Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/20772
Document type: Tese
Access type: Acesso Aberto
Title: Padrão neuro-comportamental do bruxismo no sono
Alternate title (s): Neuro-behavioral pattern in sleep bruxism
Author: Azevedo, Marila Rezende
First Advisor: Soares, Alcimar Barbosa
First coorientator: Pereira, Adriano Alves
First member of the Committee: Siqueira Junior, Aílton Luiz Dias
Second member of the Committee: Lamounier Junior, Edgard Afonso
Third member of the Committee: Regalo, Simone Cecílio Hallak
Fourth member of the Committee: Dionísio, Valdeci Carlos
Summary: O bruxismo é considerado uma atividade repetitiva involuntária da mandíbula, envolvendo os músculos mastigatórios com manifestação circadiana e padrões distintos durante a vigília (BV) e o sono (BS). O bruxismo do sono pode gerar desgaste simples dos dentes ou pode afetar os músculos crânio-oro-cervical sobrecarregando a articulação temporo-mandibular. É mais destrutivo do que o bruxismo em vigília, pelo fato da intensidade das contrações durante o sono exceder a capacidade de apertar quando o indivíduo está acordado. O BS tem sido correlacionado com estresse crônico e emoção na civilização moderna. Grupos de pesquisa em todo o mundo até o momento não chegaram à conclusão de sua etiologia, procuram pelos fatores desencadeantes, pela terapia mais adequada e buscam pelo que poderia aliviar a sua sequela de forma não invasiva, quando instalado. Tem um papel evidente como um evento de alívio do estresse fisiológico, controlado e regulado pelo sistema nervoso central (SNC) e seus ramos autonômicos (SNA). Alterações abruptas na atividade cortical com hiperatividade cardíaca, hiperventilação e consequente ativação muscular ocorrem antes do contato dentário e da co-contração mandibular caracterizando o episódio de BS. Os bruxômanos do sono podem apresentar um humor pessoal peculiar, que os diferencia dos não bruxômanos. Durante o dia são propensos à ansiedade e estresse, não têm habilidade adaptativa e exibem competitividade. Por essa razão, todos os 30 sujeitos de ambos os sexos da amostra foram submetidos a exames clínicos, anamnese, moldagens, fotografias, questionários sobre qualidade de vida e estado emocional de ansiedade e estresse. Utilizaram o dispositivo descartável BiteStrip® durante uma noite de sono para confirmar a presença ou não de BS. Assim, foram verificados os sinais corticais neurais dos dois grupos: experimental e controle, a fim de identificar se os bruxômanos do sono têm um padrão neural característico diferente dos não bruxômanos, em vigília, desencadeada por imagens afetivas: agradáveis, desagradáveis e neutras. O instrumento escolhido para coletar sinais biológicos corticais foi o eletroencefalograma (EEG) com potencial evocado visual (PEV). Os componentes (N100, P100, N200, P200, N300 e P300), de potenciais dos eventos relacionados (ERPs) foram utilizados para indexar as alterações precoce e tardia nos processos neurais, dependendo da amplitude e latências de intervalo, com apresentação de vídeo de imagens. Nossos resultados sugerem que é possível distinguir entre sujeitos com BS e não-bruxômanos durante a vigília, com base em diferenças na amplitude e latência nos eventos corticais de potenciais provocados pela estimulação visual usando imagens emocionais e não-emocionais. Esses resultados juntamente com as informações coletadas pelos exames clínicos, anamneses, questionários específicos e Bitestrip®, onde a ansiedade demonstrou uma correlação forte e estatisticamente significante no grupo do BS, em relação ao Grupo Controle (GC), comprovou que os sujeitos com BS apresentam um padrão comportamental distinto que influencia a atividade cortical, que ocorre durante o dia, e pode ser detectado por meios de PEV. Concluiu-se que há diferença entre os sujeitos BS e GC com relação ao padrão neural e comportamental no período de vigília, ao identificar que nos canais Fp1, Fp2, F4 e F7, as amplitudes das respostas neurais dos sujeitos do GE eram maiores do que as dos sujeitos do GC e estatisticamente significantes O mesmo ocorreu para a latência que foram mais antecipadas no GE do que no GC, nos canais Fp1, O2, T5, T6, P3, C3. Concluiu-se que os potenciais evocados visuais são ferramentas úteis para compreender os estados emocionais das profundezas do cérebro. Ao identificar a atividade cortical dos ERP, pode se traçar um perfil do sujeito e planejar a terapia voltada para o comportamento, além das práticas odontológicas e os fármacos. A hipótese foi confirmada de que o padrão neuro comportamental é diferente entre os sujeitos com Bruxismo do Sono (BS) e sem bruxismo.
