Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/24303
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorLemos, Frederico Gemesio-
dc.date.accessioned2019-02-13T15:06:37Z-
dc.date.available2019-02-13T15:06:37Z-
dc.date.issued2016-09-02-
dc.identifier.citationLEMOS, Frederico Gemesio. Ecologia e conservação da raposa-do-campo (Lycalopex vetulus) e interações com canídeos simpátricos em áreas antropizadas do Brasil Central. 2016. 168 f. Tese (Doutorado em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/1014393/ufu.te.2019.1207pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufu.br/handle/123456789/24303-
dc.description.abstractWild canids have the widest distribution than any other group of carnivores on the planet. Such characteristic makes them an important part in the dynamics of a variety of ecosystems. To better understand the evolutionary history of South American canids and how they share resources along disturbed areas, this study aimed to describe the spatial organization of hoary foxes Lycalopex vetulus, and examine part of their interactions with sintopic canids, besides identifying threats to its survival. To contribute to the standardization of sampling strategies to monitor wildlife, capture technique was evaluated, and also trapping potential and success in monitoring canids through high frequency collars (VHF). We obtained 470 capture events using box traps baited with sardines. Of these, 347 (74%) corresponded to wild canids captures (mean success of 10.7 captures per 100 trap* night). Hoary foxes showed higher capture rates than other species, but were captured almost exclusively by medium-sized traps, while crab-eating foxes had high capture rates on medium- and large-sized traps. The maned wolf had high capture rates in large-sized traps. To allow additional monitoring of hoary foxes by camera trapping and register new individuals, we developed a technique to identify foxes through marks on the tail of these animals. During this study 73 wild canids were monitored by radio-collars and was possible to estimate that mean home range hoary foxes is 2.68 km2, of crab-eating fox 8.23 km2, and of maned wolves 66.54 km2. It is known that there is a wide variation in the social system of canids and that this is directly linked to how species are organized in space. The results presented reinforce that small South American Lupinae canids live in monogamous and territorial social systems. The three species were active mainly during the night and used up to 11 different types of shelters (n = 417 records). Yellow armadillo holes (Euphractus sexcinctus) were the most used shelter by the hoary fox while, while crab-eating foxes and maned wolves used more often clumps of tall grass. The main causes of canids deaths in the study area are result of human actions (41.3%) as road kill, domestic dog attacks, poisoning and shooting. Intraguild predation of smaller canids by pumas is the second most frequent cause of death. The third chapter also contains an assessment on the risk of extinction of the hoary fox, where after a wide review, the species was classified as vulnerable to extinction. In the Cerrado, a priority ecosystem for biodiversity conservation, landscapes altered by human action represent the current scenario. To better understand how species have been dealing with these changes it is urgent to increase studies in this direction.pt_BR
dc.description.sponsorshipUFU - Universidade Federal de Uberlândiapt_BR
dc.languageengpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de Uberlândiapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAnimal behaviorpt_BR
dc.subjectCarnivorespt_BR
dc.subjectcamera trappingpt_BR
dc.subjectCerdocyon thouspt_BR
dc.subjectChrysocyon brachyuruspt_BR
dc.subjectconservationpt_BR
dc.subjectLycalopex vetuluspt_BR
dc.subjectradio telemetrypt_BR
dc.subjecthome rangept_BR
dc.subjectraposa-do-campopt_BR
dc.subjectÁreas de vidapt_BR
dc.subjectarmadilhas fotográficaspt_BR
dc.subjectCarnívorospt_BR
dc.subjectcomportamento animalpt_BR
dc.subjectconservaçãopt_BR
dc.subjectradiotelemetriapt_BR
dc.subjectEcologiapt_BR
dc.subjectanimais silvestrespt_BR
dc.titleEcologia e conservação da raposa-do-campo (Lycalopex vetulus) e interações com canídeos simpátricos em áreas antropizadas do Brasilpt_BR
dc.title.alternativeEcología y conservación de la raposa-de-campo (Lycalopex vetulus) y interaciones com cánidos sympatricos en el Brazil Centralpt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.contributor.advisor1Giaretta, Kátia Gomes Facure-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4701725U6pt_BR
