Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12414
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Title: Astrócitos são resistentes à infecção in vitro pelo vírus da encefalite de Saint Louis: estudo da citotoxicidade e astrogliose
metadata.dc.creator: Zuza, Adriano Lara
metadata.dc.contributor.advisor1: Zanon, Renata Graciele
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Chávez, Juliana Helena
metadata.dc.contributor.referee1: Mondini, Adriano
metadata.dc.contributor.referee2: Costa, Lourenço Faria
metadata.dc.description.resumo: O vírus da Encefalite de Saint Louis (SLEV), um flavivírus transmitido a humanos através da picada de mosquitos Culex, é o agente causador da Encefalite de Saint Louis (SLE), uma doença que pode levar a encefalite de gravidade variada, principalmente em idosos, com taxa de mortalidade de aproximadamente 17%. Para alcançar o sistema nervoso central (CNS) pela corrente sanguínea, o patógeno deve atravessar a barreira hematoencefálica (BBB), formada por células endoteliais e astrócitos. Os astrócitos são o tipo celular da glia mais presente no CNS, com função de manutenção da homeostase, neuroinflamação e respostas imunes do tecido neural. Embora passíveis de infecção por diversos flavivirus, a infectividade de astrócitos por SLEV e as alterações celulares decorrentes desta infecção carecem estudos. Por sua função estratégica, fundamental para o funcionamento do CNS, os astrócitos foram investigados quanto a ativação e alterações morfológicas, indução de resposta imunológica via MHC-I e indução de apoptose pela ativação de caspase-3 pós-infecção por SLEV. A titulação viral comparativa de amostras pelos métodos de formação de placas (PFU) e sal de MTT revelou que em ambas as técnicas os resultados foram semelhantes. Quando infectados por SLEV, células VERO apresentaram maiores citotoxicidade e mortalidade do que astrócitos. Além disso, o contato com o flavivirus desencadeou ativação imune astrocitária marcada por aumento de MHC-I e astrogliose com intensa expressão de GFAP, aumento no número e comprimento dos prolongamentos citoplasmáticos. Quando expostos a concentrações virais crescentes, foi observado aumento proporcional na expressão de caspase-3, também marcado pela destruição da membrana nuclear. A imunomarcação com anticorpos anti-SLEV revelou que os vírus ocupam uma posição perinuclear durante o processo de replicação. A grande resistência dos astrócitos ao SLEV sugere que outros mecanismos de infecção, como a quebra da barreira hematoencefálica possa estar associada ao desenvolvimento de SLE e que o papel do astrócitos na SLE também esteja relacionado à infecção viral crônica.
Abstract: Saint Louis Encephalitis Virus (SLEV) is a flavivirus that infects humans through Culex mosquito bite. It causes Saint Louis Encephalitis (SLE), a disease that affects mainly the elderly with a mortality rate of 17% and various severity clinical presentations. In order to reach the central nervous system (CNS) from circulating blood the pathogen must cross a barrier formed by endothelial cells and astrocytes, the blood-brain-barrier (BBB). Astrocytes are the most common glial cell type in CNS, their role is to keep neural tissue homeostasis, control neuroinflamation and immune response. Althought astrocytes can be infected by flavivirus, there are few studies to evaluate its infection and cell alterations post SLEV exposure. For astrocyte plays an essential role in CNS functioning, they were investigated for morphologic alterations and activation (astrogliosis), immunological response via MHC-I and apoptosis induction via caspase-3 activation post-infection. A comparative study using plaque forming units (PFU) and MTT salt assay was performed to determine viral titer revealing that both methods can be used to access viral titres of a sample with similar results. VERO cells shown higher cytotoxicity and mortality rates than astrocytes when infected with SLEV. Besides, flaviviral exposure unleashed astrocyte immune response marked by raise in MHC-I expression and astrogliosis, characterized by intense GFAP expression, and increase in number and length of cytoplasmic processes. When exposed to growing viral concentrations, it has been observed a proportional increase of caspase-3 expression, also showing nuclear envelope destruction. Immune staining with anti-SLEV antibody revealed that the virus displayed a perinuclear location during the replication process. The great SLEV resistance of astrocytes suggests that other infection mechanisms, as BBB breakdown must be associated in the neuroinvasive form of SLEV infection. Also astrocyte might play a role in chronic infection of CNS.
Keywords: Vírus da encefalite de Saint Louis
Astrócito
Infecção
Astrogliose
Cultura celular
Saint Louis encephalitis virus
Astrocyte
Infection
Astrogliosis
Cell culture
vírus da encefalite
Células - cultura e meios de cultura
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::MORFOLOGIA::CITOLOGIA E BIOLOGIA CELULAR
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
metadata.dc.publisher.initials: UFU
metadata.dc.publisher.department: Ciências Biomédicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Estrutural Aplicadas
Citation: ZUZA, Adriano Lara. Astrócitos são resistentes à infecção in vitro pelo vírus da encefalite de Saint Louis: estudo da citotoxicidade e astrogliose. 2015. 69 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biomédicas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.
URI: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12414
Issue Date: 18-Jul-2015
Appears in Collections:PPGBC - Mestrado em Biologia Celular e Estrutural Aplicadas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AstrocitosResistentesInfeccao.pdf1.19 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.