Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17229
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: O traumático na Clínica de Família: uma investigação sobre vínculos violentos
metadata.dc.creator: Gomes, Layla Raquel Silva
metadata.dc.contributor.advisor1: Neves, Anamaria Silva
metadata.dc.contributor.referee1: Paravidini, João Luiz Leitão
metadata.dc.contributor.referee2: Gomes, Isabel Cristina
metadata.dc.description.resumo: A presente pesquisa tem como objetivo compreender o traumático na situação de violência intrafamiliar, buscando investigar os elementos do arranjo e das configurações vinculares. A Psicanálise das Configurações Vinculares enfatiza a constituição do sujeito a partir de cada encontro, reposicionando a impossibilidade de se fazer sujeito sem um espaço social que componha sua história. Neste sentido, o trauma produzirá diferentes efeitos como inscrição social e vincular. A metodologia utilizada envolveu a construção do caso clínico de um atendimento familiar, ancorada no método psicanalítico. A Clínica de Família viabilizou a escrita do caso clínico, uma história de dor e sofrimento que retrata o vínculo humano, com enredamentos e narrativas que revelam repetições de cenas violentas. Nesta perspectiva, ouso construir como caminho de análise o traumático como possível desdobramento deste campo vinculativo que possibilita a irrupção da violência. As rememorações sobre o caso vão acentuando o tom da organização familiar, apontando para a malhagem vinculativa em torno da violência. No encaixe da telescopagem familiar não há fronteiras que organizem os vínculos, mas há uma configuração que denota a confusão e a ruptura da filiação. Nos núcleos familiares, onde impera a violência e a agressão, as funções se constituem borradas e os traumas adquirem contornos transgeracionais. O corpo, marcado pela violência, é a exposição do traumático na história familiar como lugar que habita todos os excessos e rupturas transgeracionais. A família-sujeito desta pesquisa vivencia o tempo em alternância. O espaço analítico vai revelando o tempo para cada coisa aparecer e desaparecer; o tempo fundamental dos lutos e a subjetividade de suas construções; estabelecendo o tempo como aliado na elaboração do traumático. A telescopagem familiar é acessada no tempo cronológico e se torna emblemática dos vínculos violentos estruturantes que vão se refazendo no alinhavo dos sentidos adquiridos na fantasia e na nomeação dos conteúdos traumáticos. Os sentidos das perdas vão sendo recuperados e uma nova subjetividade pode ser desenhada no campo transferencial. O acontecimento traumático aponta para a existência intransitiva de um passado que pode se perpetuar na experiência; entretanto, não há uma correspondência direta entre a dimensão dolorosa do acontecimento e seu efeito alienante. O trauma interrompe a narrativa, mas também inaugura uma nova história a partir de novas inscrições. A partir do fato traumático podem haver reacomodações das fronteiras e do significado de pertencimento dos personagens do conjunto, com efeitos e ressonâncias que afetam o conjunto em configurações diversas. O traumático, assim, pode, inclusive, ser o elemento que alimenta condição constitutiva do tecido afetivo da família. O sujeito na família equilibra-se entre o acontecimento traumático que marca sua história e as possibilidades criativas de reinventar a narrativa.
Abstract: This study aims to understand the traumatic situation of domestic violence in order to investigate the elements of its arrangement and bonding settings. Psychoanalysis of Bonding Configurations emphasizes the constitution of the subject from each encounter, repositioning the impossibility of the subject to be without a social place that composes his/her history. In this sense, trauma will produce different effects as a social and bonding register. The methodology used in this study was the construction of a case of a family being assisted by the psychoanalytic method. The Family Clinic facilitated the writing of the clinical case, a story of pain and suffering that portrays human bonding and entanglements with narratives that reveal repetition of violent scenes. In this perspective, I dare to build an analysis path as trauma possibly unfolding this bonding that enables the outburst of violence. Recollections upon the case accentuate the tone of the family organization, pointing to the binding mesh encompassed by violence. In fitting telescoping family, there are no boundaries to organize the links, but there is a setting that denotes the confusion and disruption of family membership. In households where violence and aggression reign, functions are blurred and trauma acquire transgenerational contours. The body, marked by violence, is the traumatic exposure in the family history and is a place that inhabits all excesses and transgenerational breaks. The family-subject of this study experiences time in alternation. The analytic space reveals the time for each \"thing\" to appear and disappear; the critical time of mourning and the subjectivity of its buildings; setting time as an ally to deal with the traumatic. The family telescoping is accessed in chronological time and becomes emblematic of the violent structuring bonds that tack on redoing the senses acquired in fantasy and appointment of traumatic content. The meanings of the losses will be recovered and a new subjectivity can be drawn in the transference field. The traumatic event points to the intransitive existence of a past that can perpetuate the experience; however, there is a direct correspondence between the size of the painful event and its alienating effect. The trauma interrupts the narrative, but also launches a new story from new subscriptions. From the traumatic event, re-accommodations of borders and the meaning of belonging to the set of characters may come about with effects and resonances that affect the group in various configurations. Traumatic thus could even be the element that feeds the emotional fabric of the family. The subject in the family is balanced between the traumatic event that marks its history and the creative possibilities of reinventing the narrative.
Keywords: Traumático
Violência intrafamiliar
Clínica de família
Vínculos
Traumatic
Domestic violence
Family clinic
Bonding
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Humanas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Psicologia
Citation: GOMES, Layla Raquel Silva. O traumático na Clínica de Família: uma investigação sobre vínculos violentos. 2014. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17229
Issue Date: 25-Aug-2014
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TraumaticoClinicaFamilia.pdf1.39 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.