Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18326
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Da concepção à negação da fraude corporativa: uma análise processual do caso do Banco BVA/KPMG
metadata.dc.creator: Carvalho, Helton Pena de
metadata.dc.contributor.advisor1: Medeiros, Cíntia Rodrigues de Oliveira
metadata.dc.contributor.referee1: Valadão Júnior, Valdir Machado
metadata.dc.contributor.referee2: Menezes, Raquel Santos Soares
metadata.dc.description.resumo: Uma das práticas do dark side analisadas no campo dos Estudos Organizacionais diz respeito aos crimes corporativos, cujo gênero compreende a espécie fraudes corporativas. Não obstante os esforços empreendidos para evitar a ocorrência de fraudes corporativas, essas ainda continuam fazendo vítimas, a exemplo dos casos envolvendo a Boi Gordo, Banco Santos e Daslu. Em relação aos casos da Boi Gordo e Banco Santos, Costa (2011) identificou os elementos característicos do fenômeno da fraude e o modo pelo qual se criou um contexto favorável para ela. Estudos como o realizado por Costa (2011) ainda são incipientes na literatura, principalmente, aqueles que avaliam os antecedentes das fraudes corporativas. Esta pesquisa objetiva analisar a fraude corporativa ocorrida no Banco BVA, a qual contou com a participação da KPMG Auditores Independentes, como um processo, mormente a conduta da KPMG enquanto responsável pela auditoria do Banco BVA. Buscamos, portanto, reconhecer as dimensões individuais e organizacionais que antecederam a ocorrência da fraude na instituição financeira, compreender de que modo a KPMG atuou para favorecer a ocorrência da fraude no Banco BVA, bem como analisar os argumentos de defesa da KPMG quanto à sua responsabilização na ocorrência da fraude no Banco BVA. A pesquisa teve como norte os estudos anteriores sobre antecedentes de crimes corporativos, quais sejam, aqueles desenvolvidos por Bashir et al. (2011), Baucus (1994) e Zahra, Priem e Rasheed (2005), bem como a tese de Costa (2011), principalmente, em relação à identificação das categorias relativas aos antecedentes das fraudes corporativas. O estudo foi realizado por meio de análise documental, tendo como unidade de análise os processos judiciais ativos no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo que possuem a KPMG como parte. De todas as dez categorias escolhidas para identificação dos antecedentes da fraude corporativa, apenas três não foram identificadas no caso analisado, quais sejam: a falta de prestação de contas; a cultura corporativa (BASHIR et al.; 2011) e a organização (ZAHRA; PRIEM; RASHEED, 2005), no que se refere aos organismos de governança da companhia do Banco BVA. A dissertação contribui para a compreensão do fenômeno fraude corporativa, visto que lança luz sobre o assunto e, principalmente, por se tratar de um evento tão recente. A pesquisa expandiu o entendimento da fraude como um processo, tendo contribuído para ampliar o conhecimento no campo dos estudos organizacionais, mais especificamente, chamando a atenção para eventos que ocorrem no lado sombrio das organizações, ou seja, eventos que são raramente estudados e que, no entanto, fazem parte das operações corporativas. A pesquisa chama a atenção para a necessidade de se observarem as relações entre as firmas de auditoria e os entes auditados, sendo esse um aspecto que deve ser levado em consideração, tanto em relação à escolha da companhia, bem como em relação aos membros da equipe interna que irão se relacionar com a firma de auditoria, além de cuidados específicos quanto à contratação de ex-empregados de firmas de auditoria por empresas que são ou se tornarão, em futuro próximo, clientes dessas firmas.
Abstract: One of the practices of the dark side analyzed in the field of Organizational Studies refers to Corporate Crimes, specially the kind “Corporate Frauds”. Even though many efforts have been made to avoid these frauds they still happen frequently, for example in cases involving Boi Gordo, Banco Santos and Daslu. In the cases Boi Gordo and Banco Santos, Costa (2011) identified the characteristic elements of the fraud itself and how a favorable environment for it to happen was created. Studies such as the one performed by Costa (2011) are still relatively new in literature specially the ones that deal with antecedents of Corporate Frauds. This research has as its main goal to analyze the Corporate Fraud that happened in Banco BVA, and which had the participation of KPMG Auditores Independentes, as a process, mainly the conduct of KPMG while responsible for the auditing of Banco BVA. We are trying, therefore, to recognize the individual and organizational dimensions which preceded the occurrence of the fraud at that financial institution, understand how KPMG acted to help the fraud at Banco BVA to happen as well as analyze the defense arguments of KPMG concerning their responsibility in the Banco BVA fraud. The research had as its groundwork the previous studies about the antecedents of corporate crimes such as Bashir et al. (2011), Baucus (1994) e Zahra, Priem e Rasheed (2005) as well as the Costa (2011) thesis, specially according to the categories related to the antecedents of Corporate Frauds. The study was achieved by documental analyses using the active lawsuits at the Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo which has KPMG as procedural part. From all ten categories chosen to identify the antecedents of Corporate Fraud, only tree were not identified in the analyzed case: Lack of Reporting, Corporate Culture (BASHIR et al.; 2011) and Organization (ZAHRA; PRIEM; RASHEED, 2005) as far as the corporate governance of Banco BVA is concerned. The study contributes to the understanding of the Corporate Fraud since it highlights the subjects and, most of all, because it is such a recent event. The research extended the understanding of fraud as a process, having contributed to the knowledge in the area of the Organizational Studies, chiefly emphasizing events that occur in the dark side of Organizations i.e. events that are rarely studied and which, however, are part of Corporate operations. The research shows the necessity to observe the relationship between Auditing Firms and audited subjects. These aspects must be taken into consideration, as to the choice of the Auditing Firm, in relation to members of the internal team who will deal with the Auditing Firm, as well as being aware of risks concerning the hiring of former employees of the Auditing Firms who are, or might eventually become, clients of these firms.
Keywords: Administração
Fraude
Instituições financeiras
Bancos
Banco BVA
Crimes Corporativos
Antecedentes
Fraudes Corporativas
Corporate Crime
Corporate Fraud
Antecedents
KPMG
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Administração
Citation: CARVALHO, Helton Pena de. Da concepção à negação da fraude corporativa: uma análise processual do caso do Banco BVA/KPMG. 2016. 144 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18326
Issue Date: 29-Sep-2016
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ConcepcaoNegacaoFraude.pdfDissertação1.49 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.