Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21479
Document type: Dissertação
Access type: Acesso Aberto
Title: Saúde ambiental e crescimento econômico nos municípios brasileiros: teste das hipóteses da curva de Kuznets ambiental e da transição epidemiológica
Alternate title (s): Environmental health and economic growth in brazilian cities: a environmental Kuznets curve and epidemiologic transition test
Author: Avelino, Bárbara Afonso
First Advisor: Saiani, Carlos Cesar Santejo
First member of the Committee: Veríssimo, Michele Polline
Second member of the Committee: Kuwahara, Mônica Yukie
Summary: Como alcançar o desenvolvimento sustentável atendendo às necessidades atuais sem comprometer as necessidades das gerações futuras nas dimensões econômica, social e ambiental? Este atual debate envolve aqueles que consideram o crescimento econômico como a maior causa de problemas ambientais e aqueles que defendem que a melhor maneira de se alcançar qualidade ambiental é o país sendo rico. Esta dissertação analisou relações entre o crescimento econômico e indicadores de saúde que refletem possíveis problemas associados ao meio ambiente, como a poluição do ar e o saneamento básico, através das evidências apontadas pelos testes das hipóteses da Curva de Kuznets Ambiental e da Transição Epidemiológica. Foram adotadas medidas indiretas de degradação ambiental que representam morbidade e mortalidade (internações hospitalares e óbitos) por doenças dos aparelhos respiratório, circulatório e doenças associadas ao saneamento que apresentam relação direta com problemas ambientais. Trata-se de duas hipóteses que revelam possíveis impactos do crescimento econômico na saúde ambiental. A Curva de Kuznets Ambiental tradicionalmente apresenta uma relação degradação-renda no formato de “u-invertido”, indicando que inicialmente a degradação ambiental aumenta em níveis maiores da renda até um determinado nível da renda a partir do qual a degradação diminui. A crítica mais comum a este formato é a possibilidade de a relação se dar no formato “N”, ou seja, a diminuição da degradação ambiental em relação aos níveis maiores da renda não se sustenta no longo prazo. Já pela hipótese da transição epidemiológica há uma evolução progressiva de um perfil de alta mortalidade causada por doenças infecciosas para um perfil em que predominam óbitos por doenças crônicas e causas externas. As hipóteses convergem entre si uma vez que grande parte das doenças infecciosas está associada ao saneamento; além disso, doenças respiratórias e circulatórias associadas à poluição do ar têm maior peso na carga das doenças crônicas. Neste sentido os objetivos desta dissertação foram: os testes das hipóteses da Curva de Kuznets Ambiental (CKA) em “u-invertido”, a relação degradação-renda no formato “N” e da transição epidemiológica. Foram realizadas estimações econométricas para dados em painel pelo método de efeitos fixos com dados dos municípios brasileiros referentes ao período de 1999 a 2012. Dos resultados obtidos destacam-se evidências da CKA, ou seja, de uma relação degradação-renda no formato de “U-invertido” para a morbidade e no formato “N” para a mortalidade por doenças associadas à poluição do ar (circulatórias e respiratórias). A relação não é clara para doenças associadas ao saneamento básico. Além disso, foram encontradas evidências da ocorrência de transição epidemiológica reveladas na queda da morbimortalidade por doenças infecciosas e parasitárias. Esta dissertação contribui para o tema ao trazer evidências empíricas de impactos do crescimento econômico na saúde ambiental, adotando medidas indiretas de degradação ambiental para municípios brasileiros revelando particularidades comuns em países não desenvolvidos. Palavras-chave: Crescimento econômico; Curva de Kuznets ambiental; Dados em painel; Transição epidemiológica; Saúde.
Abstract: How to achieve sustainable development able to meet the economic, social and environmental needs of today's society without compromising the capacity to meet the needs of future generations? This important debate involves those who consider economic growth the biggest cause of environmental problems and those who advocate economic growth as the best way to achieve environmental quality. The purpose of this dissertation were analyze a relation between economic growth and municipal health indicators that reflect environmental problems, such as air pollution and basic sanitation, testing: a Environmental Kuznets Curve (EKC) traditional “inverted-u”, a relation in “N” shape, and the Epidemiological Transition. Indirect measures of environmental degradation were adopted represented by morbidity and mortality indicators (hospitalizations and deaths) for environmental diseases (respiratory, circulatory and sanitation diseases). A panel data econometric estimations were performed using the fixed effects method to brazilian cities from 1999 to 2012. The results corroborate a EKC “inverted-u” for morbidity and “N” shape for mortality to circulatory and respiratory diseases, but is not verifiable to basic sanitation diseases. There is evidence of the occurrence of the Epidemiologic Transition (decrease in mortality from infectious and parasitic diseases). Key-words: Economic growth; Environmental Kuznets curve; Panel data; Epidemiologic transition; Health.
Keywords: Crescimento econômico
Transição epidemiológica
Curva de Kuznets ambiental
Saúde
Dados em painel
Desenvolvimento econômico
Kuznets, Simon Smith, 1901-1985
Saúde ambiental
Economia
Heath
Environmental Kuznets curve
Epidemiologic transition
Panel data
Economic growth
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Economia
Quote: AVELINO, Bárbara Afonso. Saúde ambiental e crescimento econômico nos municípios brasileiros: teste das hipóteses da curva de Kuznets ambiental e da transição epidemiológica - Uberlândia. 2018. 78 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018.Disponível em: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.di.2018.501 Inclui bibliografia.
Document identifier: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.di.2018.501
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21479
Date of defense: 26-Feb-2018
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Economia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SaúdeAmbientalCrescimento.pdf3.59 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.