Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13264
metadata.dc.type: Tese
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Ecologia da interação entre formigas, herbívoros e Ouratea spectabilis Engl. (Ochnaceae): condicionalidade nos resultados das associações dependente de variação geográfica e temporal uma discussão à luz da teoria dos mosaicos geográficos da coevolução de Thompson
metadata.dc.creator: Byk, Jonas
metadata.dc.contributor.advisor1: Claro, Kleber Del
metadata.dc.contributor.referee1: Gonzaga, Marcelo de Oliveira
metadata.dc.contributor.referee2: Silingardi, Helena Maura Torezan
metadata.dc.contributor.referee3: Santos, Juliane Floriano Lopes
metadata.dc.description.resumo: A herbivoria é um importante fator de estruturação e diversidade das comunidades naturais, e varia em função de sazonalidade, variação espacial e pelas interações plantaherbívoros- predadores. Como resposta à herbivoria, as plantas apresentam diferentes estratégias de defesa, principalmente químicas, físicas, fenológicas ou bióticas. As associações com formigas, atraídas por nectários extraflorais (NEFs), são provavelmente as principais defesas bióticas dos vegetais. A presente tese como objetivo avaliar a variação ao longo do tempo dos benefícios conferidos pelas formigas visitantes de NEFs de Ouratea spectabilis (Ochnaceae) no ambiente Cerrado, contra a ação de herbívoros. A hipótese que todas as espécies de formigas protegem a planta ao receber néctar extrafloral. Para tal, avaliou-se o quanto as formigas ganham ao visitar nectários extraflorais. Montamos três experimentos, isoladamente: no primeiro, manipulamos em laboratório, formigueiros e plantas com e sem NEFS para mensuramos o ganho das formigas em receber o néctar extrafloral foi testada como alimento complementar; no segundo avaliamos em campo o desempenho de uma espécie de formiga (Cephalotes pusilus) para saber se todas as espécies realmente conferem proteção as plantas portadoras de NEFs e em um ultimo experimento, através da permanência e exclusão de formigas, avaliamos a interação simultaneamente por dois anos em Uberlândia MG, Água Clara MS e Brasília DF, afim de testar a Teoria dos Mosaicos Geográficos da Coevolução. Conseguimos demonstrar pela primeira vez, de forma evidente, que formigas obtém benefícios ao se alimentar de néctar extrafloral, aumentando o peso e número de indivíduos no decorrer de um ano. Conseguimos demonstrar que algumas formigas, neste caso Cephalotes pusilus, não confere proteção alguma a planta e que simplesmente se alimenta de néctar e pólen, mostrando que nem todas as espécies se comportam de maneira agressiva e possuem características para proteger a planta. E no ultimo caso, conseguimos demonstrar que as interações entre formigas e Ouratea spectabilis apresentam o mesmo significado ecológico, independendo da região geográfica. Sugere-se que se um tipo de interação é resultado de coevolução, o conjunto de elementos interagentes está sujeito a pressões seletivas semelhantes que conduzirão a interação para um mesmo resultado, neste caso, uma relação mutualística, corroborando com a teoria que foi testada.
Abstract: The herbivory is an important factor for the structuring and diversity of natural communities, and may be influenced by factors such as seasonality, and spatial interactions by plant-herbivores-predators. In response to herbivory plants have different defense strategies, mainly chemical, physical, phenological or biotic. The associations with ants, attracted by extrafloral nectaries (EFN), are probably the main biotic defenses of plants. This thesis aims to determine the variation over time, the benefits conferred by the ant EFN visitors from Ouratea spectabilis (Ochnaceae) in the Cerrado environment, against the action of herbivores if all species of ants actually protect the plant to receive extrafloral nectar and how the ants win by visiting extrafloral nectaries. We set up three experiments in isolation: one in which we manipulated in the laboratory, ants and plants with and without EFNS to measure the gain that the ants get in the extrafloral nectar as a food supplement. In the second chapter, we evaluated the performance of a species of ant (Cephalotes pusilus ) to see if all the species actually confer protection to plants with EFN and a final experiment, by the time spent and the exclusion of ants, we evaluated the interaction simultaneously for two years in Uberlândia - MG, Água Clara - MS and Brasilia - DF, in order to test the geographical mosaic theory of coevolution. We demonstrated for the first time, in an obvious way, that ants benefit by feeding on extrafloral nectar, increasing the weight and number of individuals in the course of a year. We showed that some ants, in this case Cephalotes pusilus do not confer protection to the plant and that just feed on nectar and pollen, showing that not all species behave aggressively and have features to protect the plant. In the final experiment, we could demonstrate that the interactions between ants and Ouratea spectabilis have the same ecological significance regardless of geographic region. It is suggested that one type of interaction is the result of coevolution, the set of interacting elements are subject to similar selective pressures that lead to interaction for the same outcome in this case, a mutualistic interaction, which corroborates the theory that was tested
Keywords: Interação inseto-planta
Mutualismo
Mosaicos geográficos
Coevolução
Interação insetoplanta
Formigas
Comportamento
Mutualism
Geographic mosaic
Coevolution
Interaction insect-plant
Ants
Behavior
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais
Citation: BYK, Jonas. Ecologia da interação entre formigas, herbívoros e Ouratea spectabilis Engl. (Ochnaceae): condicionalidade nos resultados das associações dependente de variação geográfica e temporal uma discussão à luz da teoria dos mosaicos geográficos da coevolução de Thompson. 2010. 99 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13264
Issue Date: 25-Feb-2010
Appears in Collections:TESE - Ecologia e Conservação de Recursos Naturais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese Jonas.pdf1.97 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.