Abstract: Bruxism is considered an involuntary repetitive activity of the mandible, involving the masticatory muscles with distinct circadian manifestation and distinct patterns during vigilance (VB) and sleep (SB). Sleep bruxism can lead to simple tooth wear or may affect oro-cranio-cervical muscles by overloading the temporal-mandibular joint. It is more destructive than awake bruxism, as the intensity of contractions during sleep exceeds considerably the capacity of clenching when the individual is awake. In recent papers, SB has been correlated to chronic stress and emotion in modern civilization. Research groups all over the world until now have not reached the conclusion of its aetiology, are looking for its triggering cause, for the most appropriate therapy and in search for what can alleviate its sequel non-invasively, if installed. It has an evident role as a physiological stress relief event controlled and regulated by the central nervous system (CNS) and its autonomic (ANS) branches. Abrupt changes in cortical activity with cardiac hyperactivity, hyperventilation and consequent muscular activation occurs before dental contact and mandibular co-contraction characterizing Sleep Bruxism event. Sleep bruxers may present a peculiar personal mood, which differentiate them from non-sleep bruxers. In daytime are prone to anxiety and stress, have a maladaptive coping skill and exhibit competitiveness. In view of this, 30 samples’ subjects of both genders underwent clinical examinations, anamnesis, plaster cast, photographs, quality of life questionnaires to assess emotional state of anxiety and stress. BiteStrip®, a disposable device was used during a night´s sleep to confirm SB presence or not. In this way, the CNS cortical signals of 30 healthy subjects, 15 from the BS group and 15 from the control group, were collected to identify if sleep bruxers had a different characteristic pattern in wakefulness, triggered by affective images: pleasant, unpleasant and neutral. In the sequence, clinical exams, anamnesis, questionnaires and BiteStrip and cortical data were correlated. The instrument chosen to collect cortical biological signals was electroencephalogram (EEG) with visual evoked potential (VPE). The components (N100, P100, N200, P200, N300 and P300) of related event potentials (ERPs) were used to index early and late changes in neural processes, depending on amplitude and latencies interval, in the presence of passive images from validated database, presented in video. Fp1, Fp2, F4 and F7, had higher amplitudes for neural answers in the EG statistically significant, more than the GC subjects. The same occurred with latency were in channels Fp1, O2, T5, T6, P3, C3 the components were anticipated more in EG than in the control group. The result proved that there is difference between the subjects of the experimental and control groups with respect to neural and behavioural pattern in the period of wakefulness. Along with the information gathered by clinical examination, ananmeses, specific questionnaires and Bitestrip®, where anxiety demonstrated a strong and statistically significant correlation in the SB group, in relation to the control group (CG). This study proved that SB subjects present a distinct behavioral pattern that influences the cortical activity, which occurs during the day, and can be detected by VEP means. It was concluded that the visual evoked potentials are useful tools for understanding the emotional states of the depths of the human brain. By identifying the cortical activity of the ERP, you can plot a profile of the subject and plan for behavior-focused therapy, in addition to dental and pharmacological practices. The hypothesis has been confirmed that neuro-behavioural pattern is different between Sleep Bruxers (SB) and non-Bruxers.
Keywords: Bruxismo do sono
Sleep bruxism
Potencial evocado visual
Visual evoked potential
Eletroencefalografia
Electroencephlography
Sistema nervoso central
Central nervous system
Sistema nervoso autonômico
Autonomic nervous system
Ansiedade
Anxiety
Area (s) of CNPq: CNPQ::ENGENHARIAS::ENGENHARIA BIOMEDICA::BIOENGENHARIA::PROCESSAMENTO DE SINAIS BIOLOGICOS
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica
Quote: AZEVEDO, Marila Rezende. Padrão neuro-comportamental do bruxismo do sono. 2018. 229 f. Trabalho de Defesa de Tese para Conclusão de Doutorado (Pós-Graduação em Engenharia Elétrica) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018.
Document identifier: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2018.33
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/20772
Date of defense: 4-Jan-2018
Appears in Collections:TESE - Engenharia Elétrica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PadraoNeuroComportamental.pdfTESE14 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.