Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12703
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Úlcera por pressão colonizada por Staphylococcus aureus resistente a meticilina: reservatório, fatores de risco e evolução para infecção local e bacteremia em um hospital de ensino e instituições de longa permanência para idosos
metadata.dc.creator: Pirett, Cely Cristiane Nery Silva
metadata.dc.contributor.advisor1: Diogo Filho, Augusto
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Gontijo Filho, Paulo Pinto
metadata.dc.contributor.referee1: Oliveira, Cristina da Cunha Hueb Barata de
metadata.dc.contributor.referee2: Mantese, Orlando César
metadata.dc.contributor.referee3: Petroianu, Andy
metadata.dc.description.resumo: Introdução: As úlceras por pressão (UP) predispõem à colonização por Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) e constituem um importante reservatório deste microrganismo em hospitais e em instituições de assistência à saúde de idosos nos Estados Unidos e na Europa. Objetivos: Avaliar a relação entre colonização e infecção de UP por Staphylococcus aureus/MRSA, fatores de risco e evolução para infecção de corrente sanguínea, bem como da colonização nasal por estes microrganismos em pacientes com UP estadio II em pacientes hospitalizados e em residentes de Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI). Casuística e métodos: O estudo foi conduzido no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) e em três ILPI da cidade. O estudo foi do tipo coorte, prospectivo, no HC-UFU e observacional, longitudinal, nas ILPI. Foram incluídos 226 participantes voluntários, sob vigilância ativa, dos quais, 145 estavam hospitalizados e tinham UP estadio II e 81 residentes das ILPI, com ou sem UP, durante 20 meses, no período de maio-dezembro de 2005 e agosto 2009-julho 2010. As UP foram classificadas quanto à gravidade (estadio I a IV) e se infectadas ou não pela avaliação da presença de sinais clínicos e microscópica, pela positividade quanto à razão de 2:1 entre células inflamatórias (polimorfonucleares) e células epiteliais, por campo, após a coloração do esfregaço da ferida pelo Giemsa. Por busca ativa, foram avaliados os prontuários dos voluntários até alta, óbito ou transferência de unidade, com os dados registrados em uma ficha individual. Foram coletados espécimes clínicos com swab das UP estadio II e da mucosa nasal dos voluntários, em intervalos quinzenais até resultado positivo para S. aureus. O cultivo primário foi realizado em meio ágar manitol salgado. A infecção de corrente sanguínea por MRSA foi considerada quando de hemocultura positiva. Um único isolado de MRSA foi considerado por voluntário e a identificação de gênero/espécie foi realizada por testes fenotípicos clássicos. O antibiograma foi realizado pela técnica de difusão em ágar, segundo as normas do CLSI 2005/2009. Resultados: A análise estatística univariada dos fatores de risco foi realizada pelos testes de qui ao quadrado e exato de Fisher. As variáveis que demonstraram associação na análise univariada foram submetidas à multivariada através de modelo de regressão logística. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de ética em pesquisa da UFU/MG (118/05; 370/09). No grupo hospitalizado foram identificados 63 (43,5%) pacientes colonizados por MRSA nas UP, porém nenhum dos fatores de risco analisados foi independentemente associado com esta colonização. Verificou-se associação entre pacientes colonizados e com hemocultura positiva por MRSA (OR:19,0; 95% CI, 2,4-151,1, P<0,001), bem como em relação à mortalidade (OR:21,9; 95% CI, 1,23-391,5; P=0,002 ). Os fatores de risco independentes para bacteremia por MRSA foram: duas co-morbidades (OR:6,26 IC 95%, 1,01-39,1; P=0,05) e UP infectada (OR:12,75, 95% CI, 1,22-132,9, P=0,03). A frequência de colonização nasal por MRSA foi expressiva no grupo hospitalizado, não sendo constatada nos residentes das ILPI. Conclusões: O estudo demonstrou que úlcera por pressão colonizada por MRSA representou um reservatório epidemiológico potencial deste microrganismo no hospital, com risco de bacteremia por MRSA para o paciente e prognóstico desfavorável quanto à evolução. Devido à maior dependência destes pacientes e sua permanência por tempo prolongado nas principais unidades de internação do hospital, recomenda-se maior atenção quanto a sua participação na epidemiologia de infecções por bactérias multirresistentes, como o MRSA.
