Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17108
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Vínculo mãe-bebê: os encontros possíveis em uma UTI neonatal
metadata.dc.creator: Medeiros, Julliana de Paula
metadata.dc.contributor.advisor1: Gandini, Rita de Cássia
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Paravidini, João Luiz Leitão
metadata.dc.contributor.referee1: Ribeiro, Maria José
metadata.dc.contributor.referee2: Morsch, Denise Streit
metadata.dc.description.resumo: Esse estudo teve como objetivo compreender como se constitui a função materna em situação de internação de bebês pré-termo em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). A pesquisa foi realizada no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro no período entre março e junho de 2009. Foram entrevistadas cinco mães, casadas, com idades entre 28 e 34 anos. A abordagem utilizada nesse trabalho foi de orientação psicanalítica e funda-se no fenômeno transferencial. A pesquisa ocorreu em uma perspectiva dialógica e a intersubjetividade se constituiu um elemento fundamental dessa investigação psicanalítica. A UTIN pode ser pensada como um espaço simbólico para a ressignificação da vivência traumática do nascimento pré-termo na medida em que puder transitar entre as funções materna e paterna dos bebês que ali estão internados. A construção da função materna depende da relação dessa mãe com sua própria infância, da forma como o bebê foi antecipado ao longo da gestação e da capacidade de investir seu desejo em seu filho e para além dele. A maternagem se dá a partir de uma série de atribuições maternas ao seu bebê, pela imersão do bebê em um universo de palavras, que o inscrevam em uma linhagem familiar e o reconheçam como um ser desejante. Isso só pode ocorrer se a mãe conseguir investir narcisicamente em seu filho real, vivendo a elaboração do luto do filho imaginário, criando um espaço psíquico entre mãe e bebê, o que só é possível se essa mãe tiver inscrito em si o terceiro. Dentre os fatores e microfatores que contribuem para uma boa vinculação mãe-bebê podemos destacar o acolhimento da equipe de saúde neonatal e a participação ativa no cuidado do bebê. Como obstáculos, a ausência de contato no nascimento, a passividade do bebê frente ao cuidado materno e a dificuldade em manter o resguardo devido aos deslocamentos hospital-casahospital. Ainda como limitante para a vinculação do ponto de vista intrapsíquico, temos a necessidade de lidar com a possibilidade de perda do bebê e a dificuldade de investimento narcísico materno, o que pode se tornar intolerável na situação em que o bebê pré-termo apresente mal-formação visível.
Abstract: This study has as the purpose of understanding the maternal role in the hospitalization of preterm infants in a Neonatal Intensive Care Unit (NICU). The research was conducted at Hospital das Clínicas, Universidade Federal do Triângulo Mineiro in the period between March and June of 2009. Were interviewed five mothers, married, aged between 28 and 34 years. The approach used in this study is the psychoanalysis and is based on the transference phenomenon. The research took place in a dialogical perspective and the intersubjectivity has constituted a fundamental element of this psychoanalytic investigation. The NICU can be thought of as a symbolic space to the reframing of the traumatic experience of premature birth, the extent to which you can shift between motherly and fatherly functions of babies who are hospitalized there. The construction of the maternal function depends on the relation between this mother with her own childhood, how the baby was anticipated throughout gestation and the ability to invest in her desire for her son and beyond him. The motherly care is given from a series of assignments mother to her baby, by immersing the baby in a word universe that fall into one family line and that recognizes him as a desiring being. This con only occur if the mother is narcissistically able to reinvest in their real child, living the elaboration of mourning of the imaginary son, creating a psychological space between mother and baby, which will only happens if the mother has internalized the third. Among the factors and micro factors that contribute to a good mother-infant attachment we can highlight the acceptance of the neonatal health care team and the active participation in the care of the baby. On the other hand, as barriers, we have the lack of contact at birth, the passivity of the baby receiving the maternal care and the difficulty in maintaining the confinement period due to shifts hospital-home-hospital. Yet, as a inner psychic point of view a limitation for the binding, we need to deal with the possibility of losing the baby and the difficulty of narcissistic maternal investment, which can become unbearable in a situation where the premature baby presenting a visible bad formation.
Keywords: Pré-termo
Neonatalogia
Função materna
Vínculo mãe-bebê
Preterm
Neonatal
Maternal role
Mother-infant bond
Mãe e filhos
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Humanas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Psicologia
Citation: MEDEIROS, Julliana de Paula. Vínculo mãe-bebê: os encontros possíveis em uma UTI neonatal. 2010. 121 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17108
Issue Date: 11-Aug-2010
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Diss Juliana.pdf474.75 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.