Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18207
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorLima, Lívia Bonjardim-
dc.date.accessioned2017-03-21T13:54:50Z-
dc.date.available2017-03-21T13:54:50Z-
dc.date.issued2017-02-07-
dc.identifier.citationLIMA, Lívia Bonjardim. Impacto do número de implantes empregados em protocolos mandibulares - Revisão sistemática. 2017. 64 f. Dissertação (Mestrado em Odontologia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18207-
dc.description.abstractPurpose: To assess edentulous patients rehabilitated by implant-supported mandibular full-arch bridges and to analyze the impact of the different number of implants used on implant survival rate, bone loss around the fixtures and prosthesis survival rate. Material and methods: This systematic review followed PRISMA guidelines and was registered on PROSPERO (registration number CRD42016048523). PubMed/MEDLINE electronic database was searched for articles published up until July 17th, 2016 without restrictions about publication year and aimed to answer the following question in PICO format: “In edentulous patients, full arch-bridges supported by three implants, compared to those with different number of implants, show satisfactory implant survival rate, bone loss and prosthesis survival rate?” Evidence level of studies were evaluated according to OCEBM e the methodological quality by MINORS scale and Cochrane Risk of Bias Tool. Descriptive statistics was performed when applicable. Implant survival curves were constructed with Kaplan-meyer method and marginal bone loss was analyzed with kruskal-Wallis, Dunn’s and Mann Whitney tests. Results: 21 studies were enrolled. Overall, 4712 implants and 1245 implant-supported fullarch bridges were examined in 1245 patients. Results were grouped on categories based on the number of fixtures on each patient: Group 1 (three implants) showed an implant survival rate of 90%, Group 2 (four implants) presented 95% and the Group 3 (five implants) reached the lowest implant survival rate (74%). Group 1 and Group 3 showed the lowest values of first year bone loss (0.73 and 0.70 mm respectively), statistically significant different of Group 2 that registered median = 1,31mm (p = <0.001). Conclusion: Despite of the limitations regarding the lack of high level of evidence studies and the methodology of MeSH terms research itself, it was concluded that full archbridges supported by three implants show satisfactory implant survival rate and first year bone loss. The prosthesis survival rate, however, was inferior to the other groups and this suggests a bigger follow-up of these rehabilitations with the aim of clarifying data and search for solutions.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de Uberlândiapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectOdontologiapt_BR
dc.subjectImplantes dentários osseointegradospt_BR
dc.subjectPrótese dentáriapt_BR
dc.subjectPróteses mandibularespt_BR
dc.subjectImplantes dentáriospt_BR
dc.subjectProtocolo mandibularpt_BR
dc.subjectDental Implantspt_BR
dc.subjectImplant-supported full-arch bridgept_BR
dc.subjectSurvival ratept_BR
dc.subjectBone losspt_BR
dc.titleImpacto do número de implantes empregados em protocolos mandibulares - Revisão sistemáticapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisor1Simamoto Júnior, Paulo Cézar-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4770653D6pt_BR
dc.contributor.referee1Zanetta-Barbosa, Darceny-
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4797156Y8pt_BR
dc.contributor.referee2Naves, Lucas Zago-
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4715404A9pt_BR
dc.creator.Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4259649U5pt_BR
dc.description.degreenameDissertação (Mestrado)pt_BR
dc.description.resumoObjetivo: Avaliar pacientes reabilitados com prótese tipo protocolo mandibular e analisar o impacto do diferente número de implantes utilizados na taxa de sobrevivência dos implantes, perda óssea marginal e sobrevivência das próteses. Material e métodos: Esta revisão sistemática foi conduzida segundo orientações do PRISMA e registrada sob número de registo CRD42016048523 (PROSPERO). A base de dados electrônica PubMed/MEDLINE foi pesquisada para artigos publicados até 17 de julho de 2016 sem restrições quanto ao ano de publicação e teve como objetivo responder a seguinte pergunta em formato PICO: "Em pacientes desdentados, protocolos mandibulares suportados por três implantes, comparados com diferente número de implantes, mostram taxa de sobrevivência de implantes, perda óssea marginal e sobrevivência da prótese satisfatórios?" Os estudos foram avaliados segundo os níveis de evidência OCEBM e a qualidade metodológica foi avaliada de acordo com a escala MINORS e ferramenta de risco de viés Cochrane. Foi realizada a estatística descritiva quando aplicável. Curvas de sobrevivência para os implantes foram construídas com o metódo de Kaplan Meyer e a perda óssea marginal foi analisada pelos testes de kruskal-Wallis, Dunn’s e Mann Whitney. Resultados: 21 estudos foram incluídos na síntese quantitativa. 4712 implantes e 1245 protocolos mandibulares foram examinados em 1245 pacientes. Os resultados foram agrupados em categorias com base no número de implantes instalados em cada paciente: grupo 1 (três implantes) mostrou uma taxa de sobrevivência do implante de 90%, grupo 2 (4 implantes) apresentou 95% e o grupo 3 (cinco implantes) atingiu a menor taxa de sobrevivência do implante (74%). Os grupos 1 e 3 apresentaram os menores valores de perda óssea no primeiro ano (0,73 e 0,70 mm respectivamente), com diferença estatisticamente significante do grupo 2 que registrou mediana = 1,31 mm (p = < 0,001). Conclusão: Apesar das limitações quanto à falta de estudos de elevado nível de evidência e da própria metodologia da pesquisa por termos MeSH, pôde-se concluir que protocolos mandibulares suportados por três implantes demonstraram sobrevivência de implantes e perda óssea marginal no primeiro ano satisfatórios. A sobrevivência de próteses, no entanto, foi inferior aos demais grupos e isto sugere um maior acompanhamento de tais reabilitações a fim de esclarecer dados e buscar soluções.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-graduação em Odontologiapt_BR
dc.sizeorduration64pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::ODONTOLOGIApt_BR
dc.identifier.doiufu.http://dx.doi.org/10.14393/ufu.di.2017.138-
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ImpactoNumeroImplantes.pdfDissertação1.11 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.