Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16161
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorReis, Laís Naiara Gonçalves dos
dc.date.accessioned2016-06-22T18:44:57Z-
dc.date.available2013-05-09
dc.date.available2016-06-22T18:44:57Z-
dc.date.issued2013-02-19
dc.identifier.citationREIS, Laís Naiara Gonçalves dos. Mapeamento multitemporal e conversão do uso da terra a partir da expansão canavieira no Triângulo Mineiro (2000-2010). 2013. 126 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufu.br/handle/123456789/16161-
dc.description.abstractIt can be observed that the areas of the culture of sugar cane have expanded its borders in Brazil, replacing the areas formerly occupied by pastures and agriculture. Amendment explained by the increased demand for ethanol, biofuel. Brazil is the leading producer of cane sugar, with a production of 400 million tons of cane harvested. According to UDOP (2011). Minas Gerais excels in the production of cane sugar from the 1990s, which evidences a public policy to encourage sugar mills to produce sugar cane. This research aims to map the expansion of cane sugar in the Triângulo Mineiro which consists of the regions: Uberlândia, Uberaba, Ituiutaba and Frutal, and how this process has led to the replacement of the areas of crop, pasture and natural vegetation cover monoculture said. We used the images (Landsat and RapidEye), georeferencing was done in SPRING 5.2 (free GIS software, available at INPE). The Digital Processing of Images and classification on the computer screen were made in the software SPRING 5.2. The research result shows that there was an increase of 244,408 ha compared to 2000, a period when there were 389,004 ha of cane sugar, an increase of 62%. The micro-region that had the largest area planted to the crop was region Uberaba with approximately 276,500 ha, followed by micro-Frutal with 249,544 ha, with 91,190 Uberlândia and Ituiutaba with 72,373 ha. There was an increase of 228,759 ha from 2000 to 2005. The data indicate that most of the areas of expansion of cane sugar occurred on pastures, followed by agriculture, natural vegetation and then lastly forestry. Mapped in the first period (2000-2005), most of the incorporation of new areas of cane sugar occurred on pastures with 56%, followed by the incorporation of other agricultural uses: 32% natural vegetation: 10 % and forestry: 2% from 228,759 ha expansion. In the second period there was an expansion of mapped 15,649, the category of other agricultural uses increased from 32% to 43%, as grazing goes from 56% to 46% of 15,649 hectares. The dynamic incorporation of new land for cane sugar begins in the first study period (2000-2005), giving up, especially on the areas of grassland. For the period 2005-2010 there is a larger appropriation than in the first period of the areas that were once destined for other agricultural uses.eng
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Uberlândiapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectSensoriamento remotopor
dc.subjectExpansão canavieirapor
dc.subjectAgrohidronegóciopor
dc.subjectMapeamento do uso da terra e cobertura vegetal naturalpor
dc.subjectTriângulo Mineiropor
dc.subjectRemote sensingeng
dc.subjectSugarcane expansioneng
dc.subjectAgrohidronegócioeng
dc.subjectMapping of land use and cover vegetaleng
dc.subjectCana-de-açúcar Triângulo Mineiropor
dc.subjectSensoriamento remoto - Agriculturapor
dc.titleMapeamento multitemporal e conversão do uso da terra a partir da expansão canavieira no Triângulo Mineiro (2000-2010)por
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.advisor1Brito, Jorge Luís Silva
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4798097P0por
dc.contributor.referee1Cleps Junior, João
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4786167E0por
dc.contributor.referee2Lima, João Donizete
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4791686D2por
dc.description.degreenameMestre em Geografiapor
dc.description.resumoPode-se observar que as áreas ocupadas com a cultura da cana-de-açúcar têm expandido suas fronteiras no Brasil, substituindo as áreas que antes eram ocupadas por pastagens e agriculturas. Alteração explicada pelo aumento da demanda do etanol, agrocombustível. O Brasil é o primeiro produtor de cana-de-açúcar, com uma produção de 400.000.000 toneladas de cana colhida. Segundo a UDOP (2011). Minas Gerais se destaca na produção de cana-de-açúcar a partir da década de 1990, o que evidencia uma política pública de incentivo aos usineiros para a produção de cana-de-açúcar. Essa pesquisa tem como finalidade mapear a expansão da cana-de-açúcar no Triângulo Mineiro que é composto pelas microrregiões: Uberlândia, Uberaba, Ituiutaba e Frutal, e como esse processo tem ocasionado à substituição das áreas de cultura agrícola, pastagens e cobertura vegetal natural pela monocultura referida. Foram utilizadas as imagens (Landsat e Rapideye), o georreferenciamento foi feito no SPRING 5.2 (Software de SIG livre, disponível no site do INPE). O Processamento Digital das Imagens e a classificação em tela do computador foram feitas no software SPRING 5.2. O resultado da pesquisa mostra que houve uma expansão de 244.408 ha em relação a 2000, período em que havia 389.004 ha de cana-de-açúcar, ou seja, uma expansão de 62%. A microrregião que possuía maior área plantada com a cultura era a microrregião de Uberaba com aproximadamente 276.500 ha, seguido pela microrregião de Frutal com 249.544 ha, Uberlândia com 91.190 e Ituiutaba com 72.373 ha. Houve uma expansão de 228.759 ha de 2000 para 2005. Os dados indicam que a maior parte das áreas de expansão da cana-de-açúcar se deu sobre as áreas de pastagens, seguidos pela agricultura, depois vegetação natural e por ultimo a silvicultura. No primeiro período mapeado (2000-2005), a maior parte da incorporação de novas áreas de cana-de-açúcar ocorreu sobre as áreas de pastagens com 56%, seguido pela incorporação sobre os demais usos agrícolas: 32 %, vegetação natural: 10% e silvicultura: 2%, de 228.759 ha de expansão. No segundo período mapeado houve uma expansão de 15.649, a categoria dos demais usos agrícolas aumentou de 32% para 43%, já a pastagem passa de 56% para 46% de 15.649 hectares. A dinâmica de incorporação de novas terras para cana-deaçúcar começa no primeiro período de estudo (2000-2005), se dando, sobretudo sobre as áreas de pastagens. Para o período de 2005-2010 há uma apropriação maior do que no primeiro período das áreas que antes eram destinadas para os demais usos agrícolas.por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Geografiapor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIApor
dc.publisher.departmentCiências Humanaspor
dc.publisher.initialsUFUpor
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LaisNaiara.pdf9.54 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.