das ações conjuntas dos indivíduos. Isto posto, essa dissertação investiga dois momentos de inflexão da filosofia de Horkheimer. A primeira significou a falência do projeto da moral política dos anos 1930 que propunha a necessidade de uma sociedade com vista à realização de uma felicidade social. Após perceber a impotência da razão contemporânea, Horkheimer constrói a crítica à razão instrumental. Percebe então a impossibilidade de realização de uma sociedade racional, pois esta foi tentada historicamente e resultou no quase desaparecimento do indivíduo autônomo. A partir daí exploramos a segunda inflexão, quando a crítica da razão dá lugar a um anseio religioso por uma realidade menos injusta e má. Por isso, retomamos o conceito de religião formulado na década de 1930 e a forma como ele se desenvolveu em sua filosofia tardia. Com isso, entende-se que a religião na filosofia tardia do autor é uma recolocação da moral em seu sentido compassivo como única forma de superação da sociedade administrada.
Abstract: This work investigates the key issue of the increase of importance of religion inside Horkheimer’s philosophy starting from the pessimistic perspective of the impossibility of a practical plan for social change and the path of spread of the technical reason with the free individual's decline. Religion, solidarity, compassion, they are concepts that progressively take a prominence place in the late philosophy of Horkheimer. This was interpreted sometimes as resignation or annulment of his philosophy. Against this, we want to present in this work that those aspects seemingly new in the author's philosophy they are coherent with the "first" phase of his thought. In the completely intellectual path of Horkheimer underlies a moral aspect. In a text published in 1933, entitled Materialism and Moral, Horkheimer identifies that the moral has a tendency to the individual's happiness. Thus, there is two inherent unfolding to the morals. The first is the compassion, when the individual notices that his happiness implicates in the happiness of the other; second, the politics, which seeks the construction of a society in in which happiness is a natural consequence of the individuals' united actions. Therefore, this work investigates two moments of inflection of the philosophy of Horkheimer. The first meant in the failure of the moral project in the 1930s that proposed the urge of a society in order to accomplishment of a social happiness. After noticing the impotence of the contemporary reason, Horkheimer builds the critic to the instrumental reason. He notices the impossibility of accomplishment of a rational society then, because this was attempted historically and it resulted in the almost the disappearance of autonomous individual. From then on we explored the second inflection when the critic of the reason gives place to a religious longing for a less unjust and bad reality. Therefore, we retook the concept of religion, formulated in the decade of 1930, and how it develops in his late philosophy. Thus, we consider that the religion in the author's late philosophy is a relocation of the morals in his compassionate sense as the only form of overcoming administered society.
Keywords: Horkheimer
Teoria crítica
Moral
Razão instrumental
Religião
Critical theory
Instrumental reason
Religion
Filosofia
Horkheimer, Max, 1895-1973
Filosofia e religião
Razão
Condições morais
Compaixão
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA::HISTORIA DA FILOSOFIA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Filosofia
Quote: FERREIRA, Marcelo Lacerda. SENSIBILIDADE PARA UMA SOCIEDADE ADMINISTRADA: moral e religião em Max Horkheimer. Uberlândia. 2018. 96f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.di.2019.1
Document identifier: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.di.2019.1
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/26635
Date of defense: 21-Sep-2018
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SensibilidadeSociedadeAdministrada.pdfDissertação807.51 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons