Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13415
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Dinâmica de ocupação e comportamento de nidificação de Xylocopa frontalis (Olivier, 1789) (Apidae, Xylocopini) em abrigos artificiais
metadata.dc.creator: Pedroso, Henrique Lomônaco
metadata.dc.contributor.advisor1: Augusto, Solange Cristina
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Paula, Cecilia Lomônaco de
metadata.dc.contributor.referee1: Sofia, Silvia Helena
metadata.dc.contributor.referee2: Yamamoto, Marcela
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho analisou alguns aspectos da dinâmica populacional e do comportamento de nidificação de Xylocopa frontalis (Olivier, 1789), popularmente conhecida como abelha carpinteira. Foram descritos os padrões de colonização de abrigos (ocupação, filopatria e dispersão, tempo de permanência, uso e reuso de ninhos por fêmeas emergentes e do entorno) em diferentes ambientes (reserva ecológica e agroecossistema), estações (quente/úmida e fria/seca) e condições de oferta de ninhos (maior e menor quantidade de ninhos-armadilha). Em cada ambiente foram instalados dois abrigos com substratos de nidificação. Uma população inicial de abelhas ali encontradas ou introduzidas foram marcadas individualmente e acompanhadas por um período de aproximadamente um ano. A proporção entre o número de ninhos fundados e reusados não diferiu entre os abrigos. Houve um número maior de novas fundações do que o reuso do ninho materno independentemente da quantidade de ninhos disponibilizados. O número de células de cria nos ninhos fundados foi superior ao de ninhos reutilizados e as proporções de cada uma destas categorias não diferiram entre os abrigos. A semelhança nos padrões de variação do número de fêmeas entre os abrigos de uma mesma área parece indicar a influência de fatores microclimáticos regendo a dinâmica de ocupação dos abrigos e, consequentemente, o número de células de cria. Em nenhum abrigo houve a utilização total dos ninhos disponibilizados nem diferenças no número de crias produzidas por fêmea. Em todos os abrigos o número de fêmeas dispersoras foi superior ao número de fêmeas filopátricas e estas variáveis não diferiram entre os abrigos. O tempo máximo em que uma fêmea permaneceu no abrigo equivaleu a 198 dias. Para as fêmeas dispersoras, o tempo mínimo de permanência foi de 12 dias, com valor médio de 45 dias. O fato de fêmeas oriundas de outros locais do entorno também nidificarem no abrigo instalado pode contribuir para aumentar a variabilidade genética da população de X. frontalis.
Abstract: This paper analyzed some aspects of the population dynamics and of the nesting behavior of Xylocopa frontalis (Olivier, 1789), popularly known as the carpenter bee. The patterns of colonization (occupation, philopatric and dispersive behavior, permanence period, use and reuse of the nests by emerging and vicinity females) of four bee-shelters in different environments (ecological reserve and farm), seasons (hot/cold and wet/dry) and conditions of nest supply (high and low amount of trap nests) were described. In each environment two shelters containing substrates for nest building were installed and the initial populations founded were individually marked and observed for a period of approximately one year. The proportion between the number of first-established nests and the reused ones did not differ between the shelters. There were a greater number of new foundations over the reuse of the nest regardless of the number of nests provided. The number of brood cells in the first-established nests was greater than that of the reused ones and the proportions of each of these categories did not differ between the bee-shelters. The similarity of the variation pattern in the number of females between shelters of the same area would indicate the influence of microclimatic factors governing the dynamic occupation of the bee-shelters and consequently the number of brood cells. In no shelter occurs the full utilization of the available nests and no differences in the number of offspring produced per female were found. In all shelters, the number of dispersing females was higher than the number of philopatric ones and the proportionality between these variables did not differ between the shelters. The maximum period oftime that a female remained in the bee-shelter was equivalent to 198 days. For the dispersing females, the minimum period of permanence in the bee-shelter was 12 days, with an average of 45 days. The nest use for females from the vicinities may contribute to maximize the population genetic variability of X. frontalis.
Keywords: Abelha solitária
Filopatria
Agroecossistema
Solitary bee
Philopatry
Agroecossystem
Abelha - Ecologia
Comportamento de Nidificação
Filopatria e Dispersão
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais
Citation: PEDROSO, Henrique Lomônaco. Dinâmica de ocupação e comportamento de nidificação de Xylocopa frontalis (Olivier, 1789) (Apidae, Xylocopini) em abrigos artificiais. 2014. 41 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13415
Issue Date: 28-Feb-2014
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Ecologia e Conservação de Recursos Naturais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DinamicaOcupacaoComportamento.pdf1.21 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.