Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18951
Document type: Dissertação
Access type: Acesso Aberto
Title: Tradução e adaptação cultural da Pediatric Eosinophilic Esophagitis Symptom Score (PEESS v2.0)
Author: Santos, Maria Fernanda Oliveira
First Advisor: Paro, Helena Borges Martins da Silva
First member of the Committee: Gomes, Débora Cristiane
Second member of the Committee: Araújo, Maria Bernadete Jeha
Summary: Introdução: A Esofagite Eosinofílica (EEo), é uma entidade clínico-patológica mediada por mecanismos imunes e antigênicos e apresenta-se com sintomas de caráter inespecífico, principalmente em lactentes e pré escolares. Representa uma causa importante de morbidade do trato gastrointestinal alto, com aumento significativo de sua incidência e prevalência nas últimas décadas. Instrumentos que avaliam a gravidade da EEo têm sido desenvolvidos para auxílio diagnóstico e terapêutico da doença. No entanto, poucos questionários consideram a percepção do próprio paciente sobre a gravidade de seus sintomas ou a resposta ao tratamento. Objetivo: Traduzir e adaptar culturalmente a Pediatric Eosinophilic Esophagitis Symptom Score (PEESS version2.0), um instrumento utilizado para identificar os sintomas relatados pelos pacientes ou seus pais/responsáveis para a avaliação da Esofagite Eosinofílica (EEo) pediátrica. Método: Realizamos o processo de tradução a partir da tradução inicial, retrotradução, seguida da etapa de obtenção de consenso por revisores independentes por meio da técnica Delphi. Aplicamos a versão pré-final a cinco pacientes de oito a dezoito anos e dez pais de pacientes de dois a dezoito anos, no serviço de Gastroenterologia Pediátrica (pré-teste). Resultados: No processo de tradução, não encontramos traduções de difícil consenso no processo de revisão ou discordâncias gramaticais. No pré-teste, identificamos dificuldades de entendimento de termos pouco convencionais, como “náusea”, com sugestão de substituição para o termo “enjoo”. Outra dificuldade encontrada relacionou-se aos advérbios de frequência da escala, como, por exemplo, “quase nunca”, sendo sugerida a substituição pelo termo “raramente”. Essas dificuldades podem ser inerentes à faixa etária pediátrica. A idade dos pacientes a partir de oito anos deve ser considerada adequada para o uso de escores de autorrelato. Conclusões: A tradução do Escore de Sintomas da Esofagite Eosinofílica Pediátrica (ESEEP) produziu uma escala adaptada à cultura brasileira, que, após validação, poderá ser introduzida como instrumento de investigação clínica e de pesquisa em pacientes com sintomas sugestivos de doenças esofágicas. É um importante avanço na avaliação dos sintomas, já que valoriza o relato dos próprios pacientes que convivem com essa doença.
Abstract: Introduction: Eosinophilic Esophagitis (EEo) is a clinical-pathological entity mediated by immune and antigenic mechanisms with non-specific symptoms, especially in infants and pre-school children. It represents an important cause of high gastrointestinal tract morbidity, with a significant increase in its incidence and prevalence in the last decades. Instruments that assess EEo severity have been developed to support diagnosis and treatment of this disease. Objectives: To translate and culturally adapt the Pediatric Eosinophilic Esophagitis Symptom Score (PEESS version2.0), an instrument used to assess pediatric eosinophilic esophagitis symptoms through patients’ and/or parents’ report. Methods: The PEESS was translated through the following stages: initial translation, backtranslation and consensus of independent reviewers through the Delphi technique. We applied the pre-final version of the PEESS to five eight-to-18-year-old patients and to ten parents of two-to-18-year-old patients from a outpatient Pediatric Gastroenterology service (pre-test). Results: We did not observe translations of difficult consensus or grammar inconsistencies during the translation stages. During pre-testing, we identified difficulties in comprehension of some unconventional terms, e.g., “nausea”. Adverbs of frequency, such as “almost never” were also identified as of difficult understanding by patients and parents. Such difficulties may be inherent to the pediatric age group. Eight-year-old or older children should be considered suitable for self-reporting their own symptoms. Conclusions: We have produced a Brazilian version of the Pediatric Eosinophilic Esophagitis Symptom Score (PEESS), which is adapted to the Brazilian culture. This version may be introduced as a clinical and research instrument for the assessement of patients with esophagic disease symptoms. The PEESS represents a breakthrough in the evaluation of symptoms of the pediatric eosinophilic esophagitis, since it reinforces the importance of self-report of patients who experience this disease.
Keywords: Ciências médicas
Esofagite eosinofílica
Gastroenterologia
Traduções
Autorrelato
Adolescente
Criança
Eosinophilic esophagitis
Translations
Self-report
hild
Adolescent
Area (s) of CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Quote: SANTOS, Maria Fernanda Oliveira. Tradução e adaptação cultural da Pediatric Eosinophilic Esophagitis Symptom Score (PEESS v2.0). 2017. 56 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18951
Date of defense: 22-Feb-2017
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TraducaoAdaptacaoCultural.pdfDissertação86.28 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.