Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16591
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Clínica e epidemiologia das infecções agudas por vírus respiratórios em crianças atendidas em um hospital público de Uberlândia MG
metadata.dc.creator: Silveira, Hélio Lopes da
metadata.dc.contributor.advisor1: Queiróz, Divina Aparecida Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Mantese, Orlando César
metadata.dc.contributor.referee1: Cintra, Otávio Augusto Leite
metadata.dc.contributor.referee2: Jorge, Miguel Tanús
metadata.dc.contributor.referee3: Silva Segundo, Gesmar Rodrigues
metadata.dc.contributor.referee4: Nogueira, Meri Bordignon
metadata.dc.description.resumo: A infecção respiratória aguda (IRA) representa importante carga de doença para o ser humano e os vírus são os causadores de 50 a 90% destas infecções em crianças menores de cinco anos de idade, que apresentam seis a nove destas infecções por ano. Assim, objetivou-se descrever os aspectos clínicos, fazer correlação clínico-etiológica, avaliar a gravidade e evolução clínica das infecções respiratórias agudas (IRA) por vírus em crianças menores de cinco anos de idade; avaliar fatores de risco intrínsecos ao hospedeiro quanto à frequência e gravidade das IRAs virais e delinear medidas preventivas e de tratamento adequadas para estas infecções. No período de 2000 a 2010, aspirados de nasofaringe (ANF) de crianças menores de cinco anos de idade com quadro clínico de IRA foram coletados até o quinto dia de sintomas. Dados demográficos, sinais e sintomas, presença de comorbidades, evolução clínica, avaliação de gravidade e diagnóstico de alta foram obtidos através de uma ficha clínica e revisão dos prontuários médicos. Os espécimes foram analisados por ensaio de imunofluorescência indireta (IFI) para detecção dos vírus respiratórios comuns e/ou reação em cadeia da polimerase (RT)-PCR. Durante o período do estudo, 535 espécimes de ANF foram coletadas sendo 46,5% de doentes internados (idade média de 6,6 meses) e 53,5% de doentes não internados (idade média de 17,8 meses). Infecção do trato respiratório superior (ITRS) respondeu por 28% dos casos enquanto infecção do trato respiratório inferior (ITRI) por 72%. De 430 amostras positivas para vírus, em 85,1% delas foi detectado um único vírus e 14,9% foram casos de coinfecção. Rinovírus (HRV) foi identificado em 37,9% das amostras (em infecção simples e codetecção), seguido pelo vírus respiratório sincicial (VRS - 35,6%), parainfluenza vírus (PIV - 9,3%), vírus da influenza (FLU - 7,3%), adenovírus (AdV- 6,3%) e metapneumovírus humano (hMPV- 3,4%). Em 64 codetecções, o HRV esteve presente 62 vezes, sendo metade com o VRS. HRV e o VRS foram osvírus respiratórios identificados com maior frequencia tanto em pacientes não internados quanto nos internados. As crianças de menor idade mostraram ser o grupo com maior frequência de infecção respiratória aguda (IRA) e com doenças mais graves e, portanto, são aqueles que foram mais hospitalizados.VRS e HRV em infecções simples e coinfecções foram os mais importantes agentes identificados. Doença moderada a grave tem sido associada ao VRS, HRV e coinfecções em frequência semelhante. Estes resultados reforçam a importância dos vírus respiratórios em crianças, associados a infecção nosocomial grave ou agravando doença coexistente. Identificar grupos de pacientes com alto risco de doença grave pode permitir a implementação de medidas preventivas e a adoção de cuidados adequados de assistência, reduzindo o ônus das IRAs virais em crianças. Cuidadores de pacientes devem ser alertados para o uso desnecessário de antibióticos em muitas situações em que os vírus são os agentes da infecção.
Abstract: Acute respiratory infection (ARI) have an important disease burden for humans and viruses are causes of 50-90% of these infections in children up to five years of age who usually presents 6 to 9 infections per year. The objectives of this study was to describe the clinical aspects and its clinical-etiological correlation, assessment of severity and clinical progressives outcomes of viral ARI in children under five years of age; to assess patient´s risk factors related to the frequency and severity of viral ARI, and outline preventive measures and appropriate treatment for these infections. From 2000 to 2010, nasopharyngeal aspirate (NPA) from children up to five years old with ARI was collected within the 5th day of symptoms. Demographic data, signs and symptoms, comorbidities, clinical evaluation, assessment of severity and discharge diagnosis were obtained through a questionnaires and review of medical records. The specimens were analyzed by indirect immunofluorescence assay for the detection of common respiratory viruses and/orpolymerase chain reaction (RT)-PCR. During the study period 535 specimens of NPA were collected: 46.5% inpatients (mean age 6.6 months) and 53.5% outpatients (mean age 17.8 months). Upper respiratory tract infection (URTI) represented 28% of the cases whereas lower respiratory tract infection (LRTI) for 72%. In 430 of the viral positive samples, single infection were 85.1% and 14.9% were codetections cases. Rhinovirus (HRV) was detected in 37.9% of the samples (either in single or codetections), followed by respiratory syncytial virus (RSV - 35.6%), parainfluenza virus (PIV - 9.3%), influenza virus (FLU - 7.3%), adenovirus (AdV- 6.3 %) and human metapneumovirus (hMPV- 3.4%). In 64 codetections, HRV was present 62 times, half of it with RSV. For either outpatients or inpatients, HRV and RSV were the most common respiratory virus identified. Young children showed to be the group with more frequent ARI, more severe diseases and, therefore, are those that are more frequently hospitalized. RSV and HRV in single infections and coinfections were the most important agents identified. Moderate to severe disease has been linked to RSV, HRV and coinfections in a similar frequency. Our data could reinforce the importance of respiratory viruses in children causing serious nosocomial infection or aggravating coexisting disease. Identify groups of patients at high risk for severe disease may allow the implementation of preventive measures and the adoption of appropriate care assistance, reduzing the burden of viral ARI in children. Caregivers of inpatients should be alerted to the unnecessary use of antibiotics in many situations.
Keywords: Crianças - Infecções respiratórias agudas
Crianças - Doenças respiratórias agudas
Vírus respiratórios
Infecção hospitalar
Children - Acute respiratory infections
Children - Acute respiratory diseases
Respiratory viruses
Nosocomial infection
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::IMUNOLOGIA::IMUNOLOGIA APLICADA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Imunologia e Parasitologia Aplicadas
Citation: SILVEIRA, Hélio Lopes da. Clínica e epidemiologia das infecções agudas por vírus respiratórios em crianças atendidas em um hospital público de Uberlândia MG. 2013. 83 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16591
Issue Date: 12-Aug-2013
Appears in Collections:TESE - Imunologia e Parasitologia Aplicadas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Helio Lopes.pdf617.66 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.