Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12789
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Fatores associados a sintomas depressivos em mães de recém-nascidos pré-termos de muito baixo peso
metadata.dc.creator: Prado, Marília Martins
metadata.dc.contributor.advisor1: Morales, Nívea de Macedo Oliveira
metadata.dc.contributor.referee1: Ribeiro, Alessandra Carla de Almeida
metadata.dc.contributor.referee2: Rocha, Neusa Sica da
metadata.dc.description.resumo: A sobrevivência de recém-nascidos pré-termo e de muito baixo peso (PTMBP) tem aumentado nas últimas décadas e o parto prematuro tem sido apontado como um fator estressor em relação ao equilíbrio emocional materno. Mães de PTMBP apresentam maior incidência de sintomas de ansiedade e depressão, bem como pior percepção de bem estar, do que mães de recém-nascidos a termo (RNT). O prejuízo emocional materno representa potencial risco ao desenvolvimento neuropsicológico da criança. No entanto, ainda é pouco conhecida a relação entre fatores sociodemográficos maternos e clínicos do PTMBP e intensidade de sintomas depressivos maternos. O objetivo deste estudo foi verificar a intensidade de sintomas depressivos em mães de PTMBP durante os primeiros doze meses após o parto e sua possível associação com características sociodemográficas e qualidade de vida maternas e com as características clínicas dos PTMBP. Mães de PTMBP (idade gestacional &#8804; 34 semanas e peso de nascimento < 1,500g) internados na unidade de terapia intensiva neonatal do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia foram convidadas a participar de um estudo longitudinal. Para avaliar a presença e intensidade de sintomas depressivos e a qualidade de vida, mães de PTMBP responderam ao Inventário de Depressão de Beck (IDB) e ao WHOQOL-BREF, respectivamente, em quatro momentos ao longo de doze meses. No momento da alta participaram 83 mães de PTMBP e, a seguir, 60, 56 e 40 mães aos três, seis e doze meses após o parto, respectivamente. Os escores (mediana; P25-P75) do BDI foram maiores no momento da alta hospitalar materna (9,0; 6-19) em comparação com os obtidos três (6,0; 3,0-12,0) (p = 0,02), seis (6,0; 2,0-10,0) (p <0,01) e doze meses (5,0; 3,7-11,2) (p < 0,01) após o parto. Foi observada associação entre os escores do IDB e ausência de união marital estável, menor número de perdas fetais ou pós-natais anteriores, menor escore total do WHOQOL-BREF, maior tempo de internação hospitalar do PTMBP e presença de displasia broncopulmonar. Mães de RNPT, sobretudo as solteiras, apresentam maior intensidade de sintomas depressivos no momento da sua alta hospitalar, e são mais vulneráveis ao impacto negativo na sua qualidade de vida.
Abstract: The survival of newborn preterm and very low birth weight (VLBW) infants has increased in recent decades and preterm delivery has been touted as a stressor in relation to maternal emotional balance. Mothers of VLBW have higher incidence of anxiety and depressive symptoms, as well as poorer perception of well-being than mothers of full-term newborns. This study examined the intensity of depressive symptoms in mothers of VLBW infants during the initial 12 months after childbirth and the association of these symptoms with sociodemographic characteristics, maternal quality of life and infants clinical characteristics. Mothers of VLBW infants (gestational age &#8804; 34 weeks; birth weight < 1.500 g) admitted to a neonatal intensive care unit (NICU) were invited to participate in a longitudinal study. Mothers responded to the Beck Depression Inventory (BDI) and WHOQOL-BREF four times over 12 months to assess the presence and intensity of depressive symptoms and quality of life, respectively. At mother s discharge, 83 mothers participated, and then, 60, 56 and 40 mothers were interviewed after three, six and 12 months post-delivery, respectively. The BDI (median; P25-P75) scores were higher at discharge (9.0; 6-19) compared to those obtained three (6.0; 3.0-12.0) (p = 0.02), six (6.0; 2.0-10.0) (p < 0.01) and 12 months (5.0; 3.7-11.2) (p < 0.01) post-delivery (p < 0.05). An association was observed between the BDI scores and the absence of a stable marital status, many previous fetal or postnatal losses, a lower total WHOQOL-BREF score, a longer infants length of hospital stay and the presence of bronchopulmonary dysplasia (BPD). Mothers of VLBW infants, particularly single women, had more intense depressive symptoms at the time of their discharge and were more vulnerable to negative effects on their quality of life.
Keywords: Sintomas depressivos
Qualidade de Vida
Mães
Recém-nascidos pré-termo
Depressive symptoms
Quality of life
Mothers
Preterm infants
Ciências médicas
Depressão
Recém- nascidos
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Saúde
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Citation: PRADO, Marília Martins. Fatores associados a sintomas depressivos em mães de recém-nascidos pré-termos de muito baixo peso. 2013. 67 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12789
Issue Date: 30-Aug-2013
Appears in Collections:PGCS - Mestrado em Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FatoresAssociadosSintomas.pdf2.89 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.