Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12696
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Correlação entre ultrassonografia com Doppler e biópsia na gradação da esteatose hepática não alcoólica
metadata.dc.creator: Borges, Valéria Ferreira de Almeida e
metadata.dc.contributor.advisor1: Diniz, Angélica Lemos Debs
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Cotrim, Helma Pinchemel
metadata.dc.contributor.referee1: Oliveira, Luiz Carlos Marques de
metadata.dc.contributor.referee2: Jorge, Paulo Tannus
metadata.dc.contributor.referee3: Bailão, Luiz Antônio
metadata.dc.description.resumo: A esteatose hepática não alcoólica é comum e frequentemente descoberta à ultrassonografia (USG). A gradação da esteatose por USG convencional é subjetiva e sujeita à variabilidade inter e intra-observador. A biópsia hepática é o método diagnóstico padrão, havendo, porém, controvérsias sobre sua indicação. É necessária, para a prática clínica, a quantificação não invasiva, objetiva e reprodutível da esteatose. O objetivo deste estudo foi avaliar a correlação entre a razão hepatorrenal (RHR), o índice venoso portal (IVP), o padrão de onda de velocidade de fluxo (OVF) da veia hepática direita à USG com Doppler e a biópsia na gradação da esteatose hepática não alcoólica. USG com Doppler foi realizada em 82 voluntários entre os quais 42, com doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA), foram submetidos à biópsia. Os demais 40, sem esteatose à USG e sem fatores risco para DHGNA foram incluídos como controles. A ecogenicidade hepática e renal foram mensuradas por meio do histograma da intensidade dos ecos à USG em modo brilho e a RHR calculada à partir da divisão da amplitude do histograma hepático pela renal. O IVP foi calculado subtraindo-se o pico mínimo de velocidade portal do pico máximo e dividindo-se pelo pico máximo. A OVF da veia hepática direita foi classificada em monofásica, bifásica e trifásica. Os espécimes obtidos por biópsia hepática por agulha foram corados com Hematoxilina-Eosina e Tricrômio de Masson e classificados em esteatose discreta (até 33% dos hepatócitos infiltrados por gordura), moderada (de 33 a 66%) e acentuada (mais de 66%). A fibrose e a inflamação foram classificadas segundo sua intensidade e localização no ácino hepático. A correlação entre a RHR e o grau de esteatose à biópsia foi positiva e significante (r= 0,80, P< 0,01). O ponto de corte da RHR &#8805; 1,24 apresentou sensibilidade de 92,7%, especificidade de 92,5% e acurácia de 92,6%. As médias e desvios padrão da RHR foram, respectivamente, nos subgrupos: controle 1,09±0,13; esteatose discreta 1,46±0,24; moderada 1,52±0,27 e acentuada 2,04±0,31. As médias da RHR foram diferentes entre si (P<0,01), exceto entre os subgrupos de esteatose discreta e moderada. O IVP apresentou correlação inversa e significante com o grau de esteatose à biópsia (r=-0,74, P < 0,01). A média e o desvio padrão do IVP no grupo controle foi 0,34±0,08 e no doente 0,20±0,07 (P<0,01), caindo progressivamente com o aumento do grau de esteatose, porém sem discriminar com significância os subgrupos com esteatose. A distribuição do padrão da OVF da veia hepática direita foi predominantemente trifásico nos controles e no subgrupo com esteatose discreta enquanto o padrão monofásico foi mais frequente na esteatose acentuada (P< 0,01). Porém, a distribuição da OVF da veia hepática direita não mostrou diferença significante entre os subgrupos de doentes. Neste estudo, a RHR apresentou-se como melhor parâmetro ultrassonográfico para gradação da esteatose hepática em pacientes com DHGNA.
Abstract: Nonalcoholic fatty liver disease (NAFLD) is common and widespread diagnosed by ultrasound (US). Steatosis grading by conventional US is subjective and presents great interobserver and intraobserver variability. Liver biopsy has been considered the gold standard for the diagnosis of NAFLD, but there are controversies about its indication. A non-invasive, objective and reproducible quantification of steatosis is necessary for clinical practice. The aim of this study was to assess the correlation between sonographic hepatorenal ratio (HRR), portal vein pulsatility index (VPI) and right hepatic vein pattern with liver biopsy for gradation of nonalcoholic steatosis. Ultrasound and Doppler US were performed in 82 subjects, among which 42, with NAFLD, also underwent liver biopsy. Forty normal volunteers were included as control group. The echogenicity of the hepatic parenchyma and right kidney cortex were measured using the histogram echo intensity and the hepatorenal ratio (HRR) was derived. The VPI was calculated as maximum velocity at minimum velocity divided by maximum velocity. The waveform of right hepatic vein was classified in monophasic, biphasic or triphasic. The specimens obtained through needle biopsy was stained by hematoxylin-eosin and Masson s Trichrome and classified as mild (up to 33% of the hepatocytes infiltrated by fat droplets), moderate (from 33 to 66%) and severe (over 66% of fatty infiltration in hepatocytes). The inflammatory infiltrate was discriminate as mild, moderate and severe intensity. The fibrosis was described according to location in the hepatic acinus, aspect and intensity. A significant correlation was found between histologic steatosis and HRR (r=0.80, P <0.01). The cutoff point of HRR presented sensitivity of 92.7%, specificity of 92.5% and accuracy of 92.6%. The mean and standard deviation in subgroups were: control 1.09±0.13; mild 1.46±0.24; moderate 1.52 ±0.27 and severe 2.04±0.31. The means of HRR were different among themselves, except between the mild and moderate subgroups. The VPI presented inverse and significant correlation with steatosis degree at biopsy (r= -0.74 P <0.01). The mean and standard deviation of VPI in control group was 0.34±0.08 and in steatosis group was 0.20±0.07 (P <0.01), dropping progressively according to the increase in steatosis degree. However, the VPI did not discriminate the steatosis subgroups. The Doppler waveform pattern of the right hepatic vein was predominantly triphasic in control and mild subgroup while the monophasic pattern was more frequent in severe steatosis (P< 0.01). However, the distribution of Doppler waveform pattern of the right hepatic vein did not show significant differences among mild, moderate and severe steatosis groups. In this study, Hepatorenal sonographic ratio was the best sonographic parameter for gradation of steatosis in patients with NAFLD.
Keywords: Fígado gorduroso
Esteatose hepática
Ultrassonografia
Doppler
Biópsia hepática
Fatty liver
Hepatic steatosis
Ultrasound
Doppler sonography
Liver biopsy
Fígado gorduroso - Imagem ultrasônica
Doppler, Ultra-sonografia
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências da Saúde
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde
Citation: BORGES, Valéria Ferreira de Almeida e. Correlação entre ultrassonografia com Doppler e biópsia na gradação da esteatose hepática não alcoólica. 2010. 73 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12696
Issue Date: 14-May-2010
Appears in Collections:PGCS - Mestrado em Ciências da Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Diss Valeria.pdf1.36 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.