Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16567
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Caracterização molecular, antigênica e epidemiológica da Ehrlichia canis em Uberlândia, MG, Brasil
metadata.dc.creator: Rieck, Susana Elisa
metadata.dc.contributor.advisor1: Beletti, Marcelo Emílio
metadata.dc.contributor.referee1: Mundim, Antônio Vicente
metadata.dc.contributor.referee2: Aguiar, Daniel Moura de
metadata.dc.contributor.referee3: Szabó, Matias Pablo Juan
metadata.dc.contributor.referee4: Labruna, Marcelo Bahia
metadata.dc.description.resumo: A erliquiose monocítica canina (EMC) é uma doença com ampla distribuição no Brasil e mundo. O agente causador é uma bactéria gram negativa intracelular obrigatória denominada Ehrlichia canis, a qual para infectar o cão precisa do auxílio de um vetor, o Rhipicephalus sanguineus. No ano de 2009 foi realizado o primeiro isolamento deste agente em Uberlândia a partir de um cão doente. Este isolado foi propagado in vitro e o gene 16S rRNA seqüenciado para sua caracterização e comparação com outros isolados. O sequenciamento do 16S rRNA confirmou a identificação do isolado como E. canis e apresentou alta homologia com demais cepas e isolados depositados no GenBank. Também foi avaliada a habilidade antigênica na reação de imunofluorescência indireta (RIFI), utilizando como antígeno este e outro isolado brasileiro, o São Paulo, e soros caninos das duas cidades. Quanto à positividade, os soros de cães de São Paulo e de Uberlândia foram concordantes na RIFI com ambos antígenos, apesar de grandes variações no título final. Pela análise do índice Kappa foi constatado que os dois antígenos possuem respostas diferentes, sendo que os animais de São Paulo, que provavelmente adquiriram anticorpos contra a cepa isolada daquela região, respondem de forma similar às erlíquias de Uberlândia. Já os animais que provavelmente entraram em contato com a E. canis de Uberlândia produziram anticorpos com afinidade maior para o antígeno Uberlândia. Os isolados São Paulo e Uberlândia apresentaram sensibilidade diferente ao diagnóstico da E. canis por RIFI, mas não o suficiente para gerar falsos negativos ou positivos. A prevalência da doença na população canina de Uberlândia foi verificada utilizando a RIFI e avaliando prováveis fatores que possam influenciar na sua ocorrência. A prevalência da EMC em Uberlândia foi alta, sendo que de 400 amostras de soro, 211 (52,8%) cães foram positivos. A observação pelo proprietário dos cães do contato com carrapatos não influenciou significativamente a ocorrência da EMC (p= 0,419). Houve uma tendência (p= 0,057) dos machos serem mais positivos que as fêmeas. Os cães com mais de um ano de idade foram mais positivos (56,3%, p= 0,002). Cães errantes também foram mais positivos (68,8%) quando comparados com cães destinados a doação (34,1%) e com dono (54,8%) (p= 0,002). O local de residência também influenciou na positividade dos cães, sendo a positividade dos cães dos distritos (76,7%) maior que na cidade (55,9%) e na zona rural (39,2%) (p= 0,0001). As diferenças encontradas entre as localidades podem ser explicadas pela baixa renda econômica nos distritos quando comparada com a cidade, com conseqüente menores cuidados com os cães. Uberlândia é endêmica para EMC, sendo que cães com mais de um ano de idade, errantes e que residem em localidades com menor desenvolvimento econômico tem maior predisposição para a infecção por E. canis.
Abstract: Canine Monocytic Ehrlichiosis (CME) is a disease with a extensive distribution in Brazil and the world. The etiologic agent is a gram negative obligate intracellular bacterium called Ehrlichia canis, which needs of the vector, Rhipicephalus sanguineus to infect the dog. In 2009 it was carried out the first isolation of this agent in Uberlandia from a sick dog. This isolate was propagated in vitro and the 16S rRNA gene was sequenced for characterization and comparison with other isolates. Sequencing of 16S rRNA confirmed the identification of the isolate as E. canis and showed high homology with other strains and isolates deposited in GenBank. We also evaluated the antigenicity in indirect immunofluorescence assay (IFA), using this antigen and other Brazilian isolate, called São Paulo, and canine sera from both cities. The results by IFA for sera of dogs from São Paulo and Uberlândia were concordant with antigens, despite the variation in the final title. By analyzing the Kappa coefficient, I was noted that the two antigens have different answers, being that the animals from São Paulo, who probably acquired antibodies against the strain isolated from that region, respond similarly to ehrlichia Uberlandia. However, the animals that probably came into contact with E. canis from Uberlândia produced antibodies with higher affinity for antigen Uberlândia. The São Paulo and Uberlândia isolated had different sensitivity to the diagnosis of E. canis by IFA, but not enough to generate false negatives or positives. The prevalence of the disease in canine populations from Uberlândia was tested using the IFA, as well as, probable factors that may influence its occurrence were evaluated. The prevalence of CME was high in Uberlandia, being that 211 (52.8%) dog sera were positive in 400 serum samples. The observation by the owner of the contact of the dogs with ticks did not significantly influenced the occurrence of CME (p = 0.419). There was a trend (p = 0.057) of males to be more positive than females. Dogs over one year old were more positive (56.3%, p = 0.002). Stray dogs were also more positive (68.8%) compared with dogs for donation (34.1%) and with owner (54.8%) (p = 0.002). The place of residence also influenced the positivity, being that the dogs from the districts (76.7%) have higher positivity than from the city (55.9%) and rural area (39.2%) (p = 0.0001). The differences between the localities can be explained by low economic income of the districts when compared with the city, resulting in smaller care of dogs. Uberlândia is endemic to CME, and dogs over one year old, wandering and living in cities with less economic development have a greater predisposition to E. canis infection.
Keywords: Erliquiose
Erliquiose - Epidemiologia
Ehrlichia canis
Cães
Erliquiose monocítica canina
16S rRNA
Reação de imunofluorescência indireta
Prevalência
Dogs
Canine monocytic ehrlichiosis
16S rRNA
Indirect immunofluorescence
Prevalence
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::IMUNOLOGIA::IMUNOLOGIA APLICADA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Imunologia e Parasitologia Aplicadas
Citation: RIECK, Susana Elisa. Caracterização molecular, antigênica e epidemiológica da Ehrlichia canis em Uberlândia, MG, Brasil. 2011. 102 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16567
Issue Date: 18-May-2011
Appears in Collections:TESE - Imunologia e Parasitologia Aplicadas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Diss Susana.pdf1.82 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.