Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18848
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: O “não-trabalho”?: uma análise das tensões na construção da miséria em Uberlândia (2000-2007)
metadata.dc.creator: Vieira, Liliane Cirino
metadata.dc.contributor.advisor1: Barbosa, Marta Emísia Jacinto
metadata.dc.contributor.referee1: Vasconcelos, Regina Ilka Vieira
metadata.dc.contributor.referee2: Morais, Sérgio Paulo de
metadata.dc.description.resumo: A proposta deste trabalho traz como problemática a discussão sobre a construção da miséria e a mendicância em Uberlândia no início do século XXI até o presente momento, fazendo uma análise do processo de mudanças ocorridas. Para tal empenho analiso fontes escritas e orais como a mídia (Jornal Correio de Uberlândia e Jornal da Globo), as Leis municipais e nacionais, as entrevistas orais do Albergue Noturno Ramatis, dentre outros. Investigando vários focos de interesses da construção histórica na cidade desses conceitos de "mendigos", "vagabundos", etc. O primeiro capítulo se esforça exatamente em esboçar a construção desses conceitos supracitados como sendo forjados pelos diversos mecanismos que a classe dominante possui para uma finalidade política e social de controle. Articulando-se entre o poder público e privado através de diversos meios como a polícia, as instituições assistenciais, a mídia, dentre outros. O segundo capítulo ambiciona tentar, com entrevistas orais, enxergar através dos olhos dos miseráveis da cidade, as várias maneiras de viver e contar sobre sua vida para sondar alguns processos que culminaram na sua atual situação de miséria e dependência. Assim poderemos entender que, como eles, apesar das peculiaridades, todos os demais têm um processo de construção, mesmo que diferentes. Sendo que, o mais importante a compreender, é que, a maior parte desses indivíduos não está nessa situação por que quer, mas porque foram levados a ela por alguma razão. Entendendo-a como uma condição difícil de sair. E para isso, é importante entender que o capitalismo privilegia uma pequena parcela da população em Uberlândia e explora uma grande parcela de diversas formas, gerando o desemprego, exército de reserva e sua consequente miséria, do qual fazem parte os indivíduos em estudo. A abordagem com relação ao assistencialismo não tem a intensão de defendê-lo. Mas sim abordá-lo como veículo despolitizador e mantenedor do desemprego e da falta de moradia e comida, à medida que, serve como mecanismo sutil e eficaz de dominação para aliviar as tensões do capitalismo.
Notes: Palavras-chave criadas pelo pesquisador do Projeto PROGRAD/DIREN/UFU 2016-2017 Historiografia e pesquisa discente: as monografias dos graduandos em História da UFU.
Keywords: Trabalho
Tensões sociais
Miséria
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Citation: VIEIRA, Liliane Cirino. O “não-trabalho”?: uma análise das tensões na construção da miséria em Uberlândia (2000-2007). 2008. 106 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2008.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18848
Issue Date: 2008
Appears in Collections:TCC - História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TrabalhoAnaliseTensoes.pdfTCC5.28 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.