Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/14026
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: A formação para o trabalho da agricultura familiar camponesa: os limites e desafios nos processos de resistência para a produção e comercialização na cidade de Uberlândia
metadata.dc.creator: Fernandes, José Eduardo
metadata.dc.contributor.advisor1: Lucena, Carlos Alberto
metadata.dc.contributor.referee1: Previtalli, Fabiane Santana
metadata.dc.contributor.referee2: Fonseca, Valter Machado da
metadata.dc.description.resumo: A Educação tem um papel fundamental, tanto para inculcar a ideia hegemônica como um processo \"natural\" de organização de sociedade por parte da burguesia, como para se contrapor, romper e superar os valores burgueses por parte dos trabalhadores. Está na essência do processo hegemônico capitalista a ideia de que é necessário treinar, adestrar e instrumentalizar o trabalhador com informações técnicas de mercado para viabilizar o seu trabalho para produzir. Assim, a educação é um dos caminhos que apontam para a melhoria das condições de vida dos trabalhadores. Dentre essas alternativas, existem projetos desenvolvidos no âmbito de incubadoras universitárias destinadas a apoiar grupos de trabalhadores autogestionários que queiram organizar-se coletivamente para o enfrentamento das relações com o mercado e a superação conjunta das dificuldades. Dentro da perspectiva da incubação, como as entidades indutoras de transferência de conhecimento que atuam dentro do âmbito da Economia Solidária exercem essa tarefa de formar os trabalhadores em direção à construção da emancipação econômica? É hipótese deste trabalho, que a educação tradicional contemporânea tecnicista reforça a ideia hegemônica burguesa de sociedade (papel de fornecedor de matérias primas para a agregação de valor por terceiros), limita o trabalhador a exercer um papel determinado pelas elites detentoras do capital, bem como dos entes públicos que defendem a mesma lógica para os trabalhadores, disseminando o individualismo como forma de desenvolvimento. O Objetivo Geral desta dissertação é analisar os limites e desafios enfrentados por um grupo de trabalhadores da agricultura familiar camponesa incubados no CIEPS/UFU, a partir da década de 2010, para apropriar-se de tecnologias de produção e comercialização por meio de processos de formação para o trabalho. Para tanto, este trabalho fará o exercício de priorizar a qualidade das informações compartilhadas nos momentos de assessoria realizada para os empreendimentos de agricultores familiares camponeses, incubados no CIEPS/UFU. Para fazer a análise dessas informações será necessário identificar as realidades desses trabalhadores, suas atividades e dificuldades enfrentadas e ao mesmo tempo refletir sobre as esperanças, decepções, dificuldades e problemas vivenciados em suas trajetórias. A proposta para a construção de um coletivo de formação para o CIEPS tem a orientação na necessidade de pensar numa lógica de formação que tenha dois eixos fundamentais, ou seja, um de técnica, que possa transferir saberes acumulados em todas as áreas possíveis da universidade, que possibilite a apropriação dos conhecimentos, habilidade e valores aos trabalhadores, e outro eixo alicerçado na formação política ampla e que possibilite a formação da consciência de classe, que seja participativa e representativa das lutas sociais dos trabalhadores e que ambas tenham a articulação entre prática e teoria. O aprofundamento nos processos educacionais e a relação com a apropriação de conhecimento técnico articulado com a formação política por parte dos trabalhadores ainda é um desafio, para as relações solidárias mas que jamais deve deixar de ser prioridade no caminho da construção da emancipação humana.
Abstract: Education has a crucial role, both to inculcate the hegemonic idea is a \"natural\" process of society organization by the bourgeoisie, such as to oppose, disrupt and overcome the bourgeois values by workers. Is the essence of the hegemonic capitalist process the idea that it is necessary to train, tame and instrumentalizing workers with market technical information to enable their work for producing. So education is one of the paths that point to improve the living conditions for the workers. Between alternatives, there are projects developed within university incubators to support self-managed groups of workers who want to organize ork collective work to confront the market relations and joint overcome the difficulties. From the perspective of incubation, such as carry enti-ties of knowledge transfer that act within the scope of the Solidarity Economy exercise this task of educating workers toward the construction of economic emancipation? It hypothesis of this work, the technicalities contemporary education reinforces the hege-monic idea of society (the farmer is supplier of raw materials for value addition by third parties), which limits the worker to engage in a certain role by the elites holding the capital as well such as the public entities who hold the same logic for workers, spread-ing individualism as a means of development. The general objective of this dissertation is to analyze the limits and challenges faced by a group of workers of landman family agriculture incubated in CIEPS / UFU, from the 2010s to take ownership of production and marketing through education process technologies to the work. Therefore, this work will make the exercise of prioritizing the quality of information shared in times of ad-vice made to the developments of family landman farmers, incubated in CIEPS / UFU. To make the analysis of this information is necessary to identify the realities these workers, their activities and difficulties and at the same time reflect on the hopes, disap-pointments, difficulties and problems experienced in their trajectories. The proposal to build a collective education process for CIEPS has guidance on the need to think of a logic that has two main arguments, a technique which can transfer accumulated knowledge at every possible areas of the university, which allows the appropriation of knowledge, skills and values for workers, and the other axis founded on broad policy and training that enables the formation of class consciousness, that is participatory and representative of the social struggles of the workers and that both have the link between practice and theory. Deepening the educational process and the relationship with the technical appropriation of knowledge coordinated with the political education for work-ers is still a challenge for the solidarity relations but that should can never stop be a pri-ority in the path of construction of human emancipation.
Keywords: Formação
Trabalho
Resistência
Camponês
Education
Labor
Worker s resistance
Landsman
Agricultura familiar - Uberlândia (MG)
Sociologia educacional
Trabalho - Aspectos sociais
Trabalhadores rurais - Uberlândia (MG)
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Humanas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Educação
Citation: FERNANDES, José Eduardo. A formação para o trabalho da agricultura familiar camponesa: os limites e desafios nos processos de resistência para a produção e comercialização na cidade de Uberlândia. 2015. 106 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/14026
Issue Date: 4-Dec-2015
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FormacaoTrabalhoAgriculturaFamiliar.pdf1.94 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.