dc.contributor.referee1Dalponte, Júlio Cesar-
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4731428E5pt_BR
dc.contributor.referee2Torres, Natália Mundim-
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4764959A2pt_BR
dc.contributor.referee3Paula, Rogério Cunha-
dc.contributor.referee3Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4772506Y1pt_BR
dc.contributor.referee4Morato, Ronaldo Gonçalves-
dc.contributor.referee4Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4723109U4pt_BR
dc.creator.Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4735899A2pt_BR
dc.description.degreenameTese (Doutorado)pt_BR
dc.description.resumoCanídeos selvagens apresentam maior distribuição que qualquer outro grupo de carnívoros no planeta. Tal característica faz deles parte importante na dinâmica de uma variedade de ecossistemas. Para melhor compreensão da história evolutiva dos canídeos sul americanos e como estes compartilham recursos em áreas antropizadas, este estudo teve como objetivos descrever a organização espacial de raposas-do-campo Lycalopex vetulus e examinar parte das suas interações com canídeos sintópicos, além de identificar ameaças à sua sobrevivência. A fim de contribuir para a padronização de estratégias de amostragem para monitorar a vida selvagem, foi avaliada a técnica de captura, potencial de armadilhamento e o sucesso no monitoramento de canídeos através de coleiras de alta frequência (VHF). Obtivemos 470 eventos de captura usando armadilhas do tipo caixa iscadas com sardinha. Destes, 347 (74%) corresponderam a capturas de canídeos selvagens (média de sucesso de 10,7 capturas por 100 armadilha*noite). Raposas-do-campo mostraram taxas de captura mais elevadas que as outras espécies, mas foram capturadas quase exclusivamente por armadilhas de porte médio, enquanto cachorros-do-mato tiveram altas taxas de captura por armadilha médias e grandes. O lobo-guará teve altas taxas de captura em armadilhas de grande porte. Para possibilitar o acompanhamento adicional de raposas-do-campo por armadilhas fotográficas e registrar novos indivíduos, desenvolvemos uma técnica para identificar raposas através das marcas no rabo destes animais. Durante este estudo foram monitorados por coleiras rádio-transmissoras 73 canídeos silvestres, sendo possível estimar que o tamanho médio de área de vida da raposa-do-campo é 2,68 km2, do cachorro-do-mato 8,23 km2, e de lobos-guará 66,54 km2. Sabe-se que há uma grande variação no sistema social entre canídeos e isso está diretamente ligado à forma como espécies se organizam no espaço. Os resultados apresentados reforçam que canídeos Lupinae de pequeno porte sul americanos organizam-se em sistemas sociais monogâmicos e territoriais. As três espécies mostraram-se ativas principalmente durante a noite e utilizaram até 11 tipos diferentes de abrigos (n = 417 registros). Tocas de tatu peba (Euphractus sexcinctus) foram o abrigo mais usado pela raposa-do-campo, enquanto cachorros-do-mato e lobos-guará utilizaram com maior frequência moitas de capim alto. As principais causas de morte de canídeos na região de estudo são decorrentes de ações humanas (41,3%) como atropelamentos, ataques de cães domésticos, envenenamento e tiro. Predação intraguilda de onças-pardas sobre os canídeos menores é a segunda causa de morte mais frequente. O terceiro capítulo traz ainda uma avaliação do risco de extinção da raposa-do-campo, onde após uma ampla revisão, a espécie foi classificada vulnerável à extinção. No Cerrado, ecossistema prioritário para a conservação da biodiversidade, paisagens alteradas pela ação humana representam o cenário atual. Para melhor compreender como espécies vem lidando com tais mudanças é urgente o aumento de estudos neste sentido.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Ecologia e Conservação de Recursos Naturaispt_BR
dc.sizeorduration168pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICASpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA::ECOLOGIA APLICADApt_BR
dc.identifier.doihttp://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.1207pt_BR
dc.crossref.doibatchidpublicado no crossref antes da rotina xml-
Appears in Collections:TESE - Ecologia e Conservação de Recursos Naturais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EcologiaConservacaoRaposa.pdfTese10.55 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.