Abstract: Introduction: pressure ulcers (PU) predispose to colonization by methicillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) and represent an important reservoir of this organism in hospitals and health care institutions for elderly in the United States and Europe. Objectives: To evaluate the relationship between colonization and infection of UP by Staphylococcus aureus / MRSA, risk factors and outcome for bloodstream infection and nasal colonization by these microorganisms in patients with stage II or greater PU in hospitalized patients and residents of Long Term Care Facilities (LTCF) for elderly. Methods: The study was conducted at Clinical Hospital of Federal University of Uberlandia (CH-FUU) and three LTCF of city. The study design was prospective cohort in the hospital and an observational, longitudinal, in the LTCF. We included 226 volunteers, under active surveillance, of whom 145 were hospitalized and had stage II or greater PU, and 81 residents from LTCF, with or without PU, for 20 months period, from May to December 2005 and August 2009 - July 2010. PU were classified according to severity (stage I to IV) and the presence or absence of local infection by evaluation of clinical signs and microscopic by positive evaluation of wound s smears, by the ratio of inflammatory cells (polymorphonuclear) to epithelial cells of 2:1 per field, after staining by Giemsa. By active search, we evaluated the records of volunteers until discharge, death or transfer unit with the data reported on individual records. Clinical specimens were collected with swabs of the stage II or greater PU and nasal mucosa of volunteers in biweekly intervals until a positive result for S. aureus. The primary culture was carried through salt mannitol agar. The MRSA bloodstream infection was defined as blood culture positive. A single isolate of MRSA was found by volunteer and gender/ species identification was performed by classical phenotypic tests. The antibiogram was performed by agar diffusion technique according to CLSI standards 2005/2009. Results: Univariate statistical analysis of risk factors was performed by chi-square and Fisher exact test. The variables that showed association in the univariate analysis were analyzed by multivariate logistic regression model. The study was approved by the research ethics of the UFU, MG (118/05, 370/09). In the hospitalized group were identified 63 (43.5%) patients colonized with MRSA in UP, however, none of the analyzed risk factors was independently associated with this colonization. Association was found between patients with positive blood cultures and colonized by MRSA (OR: 19.0, 95% CI, 2.4 to 151.1, P <0.001) as well as for mortality (OR: 21.9, 95 % CI, 1.23 to 391.5, P = 0.002). The independent risk factors for MRSA bacteremia were two comorbidities (OR: 6.26 95% CI, 1.01 to 39.1, P = 0.05) and infected PU (OR: 12.75, 95% CI, 1.22 to 132.9, P = 0.03). The frequency of nasal colonization by MRSA was high in the hospitalized group, not being found in residents of LTCF. Conclusions: The study demonstrated that pressure ulcer colonized by MRSA was an epidemiologic reservoir potential of this organism in the hospital, with high-risk for MRSA bacteremia for patients and unfavorable prognosis as to the evolution. Due to the large dependence of these patients and their prolonged stay in the main hospital units, we recommend more attention on the participation of PU in the epidemiology of infections by multidrug-resistant bacteria as MRSA.
Keywords: Staphylococcus aureus resistente à meticilina
Colonização e bacteremia
Pressure ulcer
Methicillin-resistant staphylococcus aureus
Colonization and bacteremia
Úlcera por pressão
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Saúde
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Citation: PIRETT, Cely Cristiane Nery Silva. Úlcera por pressão colonizada por Staphylococcus aureus resistente a meticilina: reservatório, fatores de risco e evolução para infecção local e bacteremia em um hospital de ensino e instituições de longa permanência para idosos. 2011. 97 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12703
Issue Date: 24-Feb-2011
Appears in Collections:PGCS - Mestrado em Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Diss Cely.pdf2.74 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.