Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21149
Document type: Dissertação
Access type: Acesso Aberto
Title: Existe relação entre a cinemática da corrida e a função dos músculos do assoalho pélvico de mulheres corredoras?
Alternate title (s): Is there a relationship between running kinematics and the function of pelvic floor muscles in female runners?
Author: Silva, Rafaela de Melo
First Advisor: Bernardes, Ana Paula Magalhães Resende
First member of the Committee: Baldon, Vanessa Santos Pereira
Second member of the Committee: Albanezi, Daniele Furtado
Summary: A corrida é um dos tipos mais populares de atividade física do mundo e as mulheres estão cada vez mais inseridas nessa modalidade esportiva. O exercício físico extenuante que aumenta a pressão intra-abdominal pode sobrecarregar e danificar cronicamente o os músculos do assoalho pélvico, os ligamentos e as fáscias, além de diminuir a força de contração dessa musculatura. Na corrida, as forças de reação vertical com o solo podem aumentar entre 1,6 e 2,5 vezes o peso corporal e a transmissão do choque entre os pés e o chão pode afetar o mecanismo de continência pela alteração da quantidade de força transmitida ao assoalho pélvico. Estudos apontaram que a prevalência de incontinência urinária em corredoras de longa distância é de 62,2%. Torna-se importante investigar se os padrões cinemáticos estão relacionados com a perda urinária, pois acredita-se que as características dos movimentos podem aumentar a carga de impacto nas extremidades inferiores resultando em sobrecarga excessiva sobre os músculos do assoalho pélvico, visto que é um esporte de alto impacto que envolve aterrisagem. Os objetivos do presente estudo foram avaliar a perda urinária em atletas corredoras e correlacionar com a carga de treino semanal e com variáveis cinemáticas da corrida. Trata-se de um estudo observacional transversal. Amostra constituída por 11 corredoras com incontinência atlética e 17 corredoras continentes. No dia 1 foi realizado o teste de velocidade máxima na esteira utilizando um protocolo incremental. Após 48 horas, foi realizada avaliação dos músculos do assoalho pélvico por meio da palpação vaginal graduada pela Escala de Oxford, perineometria e teste do absorvente adaptado durante a corrida. Em seguida, foi avaliada a cinemática da corrida na esteira por meio de um circuito de câmeras. O teste do absorvente para quantificar a perda urinária foi realizado durante a avaliação da cinemática da corrida. Para a gravação das imagens, a velocidade da esteira foi ajustada em 75% da velocidade máxima obtida. O deslocamento vertical foi mensurado em plano dorsal durante um ciclo completo da passada, a flexão de joelho durante a fase de resposta a carga, e o tipo de aterrissagem do pé com o solo, ambos no plano sagital. Após avaliação da corrida, o absorvente foi recolhido pelo pesquisador. A pressão de contração dos músculos do assoalho pélvico obtida pelo grupo de continentes (43,40(21,75)) foi maior quando comparada ao grupo de incontinentes (38,94(31,08)), porém sem diferença estatisticamente significante (p=0,66). Foi encontrada associação entre carga de treino semanal e perda de urina, sugerindo que mulheres que perdem urina percorrem maior distância por semana. Não foram encontradas correlações entre a perda de urina e as variáveis cinemáticas estudadas. Não foram encontradas correlações entre a perda urinária durante a corrida e o deslocamento vertical, flexão do joelho e o tipo de aterrissagem do pé com o solo. A carga de treino semanal parece estar associada a menor força dos músculos do assoalho pélvico.
Abstract: Running is one of the most popular types of physical activity in the world and women are increasingly included in this sport. Strenuous physical exercise that increases intra-abdominal pressure can chronically overwhelm and damage the pelvic floor muscles, ligaments and fascia, and decrease the contraction force of the muscles. In the running, vertical reaction forces with the ground can increase between 1.6 and 2.5 times the body weight and the transmission of the shock between the feet and the ground can affect the mechanism of continence by changing the amount of force transmitted to pelvic floor muscles. Studies have shown that the prevalence of urinary incontinence in long-distance runners is 62.2%. It is important to investigate whether kinematic patterns are related to urinary loss because it is believed that the characteristics of the movements can increase the impact load on the lower extremities resulting in excessive overload on the pelvic floor muscles since it is a sport of high impact that involves landing. The aims of this study was to evaluate if pelvic floor muscle function is related to the weekly training load and kinematic variables of the running. A cross-sectional observational study. Sample consisting of 11 runners with athletic incontinence and 15 continents runners. On day 1, the maximum velocity test on the treadmill was performed using an incremental protocol. On day 1, the maximum velocity test on the treadmill was performed using an incremental protocol. After 48 hours, evaluation of the pelvic floor muscles was performed through the vaginal palpation graded by the Oxford Scale, perineometry and adapted pad test. Then, the kinematics of the race on the treadmill through a circuit cameras. For recording the images, the speed of the treadmill was set at 75% of the maximum speed obtained. The vertical displacement was measured in a posterior view during a complete gait cycle, the knee flexion during the load response phase, and the initial contact of the foot with the ground, both in the right lateral view. The vaginal squeeze pressure obtained by the group of continents (45,10(20,74)) was higher when compared to the incontinent group (38,94(31,08)), but without statistically significant difference (p=0,55). There was an association between weekly training load and urine loss, suggesting that women who lose urine greater distance run per week. No associations were found between urine loss and kinematic variables. No relationship was found between the strength of the pelvic floor muscles and the vertical displacement, knee flexion and ground attack. The weekly training load seems to be associated with lower strength of the pelvic floor muscles.
Keywords: Ciências médicas
Assoalho pélvico
Corridas - Aspectos fisiológicos
Incontinência urinária
Força Muscular
Corrida
Fisioterapia
Pelvic Floor
Muscle Strength
Running
Urinary Incontinence
Physical Therapy
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Quote: SILVA, Rafaela de Melo. Existe relação entre a cinemática da corrida e a função dos músculos do assoalho pélvico de mulheres corredoras?. 2017. 71 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.
Document identifier: x
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21149
Date of defense: 13-Sep-2017
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ExisteRelaçãoCinemática.pdfDissertação1.88 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.