Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19796
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Silício na produção de cana-de-açúcar
metadata.dc.creator: Santos, Gustavo Alves
metadata.dc.contributor.advisor1: Korndorfer, Gaspar Henrique
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Pereira, Hamilton Seron
metadata.dc.contributor.advisor-co2: Tubana, Brenda Servaz
metadata.dc.contributor.referee1: Guilherme, Luiz Roberto Guimarães
metadata.dc.contributor.referee2: Rosetto, Raffaella
metadata.dc.contributor.referee3: Camargo, Mônica Sartori de
metadata.dc.description.resumo: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, tendo essa cultura grande importância para o agronegócio brasileiro. O aumento da demanda mundial por etanol oriundo de fontes renováveis e a conscientização das pessoas em relação ao meio ambiente sobre os efeitos indesejáveis da utilização de combustíveis fósseis, aliados às grandes áreas cultiváveis e condições edafoclimáticas favoráveis à cana-de-açúcar, tornam o Brasil um país promissor para a produção dessa commodity. Nesse contexto, a cana-de-açúcar é considerada uma das grandes alternativas para o setor de biocombustíveis devido ao grande potencial na produção de etanol e aos respectivos subprodutos. Além da produção de etanol e açúcar, as unidades de produção têm buscado operar com maior eficiência, inclusive com geração de energia elétrica, auxiliando na redução dos custos e contribuindo para a sustentabilidade da atividade (CONAB, 2016). A cana-de-açúcar é uma das principais culturas do mundo, fonte de açúcar, álcool e energia e cultivada em mais de 100 países, mas com cerca de 80% da produção concentrada em dez deles: Brasil, Índia, China, Tailândia, Paquistão, México, Colômbia, Indonésia, Filipinas e Estados Unidos (FAO, 2008; WORDATLAS, 2016). Apesar da importância econômica da cultura, sua área de ocupação representa muito pouco comparada àquela dedicada à produção de grãos (IBGE, 2008), sendo a área de grãos na safra 16/17, no Brasil igual a 59,1 milhões de hectares (CONAB, 2017) e a de cana igual a 9,1 milhões de hectares (CONAB, 2016). Uma das maneiras de se alcançar a sustentabilidade no sistema produtivo de cana- de-açúcar é torna-la tolerante à possíveis estresses bióticos ou abióticos que possam lhe afetar e reduzir, muitas vezes em grande escala, a produtividade e a qualidade da produção. Para isso, umas das ferramentas disponíveis é a adubação da cultura com Si, um elemento presente em grande quantidade na Litosfera e absorvido em grande escala pela cultura da cana. A adubação silicatada pode ser vista como parte da estratégia do chamado manejo integrado de doenças e pragas, o qual se vale não só de métodos químicos de controle desses agentes. Além disso, efeitos negativos de eventuais estresses térmicos ou hídricos podem ser atenuados pela boa concentração ou acúmulo de Si nas diversas partes da planta e também melhor aproveitamento de recursos como água e luz podem ocorrer em resposta ao uso de Si. Outra vantagem do uso de Si na agricultura é o fato de a maioria das fontes desse elemento ser, reconhecidamente, subproduto da atividade industrial e consequentemente, passivos ambientais, os quais, em caso de destinação incorreta ou não utilização, podem configurar sérios problemas ambientais às indústrias dos mais variados setores de produção. Apesar dessas informações, até o presente momento os assuntos relacionados ao uso de Si na nutrição de plantas e seus efeitos sobre a produção agrícola permanecem em parte inexplorados (MEENA et al., 2014). A identificação e implementação de estratégias para o manejo desse elemento nos programas de adubação podem desempenhar papel importante nos rendimentos da produção agrícola, mas para isso são necessárias pesquisas aplicadas que quantifiquem os teores de Si em solos e fertilizantes e assim permitam a recomendação de doses e épocas adequadas, o que é essencial para que a aplicação de Si seja uma das vias disponíveis para melhorar o desenvolvimento e a produtividade das culturas. (MEENA et al., 2014). Diante do exposto, os objetivos do presente trabalho são abranger os aspectos do desenvolvimento e produção da cultura da cana-de-açúcar quanto à adubação com Si e seus efeitos no solo; estudar a eficiência de um subproduto da indústria de fertilizantes como fonte de Si para a agricultura e seu potencial no fornecimento de nutrientes para a cultura da cana-de-açúcar no cerrado brasileiro; e avaliar o manejo adequado de aplicação de Si (isto é, época de aplicação e dose adequada) para o sistema de produção de cana- de-açúcar no Estado da Louisiana (EUA).
Keywords: Agronomia
Cana-de-açúcar
Silício na agricultura
Adubos e fertilizantes
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Agronomia
Citation: SANTOS, Gustavo Alves. Silício na produção de cana-de-açúcar. 2017. 111 f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/19796
Issue Date: 10-Mar-2017
Appears in Collections:TESE - Agronomia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SilicioProducaoCanaAcucar.pdfTese5.52 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.